O Caso Asunta | Como está o juiz José Antonio Vázquez Taín atualmente?

Publicidadespot_img

Em ‘O Caso Asunta’, da Netflix, o assassinato de uma menina de 12 anos choca o país, especialmente quando seus pais adotivos são presos pelo crime. A investigação é liderada por um juiz experiente chamado Luis Malvar, que imediatamente se volta para o casal, coletando todas as provas possíveis contra eles, mesmo que sejam, na melhor das hipóteses, passageiras.

Mesmo quando outros começam a duvidar da narrativa, ele é o único que permanece firme até o fim. Sua contraparte na vida real é praticamente igual.

José Antonio Vázquez Taín tem um perfil multifacetado

Créditos da imagem: El Plan Legalcar/Youtube

O personagem do juiz Luis Malvar na série Netflix é baseado no juiz da vida real José Antonio Vázquez Taín, que conduziu a investigação do assassinato de Asunta Basterra Porto. Atualmente, ele atua como chefe do Tribunal Penal Número 2 da Corunha, mas desempenha várias outras funções fora do departamento.

Ele é um autor de best-sellers com sete livros em seu currículo. Está envolvido numa produtora chamada Amarola Producciones, através da qual dirigiu vários documentários. Ele também é apresentador regular de talk shows de rádio e TV, além de ser um orador popular.

Taín nasceu em 1968 em uma pequena aldeia de Celanova chamada La Merca. Os primeiros anos foram passados ​​em Orense e, quando chegou a hora de escolher uma profissão, decidiu estudar Direito na Universidade de Santiago de Compostela.

A sua primeira missão veio sob a forma de um posto em Vilagarcía de Arousa em 1999. Lá permaneceu até 2005 e desenvolveu uma reputação ao combater crimes de grande repercussão, o que lhe valeu apelidos como o galego Garzón ou o Robin Hood de Vilagarcía.

Uma de suas conquistas mais conhecidas da época é a luta contra o tráfico de drogas, na qual teria retirado do mercado pelo menos 50 toneladas de drogas. Em 2003, ele buscou a prisão de Marcial Dorado, conhecido contrabandista e traficante de drogas.

Em 2005, Taín foi transferido para Mataró em Barcelona, ​​de onde se mudou para a Galiza. Foi nomeado Diretor do Centro de Estudos Judiciários e Segurança Pública, cargo recentemente criado. Algum tempo depois, foi enviado de volta a Mataró, onde permaneceu mais um ano e meio antes de ser transferido para a Corunha e eventualmente nomeado para o Tribunal de Instrução 2 de Santiago, onde abordou o caso Asunta.

Em 2013, Taín publicou seu primeiro livro intitulado ‘Santiago‘, seguido por ‘Al infierno se llega deprisa‘, ‘El mar sin fondo‘, ‘Matar no es fácil‘, ‘Grandes juicios de la historia‘ e ‘Pulso al Estado: Claves para entender el juicio del procés‘. ‘

Em quase todas as suas histórias, os leitores podem encontrar paralelos com os casos da vida real que ele abordou em sua longa e bem-sucedida carreira. Embora seus livros, que muitas vezes têm um toque de ficção, tenham vendido bem, ele também foi criticado, com alguns leitores questionando se ele deveria escrever sobre esses tópicos, em primeiro lugar.

Por sua vez, Taín sempre afirmou que traça paralelos com a vida real para todas as suas obras. Um de seus protagonistas foi baseado em si mesmo, enquanto outro foi baseado em sua esposa. Ele também baseou os personagens principais de seus livros nas pessoas com quem trabalhou, como policiais e membros da Guarda Civil, entre outros.

Através da produtora Amarola, produziu duas obras audiovisuais intituladas ‘Peregrinas’, lançada em 2022, e ‘O Caminho Moçárabe: Sangue, Suor e Fé’. Em 2023, devido ao seu envolvimento nos projetos, o Conselho Geral da Magistratura (CGPJ) suspendeu-o por dez dias, alegando a incompatibilidade dessas produções com as suas responsabilidades como juiz.

Embora tenha sido considerado “um delito muito grave”, Taín não apenas recorreu da decisão, mas também afirmou que nada do que fez estava além dos limites da lei. Ainda assim, enquanto aguardava o resultado do seu recurso, disse que cumpriria qualquer decisão que se seguisse.

Tendo lidado com criminosos durante toda a vida, Taín quase foi vítima de um crime em 2012. Um ex-presidiário era obcecado por ele e, para chamar sua atenção, o criminoso perseguiu seu filho no ponto de ônibus e jogou um líquido corrosivo para ele.

Felizmente, o filho de Taín foi salvo, mas o ato feriu outras cinco pessoas, três das quais eram crianças. O homem foi mandado de volta para a prisão. Desde então, Taín e sua família não enfrentaram outras ameaças e viveram em paz.

LEIA TAMBÉM:

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: