Oppenheimer | O que aconteceu com Jean Tatlock? Como ela morreu? Entenda

Publicidade

Oppenheimer‘ de Christopher Nolan narra a vida de J. Robert Oppenheimer, que ganhou o título de “o pai da bomba atômica” após sua contribuição para o Projeto Manhattan. O filme centra-se na vida pessoal e profissional de Oppenheimer, dando-nos uma visão dos tempos turbulentos durante o seu trabalho no desenvolvimento da bomba atómica. A pressão de criar algo que poderia potencialmente destruir o mundo é suficiente para afetar qualquer pessoa, e vemos Oppenheimer passar por isso enquanto lida com seus relacionamentos complicados, que incluem Jean Tatlock, interpretada no filme por Florence Pugh. Se você quiser saber mais sobre ela, nós te ajudamos. 

ALERTA DE SPOILERS!

Quem foi Jean Tatlock?

Nascida em 1914, Jean Tatlock era uma psiquiatra que conheceu Robert Oppenheimer quando ela tinha 22 anos e era estudante na Stanford Medical School, uma das poucas mulheres a fazê-lo em seu tempo. Conhecida por seu intelecto aguçado e boa aparência, Tatlock era uma figura formidável e considerada uma estrela em ascensão em seu campo. No entanto, ela também sofria de graves crises de depressão e sua saúde mental continuava sendo motivo de preocupação para seus entes queridos.

O romance de Tatlock e Oppenheimer começou em 1936. Apesar da diferença de idade de dez anos, eles desenvolveram um relacionamento próximo que sobreviveu mesmo depois de terminarem e Oppenheimer se casar com outra pessoa. Acredita-se que Oppenheimer tenha chamado o primeiro teste de arma nuclear de “Trinity” em homenagem a um dos poemas de John Donne, que foi apresentado a ele por Tatlock. Alegadamente, eles chegaram perto de ficar noivos duas vezes, mas Tatlock rejeitou sua proposta nas duas vezes. Mais tarde, Oppenheimer revelou que seus encontros se tornaram muito raros em 1939. Ele se casou com Kitty um ano depois.

Em 1943, Tatlock fez seu nome e trabalhou como psiquiatra no Mount Zion Hospital em San Francisco. Na mesma época, Oppenheimer foi contratado como diretor do Laboratório de Los Alamos e se envolveu no Projeto Manhattan. Seu trabalho exigia que ele não falasse sobre isso com ninguém. Alegadamente, isso causou uma grande distância entre os dois, deixando Tatlock se sentindo perdida quando ela estava passando por outro surto de depressão. Ela também teria lutado com sua sexualidade, o que a teria confundido mais, já que a psicanálise da época via a homossexualidade como uma forma de transtorno mental.

Outra coisa que fez de Tatlock uma pessoa de interesse foram seus laços com o Partido Comunista. Alegadamente, ela estava sob vigilância do FBI, especialmente depois que Oppenheimer foi encarregado do ultrassecreto Projeto Manhattan. Dizia-se que ela era membro pagante do partido e escrevia para suas publicações. A associação com ela mais tarde colocou Oppenheimer sob fogo durante uma audiência de segurança sobre seus possíveis laços com o Partido Comunista.

Como Jean Tatlock morreu?

Créditos da imagem: Melinda Sue Gordon/Universal Pictures

Jean Tatlock morreu por suicídio em 4 de janeiro de 1944, em seu apartamento em San Francisco. Ela tinha 29 anos. Ela foi descoberta pelo pai, que invadiu a casa pela janela quando ela não atendeu à campainha. Alegadamente, ela foi encontrada com a cabeça submersa na banheira parcialmente cheia. Uma nota de suicídio foi encontrada em sua mesa de jantar. De acordo com o relatório do legista, ela fez uma refeição completa na noite anterior e tomou alguns barbitúricos. Traços de hidrato de cloral foram encontrados em seu sangue. Os restos mortais de Tatlock devem ter sido enterrados no terreno da família em Albany County, Nova York.

Diz-se que seu suicídio foi desencadeado por sua saúde mental em declínio. No entanto, várias teorias da conspiração surgiram sobre sua morte ao longo dos anos. Com ela sob a vigilância do FBI, alguns teorizam que sua morte pode ter sido um assassinato. O fato de seu pai ter queimado algumas de suas cartas e fotos antes de ligar para alguém sobre sua morte é visto como suspeito por alguns. No entanto, nenhuma prova surgiu nos anos desde então para indicar crime em sua morte. Sua família e amigos próximos também acreditavam que sua depressão era a razão por trás de seu suicídio. Quanto a Oppenheimer, dizem que ele ficou arrasado com a morte da mulher que dizem ter sido seu “amor mais verdadeiro”.

Leia também:


Já conhece nosso canal do YouTube? Lá tem vídeo quase todo dia. Se inscreve! Dá uma olhada no nosso vídeo mais recente:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News.

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: