True Detective: Terra Noturna | Quem matou Annie? Por que? Entenda

Publicidade

True Detective: Terra Noturna, da HBO, começa com o estranho desaparecimento de um grupo de cientistas da Estação de Pesquisa Tsalal Arctic, em Ennis, Alasca. O seu desaparecimento coincide com o último pôr do sol do ano, à medida que a longa noite toma conta. A investigação revela que o caso dos cientistas pode estar ligado ao assassinato de uma mulher local chamada Annie K, que morreu há seis anos. 

O assassino nunca foi pego e a verdade por trás do que realmente aconteceu com Annie nunca veio à tona. Mas assim que os detetives Danvers e Navarro começam a investigar os cientistas, descobrem coisas surpreendentes que os levam aos responsáveis ​​pela morte de Annie. 

As cavernas de gelo são a resposta para o destino de Annie

Quando Navarro e Danvers encontram o telefone de Annie no trailer secreto de Raymond Clarke, eles descobrem um vídeo gravado momentos antes de seu assassinato. Isso prova que Annie foi morta nas cavernas e depois trazida para a cidade. Tudo o que precisavam fazer era encontrar as cavernas e localizar o local do assassinato, e isso lhes daria todas as respostas de que precisavam. Com a saída de Otis Heiss, eles terão que fazer isso sozinhos.

Navarro e Danvers encontram o local onde podem cavar no gelo para entrar nas cavernas. Eles entram nas cavernas sem mapa ou ideia de para onde estão indo, mas Navarro tem um palpite e, enquanto Danvers a segue, os dois acabam em um local onde encontram Raymond Clarke. Perseguindo-o, os detetives tropeçam em um laboratório subterrâneo secreto. Eles encontram uma coisa tipo chave de fenda com ponta em forma de estrela e percebem que esta é a arma do crime. Eles também encontram o símbolo da espiral ali, provando que foi aqui que Annie foi assassinada.

O laboratório possui uma escada secreta que dá acesso a Tsalal. Navarro e Danvers se separam para encontrar Clarke, mas ele pega os dois de surpresa. Ele tranca Danvers em uma sala gelada e bate na cabeça de Navarro, deixando-a inconsciente. Eventualmente, Danvers consegue sair da sala e, no momento em que encontra Clarke, Navarro acordou e já havia espancado o rosto de Clarke até virar uma polpa.

Mesmo quando pego, Clarke se recusa a falar, então Navarro o força a ouvir os últimos gritos de Annie repetidamente até que ele desabe e esteja pronto para dizer a verdade. Ele confessa que Annie realmente foi morta no laboratório subterrâneo, e foram os cientistas que fizeram isso. Quando Navarro pergunta se ele era um deles, se também machucou Annie, ele diz que nunca a machucaria. Ele afirma que a amava e como tentou salvá-la, mas falhou. 

Mas tanto Navarro quanto Danvers sabem que ele está mentindo. Se ele amasse Annie, não teria permitido que ela fosse morta por seus colegas de trabalho. Além disso, ele não teria enterrado a verdade todos esses anos e se escondido quando a morte chegasse para o resto dos cientistas.

Por que os cientistas mataram Annie K?

Annie era o rosto da comunidade Ennis, lutando para proteger seu povo, protegendo suas terras e águas. Era do conhecimento geral que a operação mineira da Silver Sky estava a poluir a água, o que tinha um impacto adverso nas pessoas. A água poluída estava a deixar as pessoas doentes e a aumentar a taxa de mortalidade de recém-nascidos, com muitas mulheres na cidade a dar à luz nados-mortos. 

Como parteira, Annie viu em primeira mão as crianças mortas e a dor das suas mães, o que a tornou ainda mais inflexível quanto à exposição da mina e ao fim da poluição. Embora protestasse agressivamente contra a mina, ela também trabalhava secretamente para conseguir algo incriminador que ajudasse a encerrar a mina para sempre. 

