Cena do Crime | Quem era Peter? Como ele morreu?

Publicidadespot_img

Na série documental da Netflix, ‘Cena do Crime – Assassinatos na Alemanha‘, especialistas, policiais e outros indivíduos envolvidos investigam uma série de assassinatos que assolaram as ruas de Berlim em 2012. Tendo como alvo a comunidade queer da cidade, um serial killer ataca homens gays, equipando meios misteriosos como sua arma preferida. No entanto, como o padrão e motivo limitados do assassino continuam difíceis de decifrar, aumenta a pressão para que os Detetives de Homicídios resolvam o caso e encontrem o culpado por trás dos assassinatos. O documentário se concentra nas três vítimas do assassino, Nicky Miller, Alexander e Peter, enquanto a polícia coleta todas as pistas que pode nas três cenas de crime diferentes para resolver esses assassinatos.

Vítima do Assassino do Dark Room: Peter morreu por overdose de Ecstasy Líquido

Peter, um homem de 41 anos que morava em Weserstraße, Berlim, morreu em 15 de maio de 2012, em seu próprio apartamento. Segundo reportagens da imprensa, uma chamada de emergência levou os bombeiros a encontrar seu cadáver de bruços na cama. Os primeiros respondentes imediatamente procuraram a polícia. Desde o início, a semelhança entre a cena do crime de Peter e uma vítima anterior de assassinato, Alexander, permaneceu evidente.

A morte deste último já era suspeita de estar ligada ao assassinato de Nicky Miller, que morreu onze dias antes do assassinato de Peter no dark room de um bar LGBTQ+, Grosse Freiheit 114. A cena inicial do crime de Miller e a extensa investigação que se seguiu cunharam o apelido de “O Assassino do Dark Room” para o assassino.

Detetive de Homicídios Andres Voges

Quando a investigação policial começou sobre Peter, as autoridades perceberam que o mesmo assassino responsável pelas mortes de Miller e Alexander atraiu Peter para uma armadilha ao conhecê-lo online. O documentário, que utiliza registros judiciais, opiniões profissionais e relatos de testemunhas como base de pesquisa, afirma que Peter usava o pseudônimo de “Mario” em suas conversas online com um homem estranho. Eventualmente, depois de uma conversa fiada, os dois decidiram se encontrar na vida real, o que colocou Peter cara a cara com o homem que acabaria sendo seu assassino.

Assim, a noite terminou com o assassino drogando Peter com seu característico “nocauteador”, GHB (Ecstasy liquido). Certamente, após a descoberta do corpo de Peter, um relatório de autópsia mostrou que ele morreu de overdose de GHB. Conhecido como uma droga artificial por sua natureza cultivada em laboratório, o Gama Hidroxibutirato (GHB) – ou ecstasy líquido – é um depressor que causa efeitos de apagão quando combinado com álcool. A combinação muitas vezes pode levar a efeitos fatais. O mesmo fez da droga uma ferramenta conveniente para o assassino conforme seu modus operandi.

A polícia, sob o comando de detetives de homicídios como Andres Voges e Monika Laschke, e seus colegas continuaram investigando os assassinatos – tratando o crime como uma operação de serial killer. A morte de Peter foi adicionada à lista de crimes do indescritível assassino. Eventualmente, uma pista apareceu através dos registros do telefone de Alexander, que revelou um nome, Dirk, que foi a última pessoa a entrar em contato com a vítima. Consequentemente, a polícia trouxe Dirk para interrogatório, e o homem permaneceu calmo e sereno durante grande parte do processo.

Dirk confessou ser o homem na filmagem de uma câmera de segurança, confirmando sua identidade como o homem que tentou assassinar Miroslaw Wawak, que teria sido sua terceira vítima se este não tivesse conseguido escapar. Assim veio a confissão de Dirk sobre o assassinato de Alexander, Nicky – e, em última análise, de Peter. O julgamento seguinte rendeu a Dirk o veredicto de prisão perpétua em 2013. Nove meses após o veredicto, no final de março de 2014, o homem morreu por suicídio.

Como tal, o assassino de Peter, Dirk P., um enfermeiro de 38 anos – conhecido pelo apelido de serial killer “O Assassino do Darkroom” morreu, deixando um mistério não resolvido para trás: seus motivos. Até hoje, ninguém sabe por que Peter foi vítima dos crimes do assassino, permanecendo a suposição geral de que o primeiro era o infeliz transeunte que cruzou o caminho de Dirk P.

Além disso, ao contrário dos amigos ou familiares de outras vítimas, ninguém do círculo social de Peter tornou-se parte do documentário da Netflix, deixando qualquer informação adicional sobre o que se seguiu à morte do homem fora dos olhos do público. Na verdade, a maioria dos detalhes sobre as vítimas, até mesmo seu sobrenome, não foram divulgados descaradamente ao público, provavelmente em respeito à privacidade de Peter e de seus entes queridos.

LEIA TAMBÉM:

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: