Era grande a expectativa em torno do painel do mais novo filme de terror nacional, “O Rastro”, no auditório Twitch neste sábado (15). Com a participação de Rafael Cardoso, J.C. Fyer, Alice Wegmann e Malu Miranda e mediação de Marcelo Hessel, o painel trouxe para os fãs inúmeros detalhes dos bastidores das gravações além de curiosidades por trás da produção do filme.

“O Rastro” conta a história de João (Rafael Cardoso), talentoso médico escolhido para coordenar a remoção dos pacientes de um antigo hospital do Rio de Janeiro prestes a ser desativado por falta de verba. Acontece que, na noite da transferência, uma jovem paciente desaparece sem deixar vestígios, o que perturba bastante João. Obstinado em descobrir a verdade, o jovem médico mergulha em um mundo obscuro e perigoso que não deveria ser conhecido.

O diretor do filme, JC Fyer, compartilhou as dificuldades de produzir um filme de terror nas terras tupiniquins e quanta dedicação foi investida no projeto. “Foram mais de sete anos só para finalizarmos o roteiro. Queríamos aproveitar elementos clássicos do gênero, mas também criar algo novo, com a cara do Brasil. O terror é um gênero pouquíssimo explorado no país, mas com um potencial enorme. Poderia classificar “O Rastro” em quatro palavras: drama-politico-denuncia-terror”, explicou.

Outro aspecto que chama bastante atenção sobre o filme é justamente o caráter político da produção. “O Rastro” traz uma profunda crítica sobre a situação da saúde no Brasil e é esse caos que dá o tom sombrio da obra. Malu Miranda, produtora do filme, lembrou das dificuldades com a locação durante as gravações. “Quando fui fechar o contrato de locação com o diretor do hospital, ele começou a falar que estavam passando por momentos difíceis e lutando para que a instituição não fosse fechada. Por falta de verba, boa parte do local estava sem condições de uso, algumas foram desativadas até mesmo durante as gravações. Chegaram a cortar água e luz enquanto filmávamos, eram as mesmas circunstâncias que estavam no roteiro do filme, foi algo surreal”, comentou a ________.

“A coisa era tão séria que precisamos limpar as áreas abandonadas dentro do hospital e até mesmo reformar algumas partes, ainda que fossemos fazer um filme de terror. Era algo de outro mundo, toda a equipe tinha que trabalhar com capacetes de proteção”, contou o Fyer.

Após o bate papo com a equipe, foi exibida uma cena exclusiva de 10 minutos, onde foi possível ver a excelente qualidade da produção. Destaque da cena, a edição de áudio do filme ficou sob a batuta da excelente equipe que trabalhou em “Tropa de Elite”.

Curiosidades

1. Apesar do roteiro ter levado quase uma década para ser concluído, as gravações duraram apenas 33 dias.

2. A produção contou com o apertado orçamento de 7 milhões de reais.

“O Rastro” estreia dia 18 de Maio nos cinemas brasileiros.

Comments