Nesse meio tempo, ela começou a namorar Raymond Clarke, um dos cientistas que trabalhavam em Tsalal. Logo, ela descobriu que Silver Sky estava financiando Tsalal e esperava encontrar alguma conexão entre eles, o que levasse às cavernas de gelo. 

Lá, ela encontrou o bunker secreto onde os cientistas guardavam suas pesquisas e as amostras que haviam retirado do gelo. Annie descobriu que os cientistas estavam incentivando a mina a criar mais poluição porque isso os ajudava em suas pesquisas. O que procuravam era pré-histórico e estava enterrado no gelo. Se tentassem retirá-lo à força, as amostras seriam contaminadas e todos os seus esforços seriam em vão. 

Mas então, a poluição aumentou naturalmente a temperatura e o gelo começou a derreter de uma forma que facilitou a obtenção das amostras pelos cientistas. Quando perceberam o que estava acontecendo, incentivaram a mina a criar mais poluição e ajudaram-nos a manter em segredo o nível real de poluição, porque sabiam que o que estavam fazendo era moral, ética e legalmente errado.

Annie ficou chocada ao descobrir isso e, com raiva, decidiu destruir tudo no laboratório, inclusive as amostras. Ela foi descoberta por Anders Lund, que ficou furioso ao vê-la destruindo o trabalho de sua vida. Ele a esfaqueou com a chave de fenda e deixou feridas em forma de estrela em Annie. Quando Raymond Clarke ouviu o choro dela, correu até o laboratório e tentou impedir Lund. Quando ele tentou acalmar Annie, ela bateu nele porque pensou que ele também iria machucá-la.

A essa altura, o resto dos cientistas também desceu e todos atacaram Annie, esfaqueando-a 32 vezes no total. Quando terminaram, Clarke se aproximou de Annie, acreditando que ela estava morta. Mas descobriu-se que ela ainda estava viva e, quando continuou a lutar, Clarke a sufocou até a morte. Eles chamaram o pessoal da mina para se livrar do corpo dela, e Hank foi enviado para terminar o trabalho. 

Eles também fecharam a abertura das cavernas para que ninguém pudesse entrar por ali e relacionar a morte de Annie com Tsalal. Enquanto isso, os cientistas continuaram com suas pesquisas, ainda poluindo Ennis e colocando em risco a vida de seu povo. Clarke, no entanto, estava atolado em culpa.

Por seis anos, Clarke passou os dias chorando e lamentando a morte de Annie. Os outros cientistas eventualmente se cansaram dele e não lhe prestaram atenção. Ele começou a agir de forma estranha, muitas vezes andando sem roupa e dizendo coisas estranhas, até mesmo chorando.

Talvez seja por isso que lhe deram um quarto separado para que ele pudesse fazer tudo isso isolado e não incomodar os outros. Porque enquanto ele era assombrado pelo fantasma de Annie, os outros já haviam seguido em frente e voltavam a se concentrar no trabalho.

Clarke também foi instruído a continuar o trabalho porque, pelo menos assim, a morte de Annie não seria em vão. Se eles pudessem completar sua pesquisa e salvar o mundo com ela, então isso daria sentido ao “sacrifício” de Annie. Mas se ele continuasse chorando e não fazendo seu trabalho, a morte de Annie seria em vão. Era uma lógica estranha, mas ajudou Clarke ao longo dos dias.

Ele ainda chorava e agia de forma estranha, mas contanto que isso não afetasse seu trabalho, ninguém se importava com ele. Eles também precisavam dele em Tsalal porque, se o tivessem deixado ir, ele poderia ter contado a alguém sobre o assassinato de Annie. Era melhor mantê-lo em Tsalal e sob a mira deles para que soubessem que seu segredo estaria seguro.

Se você ainda não é assinante da HBO Max, pode assinar clicando aqui.

Leia também: House of Ninjas | Qual era o plano? Entenda o final da série da Netflix


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: