Árvores da Paz é baseado em uma história real? Conheça

Publicidade

Árvores da Paz da Netflix segue a história de quatro mulheres que são enviadas para um esconderijo quando Ruanda cai em uma espiral de violência e banho de sangue. À medida que os dias passam, as mulheres ficam cada vez mais desesperançosas em relação à sua situação, mas também encontram força e conforto umas nas outras. Apesar de virem de origens distintas e terem crenças diferentes, elas se unem intimamente e ajudam a manter uma a outra viva.

Dirigido por Alanna Brown, o filme explora profundamente as profundezas do medo e horror vivenciadas pelas mulheres. A violência é arrepiante e, embora a história seja ambientada em 1994, seus temas parecem muito contemporâneos e fiéis aos tempos atuais. Se você estava se perguntando se a história de ‘Árvores da Paz’ foi retirada da vida real, nós temos a resposta.

Árvores da paz é uma história verdadeira?

Não, ‘Árvores da Paz’ não é baseado em uma história real, mas é inspirado em fatos reais. Escrito e dirigido por Alanna Brown, o filme se passa durante o genocídio de Ruanda contra os tutsis em 1994. De abril a julho, por cerca de cem dias, o grupo étnico minoritário tutsi e os hutus moderados foram atacados pelo governo liderado por extremistas hutus e milícias armadas. O genocídio começou um dia após o assassinato do presidente ruandês, Juvénal Habyarimana. Os soldados hutus entraram em um tumulto que resultou na morte de mais de um milhão de pessoas. As vítimas foram arrancadas de seus esconderijos e brutalmente assassinadas.

Estupro e violência sexual foram desenfreados, e muitas mulheres se esconderam em espaços apertados por semanas, tentando não serem descobertas. Uma das coisas mais chocantes sobre este incidente foi que, apesar de todo o mundo saber o que estava acontecendo em Ruanda, não houve intervenção na tentativa de salvar as pessoas. De acordo com relatos, a ONU apareceu, mas supostamente apenas resgatou os brancos que estavam presos lá. Helena Nwitizina, uma sobrevivente do genocídio de Ruanda, disse ao The Guardian: “…quando os assassinos estavam nos olhando nos olhos e dizendo que íamos morrer, o que a ONU fez? Salvou os brancos”.

Crédito da imagem: Journeyman Pictures/Youtube

Por quase cem dias, o povo ruandês teve que passar por todo tipo de horror, cujos efeitos se espalharam ainda mais no ambiente político do país. O genocídio acabou com o grupo rebelde Frente Patriótica Ruandesa (RPF) revidando. Lentamente, eles recuaram e terminaram o banho de sangue que deixou todo o país em ruínas. Embora a premissa tenha sido explorada em filmes como ‘Hotel Ruanda’, nada chegou perto de capturar o verdadeiro horror de se esconder e sobreviver, como a maioria das pessoas experimentou durante esse período.

A roteirista e diretora Alanna Brown teve a ideia de escrever ‘Árvores da Paz’ depois de entrevistar o fundador de uma organização dedicada à reabilitação de mulheres sobreviventes em Ruanda. À medida que Brown investigava a história do país, mais e mais histórias de mulheres surgiram, e ela ficou cativada pela provação pela qual essas pessoas passaram e sobreviveram. Falando sobre o filme em uma entrevista com This Is For Reel no Peoria Film Festival, ela disse: “Eu estava tão tomada pela vontade de sobreviver a uma provação tão angustiante, sem comida, sem água, às vezes sem abrigo, escondendo-se nos lugares mais circunstâncias extremas que você poderia imaginar e se agarrar à vida.”

Brown trouxe quatro personagens para a história, todos de diferentes religiões e origens, para capturar as diversas experiências das mulheres em um único quadro. A ideia de colocá-lo dentro de um espaço fechado era retratar o isolamento das mulheres enquanto fazia o público sentir sua claustrofobia. Também foi uma escolha financeiramente viável devido ao orçamento limitado do filme. Para entender melhor a história, Brown visitou Ruanda em 2019 e conversou com alguns sobreviventes.

Enquanto trabalhava em sua estreia como diretora, Brown também visitou vários locais memoriais e teve uma conversa com os perpetradores. A visita também permitiu que ela entrasse em contato com a comunidade cinematográfica local, permitindo que ela adicionasse atores ruandeses ao elenco. Outra coisa que Brown notou sobre o país foi o fato de Ruanda ter se reconstruído com mais representação feminina no governo.

Após o genocídio, a participação das mulheres no governo ruandês subiu de 18% para 56%, a maior em qualquer país do mundo. Brown achou isso muito inspirador e a obrigou ainda mais a contar a história de mulheres tão corajosas. Considerando os pontos mencionados, reiteramos que, embora ‘Árvores da Paz’ seja movido por uma narrativa ficcional, ele celebra a verdadeira bravura e perseverança do povo ruandês e presta homenagem a todos aqueles cujas vidas foram afetadas pelo genocídio.

Leia também: Peaky Blinders terá 7ª Temporada? Veja o que sabemos


Já conhece nosso canal do YouTube? Lá tem vídeo quase todo dia. Se inscreve! Dá uma olhada no nosso vídeo mais recente:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News.

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia
Publicidade

Mais lidas

Mais recentes