O Caso Asunta | Como Asunta Basterra Porto morreu? Quem a matou?

Publicidadespot_img

Quando a adolescente espanhola Asunta Yong Fang Basterra Porto, nascida na China, desapareceu repentinamente em 21 de setembro de 2013, isso honestamente deixou todos na comunidade da Galiza perplexos. Afinal, conforme cuidadosamente explorado no thriller policial da Netflix, ‘O Caso Asunta‘, ela na verdade foi hediondamente assassinada – ela tinha apenas 12 anos quando tudo foi arrancado dela.

A história real por trás de O Caso Asunta

Como Asunta Basterra morreu?

Embora tenha nascido Fang Yong em 30 de setembro de 2000, em Hunan, China, Asunta cresceu orgulhosamente em Santiago ao ser adotada por um rico casal local quando tinha apenas nove meses de idade.

Acontece que ela foi a primeira de sua origem a ser adotada não só nesta cidade, mas também em toda a Galiza, tornando-a bastante conhecida em toda a região desde os seus primeiros dias.

A verdade é que isso cresceu ainda mais com o passar do tempo porque Asunta também era talentosa – ela era tão inteligente que pulou uma série, enquanto fazia malabarismos com seus talentos como dançarina, pianista e violinista.

Portanto, é claro, ela sabia que não deveria sair de casa sem avisar ninguém antes, mesmo que estivesse passando por uma fase rebelde, e foi justamente por isso que seus pais relataram seu desaparecimento.

Eram cerca de 22h17 do dia 21 de setembro de 2013, quando Maria del Rosario Porto Ortega e Alfonso Basterra Camporro abordaram as autoridades para avisar do desaparecimento de sua filha.

Segundo a narrativa inicial, a primeira havia saído de casa para a enorme casa de campo da família em Teo por volta das 19h, deixando Asunta para trás porque queria terminar o dever de casa. Ela então alegou ter retornado por volta das 21h30, mas a essa altura não havia sinal de sua filha de 12 anos em lugar nenhum; essa jovem nem estava no apartamento de seu pai, Alfonso, a alguns quarteirões de distância.

Rosário então contatou cada um dos amigos mais próximos de Asunta para ver se ela tinha ido visitá-los por algum motivo, mas aparentemente nenhum deles a tinha visto desde sexta-feira, dia anterior. Foi quando os funcionários de plantão apresentaram um relatório formal antes de iniciar as investigações, apenas para que seu corpo frio fosse descoberto na madrugada de 22 de setembro de 2013, quase à 1h.

A adolescente foi abandonada à beira de uma pequena estrada de montanha em San Simón de Ons de Cacheiras – a apenas 5 quilómetros da casa de campo – com os membros amarrados com barbante laranja.

O relatório da autópsia de Asunta que se seguiu determinou que a causa da sua morte foi asfixia homicida em 24 horas, mas não houve indicações proeminentes de luta em qualquer parte do seu corpo.

Mais testes foram feitos na esperança de descobrir por que ela não lutou contra seus perpetradores, apenas para descobrir que ela tinha 27 comprimidos de Lorazepam (sedativo) em seu sistema. Segundo os registros, ela os ingeriu horas antes de sua morte, o que é significativo, já que 27 é mais de nove vezes uma dosagem alta para um adulto – em outras palavras, seu assassinato parecia premeditado.

Quem matou Asunta Basterra?

Foi no dia 24 de setembro de 2013, quando Rosario Porto foi presa por suspeita do homicídio de sua filha Asunta e, um dia depois, Alfonso Basterra foi detido pela mesma acusação. Isso porque, com a ajuda de imagens de vigilância, os investigadores conseguiram apurar que o primeiro havia mentido para eles – a menina de quase 13 anos havia, na verdade, ido com ela para a casa de campo da família.

Eles também conseguiram estabelecer que ela havia saído de casa para Teo pouco depois das 18h e retornado às 21h, ao contrário do cronograma das 7h às 21h30 que ela havia dado aos detetives de plantão na noite fatídica.

Há ainda o fato de que a lixeira do quarto principal da casa de campo continha um pedaço do mesmo tipo de barbante laranja com que os membros de Asunta foram amarrados quando seu corpo foi encontrado.

Quanto a Alfonso, as inconsistências nas suas declarações, juntamente com a sua defesa inabalável de Rosário e o fato de ter sido ele quem geriu a ingestão do Lorazepam prescrito para a sua saúde mental, resultaram na sua captura. Foi só depois disso que as testemunhas se apresentaram para prestar depoimentos contra o casal, incluindo alguns depoimentos chocantes que ninguém poderia esperar.

Enquanto a professora de música de Asunta revelou que a menina parecia grogue e quase zumbi em algumas de suas aulas nos últimos meses, a amiga de Rosário afirmou que já havia ocorrido um ataque à vida da menina antes.

Concentrando-se no primeiro caso, a menina de 12 anos disse à professora que estava com tonturas, mas os pais não a levaram a sério; em vez disso, eram eles que lhe davam uma espécie de pó branco para suas alergias. Isso era estranho, pois ela não tinha alergia, e há também o fato de que cada vez que isso acontecia – nos dias 9 e 22 de julho – ela passava a noite no apartamento do pai.

No ataque anterior a Asunta, na madrugada do dia 5 de julho, entre 2h30 e 4h30, um homem tentou estrangulá-la em seu quarto, apenas para Rosário salvá-la ao ouvir os gritos. No entanto, esta última nunca denunciou o incidente à polícia, alegando que não queria que a filha sofresse novamente o trauma e afirmou que provavelmente foi um roubo que correu mal.

Ela tentou explicar o mesmo alegando que havia deixado as chaves por engano na porta da frente e que havia um cofre no quarto da filha, mas, infelizmente, nada aconteceu de qualquer forma.

No entanto, quanto ao pó branco, novos testes nas amostras de cabelo de Asunta revelaram que ela estava sendo drogada com Lorazepam há pelo menos três meses, então seu “medicamento para alergia” era apenas isso. O motivo por trás disso nunca foi declarado diretamente, mas ficou implícito que Alfonso sentia uma atração sombria por sua filha adolescente asiática.

Isso foi até apoiado pelas muitas fotos dela em posições diferentes e estranhas que ele tinha em seu telefone, bem como pela história de pornografia visualizada envolvendo pequenas asiáticas em seu laptop. Mas ele sempre negou veementemente essas alegações e todas as outras.

No final, apesar de o motivo do assassinato de Asunta não ser claro – pode ser resultado da suposta atração de Alfonso e de suas ações subsequentes por ela, de um possível colapso mental de Rosário, já que ela lutava contra a depressão e a ansiedade, ou de um esforço do primeiro para reconquistar a ex-mulher – ambos foram condenados.

Em 30 de outubro de 2015, um júri decidiu que tanto Alfonso quanto Rosario eram culpados do assassinato de Asunta Basterra de uma forma ou de outra, o que significa que eles colaboraram de forma significativa. Ambos foram, portanto, condenados a 18 anos de prisão, com os apelos subsequentes apenas mudando de que não havia provas de que Alfonso tivesse ido para a casa de campo com a dupla mãe e filha.

LEIA TAMBÉM: O Caso Asunta | A chocante história verdadeira por trás da série da Netflix


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: