Criminosos | Charly e seus crimes são baseados em uma história verdadeira? Conheça a inspiração da série

Publicidadespot_img

Traçando uma história criminal repleta de assaltos, guerras de gangues e riscos emocionais, o programa alemão da Netflix, ‘Criminosos‘, leva os espectadores a uma caçada por três países europeus com uma dupla dinâmica no centro da narrativa.

A história gira em torno de uma pequena moeda de ouro do século 18 com um valor monetário na casa dos milhões. Portanto, depois de alguns gangsters da família criminosa Al-Walid de Berlim decidirem roubar a moeda, isso mergulha o continente numa guerra de gangues transfronteiriça entre os senhores do crime vienenses, alemães e franceses. No entanto, um arrombador de cofres alemão, Charly, e Joseph, um glorificado motorista do clã vienense, são apanhados no centro da tempestade, colocando em risco suas vidas junto com as vidas de seus entes queridos.

A série mantém um ritmo emocionante enquanto infunde um ambiente alegre e cômico na trama. Como tal, a narrativa acaba apresentando um conto envolvente movido pelo crime, com personagens simpáticos e um enredo plausível. No entanto, dada a premissa central de um artefato histórico roubado, não podemos deixar de nos perguntar quanto realismo está por trás de Charly e suas aventuras.

A inspiração da vida real por trás do roubo de moedas em Criminosos

Embora a maioria das histórias de ‘Criminosos’ sejam obras de ficção fabricadas, a premissa básica do programa – o roubo de uma valiosa moeda de ouro em Berlim – mantém ligações concretas com um crime da vida real. Os eventos criminosos do programa têm origem quando uma família criminosa de Berlim decide roubar um museu e roubar uma moeda rara do século 18 em plena luz do dia. A partir daí, várias outras seitas criminosas se interessaram em possuir o artefato, levando à relutante comissão de Charly em um roubo realizado na folha de pagamento do submundo vienense. Assim, o minúsculo rublo de ouro continua sendo o centro narrativo que dá início aos acontecimentos do programa.

Acontece que a moeda de ouro da exposição encontra a sua base na Big Maple Leaf, uma moeda de 220 libras pertencente ao Museu Bode de Berlim, estimada em milhões. O artefato, cunhado pela Royal Canadian Mint, com imagens da Rainha Elizabeth II, é uma das seis peças existentes.

Em 27 de março de 2017, ocorreu um assalto ousado em que dois ladrões roubaram o Big Maple Leaf com a ajuda de um guarda do museu. Em 2020, os ladrões Ahmed e Wissam Remmo, ao lado do segurança Denis W., amigo de infância do ex-primo de Remmo, finalmente receberam a sentença. Além disso, os primos acusados ​​tinham ligações com a infame família Remmo, uma das famílias criminosas mais perigosas da Alemanha.

No final, os criminosos foram acusados ​​de multas e penas de prisão, com o contínuo desaparecimento do Big Maple Leaf. Consequentemente, as autoridades tendem a acreditar que a moeda, feita com 99% de ouro puro, foi provavelmente cortada em pedaços – uma teoria apoiada pelas partículas de ouro descobertas.

Assim, a relação entre este assalto na vida real e o enredo central de ‘Criminosos’ torna-se evidente, com a mudança no tamanho do item roubado permanecendo como o afastamento mais flagrante da realidade. O showrunner Marvin Kren, que escreveu e dirigiu o programa ao lado de seus colaboradores, confirmou o mesmo em entrevista.

Ele também revelou que a mudança no tamanho da moeda ocorreu em decorrência dos limites que “uma moeda de ouro de 100kg” impôs no desenho da escrita. Portanto, embora os detalhes exatos por trás do roubo da moeda e as complicações que se seguiram estejam confinados à narrativa altamente ficcional do programa, eles possuem notável inspiração na realidade.

O autêntico mundo criminoso da série

Embora o enredo central de ‘Criminosos’ prove ter inspiração na vida real, a natureza expansiva do enredo criminal retratado no programa garante que a narrativa abrangente permaneça um amálgama de diferentes pontos da trama. Portanto, o roubo de moedas torna-se um componente instrumental, mas breve, da série.

Por sua vez, as histórias em torno dos três sindicatos do crime letal em diferentes países europeus informam uma parte muito mais ampla da narrativa. Mesmo assim, as mentes criativas por trás do programa incluíram pesquisas da vida real enquanto ficcionalizavam os temas criminais da história. Alegadamente, o showrunner Kren e seus co-criadores Benjamin Hessler e Georg Lippert investigaram a situação real dos clãs criminosos em Berlim, Viena e Marselha.

O exercício veio naturalmente para Kren, que já trabalhou no programa ‘4 Blocks’, outro drama policial extensivamente pesquisado e baseado em Berlim. Consequentemente, o showrunner equipou métodos de pesquisa testados e comprovados, que incluíam longas conversas em cafés com pessoas que tinham qualquer tipo de experiência em círculos semelhantes movidos pelo crime. Como tal, a série encontra um enquadramento autêntico para basear a sua narrativa. O mesmo permite que personagens e histórias ficcionais mantenham um senso de realismo dentro do conto.

Charly, um arrombador de cofre fictício

Dada a disposição geral ficcional – embora bem pesquisada – do programa, seu protagonista central, Charly, permanece um componente fictício. Como o programa realmente faz referência apenas a um crime do mundo real em seu enredo inicial de roubo de moedas, os outros elementos da história são em grande parte produtos da imaginação dos escritores. Consequentemente, Charly, que não está envolvido no roubo de moedas inspirado em histórias reais, continua sendo um personagem fictício.

No entanto, a identidade definidora de Charly como um arrombador de cofres permite que o personagem se encaixe perfeitamente no gênero de assalto ao crime da série. Falando sobre o personagem de Frederick Lau, Charly, e seu papel na série, Kren compartilhou o apelo que encontrou ao centralizar esta história em torno dos personagens oprimidos de Charly e Joseph. Como resultado, Charly continua sendo uma figura familiar na narrativa, que ainda mantém a capacidade de surpreender o público.

Além disso, através da jornada de Charly e Joseph por cidades como Marselha, a série mantém sem esforço temas clássicos da “história de bandido”, que lembram filmes de Claude Sautet e Jean-Pierre Melville, cineastas franceses com obras proeminentes no gênero. No entanto, fora da ressonância temática de Charly com o gênero de seu conto, o personagem não mantém nenhuma relação com a realidade.

LEIA TAMBÉM:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: