‘Um Homem por Inteiro’ é baseada em fatos reais? Charlie Croker foi um verdadeiro empresário? Conheça a inspiração da série da Netflix

Publicidadespot_img

Criada por David E. Kelley, a série dramática da Netflix ‘Um Homem por Inteiro‘ narra a queda de Charlie Croker, um magnata do setor imobiliário baseado em Atlanta cujo império é ameaçado por seus empréstimos comerciais. Através da luta de Croker contra o PlannersBanc pela sua sobrevivência, o programa explora os domínios comercial, político e cultural que formam a vida na cidade do estado da Geórgia.

Croker e sua saga intrigante têm várias raízes na realidade, especialmente porque ele é apresentado como um ex-aluno da Georgia Tech que já se destacou como jogador de futebol. No entanto, sua história é baseada em uma história verdadeira? Vamos saber!

A inspiração por trás de Um Homem Por Inteiro

A Criação do “Homem Viril” Croker

Um Homem por Inteiro‘ é a adaptação televisiva do romance homônimo de Tom Wolfe de 1998 (clique aqui para comprar o livro). O protagonista fictício do romance, Charlie Croker, nasceu quando Wolfe visitou a propriedade de seu amigo Mack Taylor, um proeminente incorporador imobiliário de Atlanta.

Para o autor, a visita abriu uma porta para um mundo desconhecido onde os empresários tinham dezenas de milhares de hectares de terra para cultivar codornizes para caçá-las. Esses empresários e suas propriedades inspiraram Wolfe a explorar os mais altos estratos de luxo do país. Foi assim que ele criou Charlie Croker e sua plantação de 29.000 acres na Geórgia do Sul, Turpmtine.

“É o gasto de dinheiro em maior escala por puro luxo que conheço neste país. Você pode dizer: ‘Bem, aviões particulares são um luxo’, mas essas pessoas também usam aviões particulares. Então, eu faria de Charlie Croker um homem que ganhou dinheiro na Geórgia e tentou vir para Nova York para se divertir”, disse Wolfe à Vanity Fair.

Junto com o tema do luxo, o autor também quis explorar a “masculinidade” através de seu protagonista. Wolfe, numa entrevista de 2018, chegou a descrever o magnata do mercado imobiliário como um “homem viril”. A inspiração por trás dessa representação de Croker foi uma canção antiga que o escritor encontrou e que descrevia uma figura mítica.

Na série, Croker se orgulha de sua masculinidade. Ele não tolera noções conservadoras ou tradicionais de fraqueza, o que explica por que aceitou um joelho robótico em um ensaio clínico para se tornar mais forte. Ele mostra sua masculinidade lutando contra uma cascavel altamente venenosa e celebrando o acasalamento de dois cavalos.

O principal conflito da narrativa, a luta do PlannersBanc contra Croker, tem origem porque Raymond Peepgrass fica com inveja da virilidade do empresário. Raymond então engole comprimidos de Viagra e faz sexo com a ex-mulher do magnata do mercado imobiliário para rivalizar com ele como “homem”. Croker enfrenta vários desafios para garantir que morrerá como um “homem de verdade”, o que mostra o quanto ele está preocupado com sua masculinidade.

David E. Kelley, que adaptou o romance de Wolfe para a série, fez algumas alterações em Croker, especialmente considerando sua vulnerabilidade gradual nos episódios finais. Croker decide não expor um segredo há muito enterrado sobre um amigo da família ser um pai orgulhoso, independentemente das suas potenciais repercussões. Ele também pede desculpas à jovem esposa, Serena, em uma cena emocionante em que não finge ser um homem forte.

“[David] meio que conduziu Charlie a um pouco de humanidade no final, certamente com seu filho, e mesmo com sua jovem esposa, ele meio que consegue. Mas é isso que o torna desafiador, divertido e complicado, e não apenas ‘Aqui estão os heróis e aqui estão os vilões’”, disse Jeff Daniels, que interpreta Croker, ao Screen Rant sobre as mudanças.

Os paralelos da vida real

Embora Charlie Croker seja um personagem fictício sem uma contraparte específica na vida real, ele se parece com vários atlantes, começando com Mack Taylor. Perimeter Center, a cidade periférica que Taylor construiu na região metropolitana de Atlanta, lembra o império de Croker no romance de 1998 e sua adaptação para a televisão.

Tom Cousins ​​e seu NationsBank Plaza (atualmente conhecido como Bank of America Plaza) nos lembram Croker e seu querido edifício, The Concourse. Cousins ​​​​e Croker também adoram esportes, já que o primeiro já foi dono do Atlanta Hawks da NBA. A experiência futebolística do empresário fictício pode ser comparada à carreira do desenvolvedor Kim King como quarterback.

King, assim como Croker, jogou futebol pela Georgia Tech e foi incluído no ilustre Hall da Fama dos Esportes da instituição. Croker é semelhante a Charlie Loudermilk, um renomado empresário radicado em Atlanta, já que ambos estudaram na Georgia Tech e sofreram uma grave lesão no joelho.

No romance de Wolfe, o protagonista é membro do Piedmont Driving Club. Curiosamente, Taylor e Loudermilk eram membros do mesmo clube enquanto o autor pesquisava para seu romance. A filiação de Croker ao High Museum of Art é digna de nota, já que Cousins ​​​​é um dos diretores do estabelecimento.

LEIA TAMBÉM: Um Homem por Inteiro | Charlie Croker está morto? Entenda o final da série da Netflix


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: