Sugar | John Sugar é baseado em um investigador particular real?

Publicidadespot_img

Na série de mistério Sugar da Apple TV+, a substância encontra o estilo em John Sugar. Mesmo sendo chamativo e imediatamente convincente, Sugar é fundamentado na realidade. Ele não se apresenta como um super-homem, mas sua atenção aos detalhes e sua determinação em desvendar a verdade são cativantes. Sugar existe em uma linha tênue entre a aparente realidade e a ficção.

Porém, o personagem e sua saga, idealizada por Mark Protosevich, não têm raízes na vida real. Em vez de uma história verdadeira, o roteirista encontrou seu detetive particular no filme noir, e o programa nem esconde a dívida, pois celebra alguns dos melhores filmes já feitos em Hollywood!

A inspiração de John Sugar na série da Apple

Torcendo as normas do Film Noir

Mark Protosevich criou Sugar como uma narrativa noir por excelência, com um protagonista imponente que nos lembra nomes como Humphrey Bogart e Glenn Ford. Porém, Protosevich não estava interessado em seguir as convenções do gênero ou em imitá-lo cegamente.

A narrativa do drama de mistério nasceu quando ele colaborou com o diretor Fernando Meirelles, os produtores executivos Simon Kinberg e Audrey Chon e o headliner Colin Farrell para distorcer as normas e conceber uma saga noir moderna. “Acho que a colaboração com todos esses caras chegará ao equilíbrio certo de ‘Como estamos contando uma clássica história de detetive noir, mas dando-lhe um toque moderno e original, e vice-versa?’” Cho disse à CBR .

O cerne da narrativa da série, o desaparecimento de Olivia Siegel, neta de um renomado e influente produtor de Hollywood, é em si um retrocesso às joias do gênero. Algumas das melhores obras noir, seja no cinema ou na literatura, mostram uma figura opulenta alugando o cérebro de um detetive particular para desvendar o mistério por trás da morte ou desaparecimento de seu ente querido.

Os clientes ricos de Perry Mason, de Erle Stanley Gardner, e Philip Marlowe, de Raymond Chandler, são semelhantes a Jonathan Siegel, que contrata Sugar para encontrar seu neto. A forma como o programa coloca Sugar entre as elites de Los Angeles nos lembra Marlowe de Elliott Gould na adaptação de Chandler de Robert Altman, The Long Goodbye.

A influência não termina com o noir americano. Ruby, de Kirby Howell-Baptiste, aparentemente vem direto dos livros de Ian Fleming e suas adaptações. “Quando comecei a abordar esse papel, a diretora de elenco – Sherry Thomas, que também escalou Barry – disse que a melhor maneira que ela poderia descrever o personagem é que Ruby é Sugar o que M é para James Bond”, disse a atriz à CBR.

O protagonista não convencional

Embora Protosevich tenha se inspirado em vários protagonistas noir para criar John Sugar, ele foi contra os traços fundamentais para torná-lo único. Sugar não é um cínico como Marlowe. Ele também não é tão obcecado por si mesmo quanto Mason. O detetive particular de Colin Farrell parece real, apesar de fictício, porque tem mais qualidades humanas do que cinematográficas ou mesmo típicas do noir.

“A série se inclinou para a sensibilidade e o tom noir, mas ao contrário da maioria dos personagens de peças noir que eu vi, ele [Sugar] não era duro, não estava cansado, não era do tipo cínico de qualquer forma”, disse o ator ao Screen Rant.

O que torna Sugar um destaque são suas vulnerabilidades, que incluem sua gentileza. Ele é alguém que fica obcecado com o bem-estar de um sem-teto aleatório que vê em meio a uma intensa investigação. Ele não culpa o mundo como Harry Hole. O investigador particular é otimista e compassivo, que não são realmente as palavras que alguém usaria para descrever personagens noir clássicos.

“Ele [Sugar] tinha esse sentimento de esperança e crença no bem fundamental dos seres humanos e esse tipo de admiração por olhar para tudo. Algo que as pessoas considerariam bonito, algo que as pessoas considerariam quebrado, ele olhou para cima com o mesmo tipo de admiração”, acrescentou Farrell.

Essa reviravolta no arquétipo não foi nada além de intencional. Para Audrey Chon, um dos propósitos da série era explorar essa mudança na figura do protagonista. “Você não vê frequentemente […] personagens clássicos dos anos 40 e 50, que eram meio durões e tinham um verniz que você não conseguia entender. Você nunca viu seus lados sensíveis ou vulneráveis”, disse o produtor executivo ao Screen Rant em outra entrevista. “E Sugar está transbordando disso. Você meio que é levado a isso e ele fica vulnerável. Ele se preocupa profundamente com o caso e acho que é realmente interessante e fascinante de explorar”, acrescentou ela.

Sugar é identificável porque não é tão cinematográfico quanto os outros protagonistas que vimos nas narrativas noir. Sua empatia e movimentos calculados nos ajudam a colocá-lo em nossa realidade. Além disso, sua obsessão por filmes e a importância que dá à arte fazem dele inegavelmente um companheiro cinéfilo!

Sugar já está em exibição no Apple TV+.

LEIA TAMBÉM: Sugar | Que carro Colin Farrell dirige na série?


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: