Com o desfecho ambíguo da 1ª temporada de DOM e o grande sucesso que a série brasileira está recebendo no Prime Video, será que teremos uma tão desejada 2ª temporada? Neste artigo vamos destacar tudo que já sabemos sobre essa possível renovação e como se encaixaria com o desfecho já conhecido do protagonista.

Mas antes, que tal conhecer a trágica história real por trás da série e quem foi Pedro Dom? Para isso, basta clicar neste link.

Leia também a coletiva com o elenco e o diretor de DOM!

Mas antes, sobre o que se trata a série?

Dirigida por Breno Silveira e Vicente KubruslyDom é um drama policial inspirado na história verídica de pai e filho em lados opostos da guerra às drogas no Rio de Janeiro. A série conta a história de um belo rapaz da classe média carioca que foi apresentado à cocaína na adolescência, colocando-o no caminho para se tornar o líder de uma gangue criminosa que dominava os tabloides cariocas no início dos anos 2000: Pedro Dom. Alternando entre ação, aventura e drama, também acompanha o pai de Pedro, Victor Dantas, que, na adolescência, faz uma descoberta no fundo do mar, denuncia às autoridades e acaba ingressando no serviço de inteligência da polícia. A série mostra a jornada de pai e filho vivendo vidas opostas, muitas vezes se espelhando e se complementando, enquanto ambos enfrentam situações que confundem os limites entre o certo e o errado.

Estrelada por Gabriel Leone e Flavio Tolezani, o elenco também conta com Filipe BragançaRaquel VillarIsabella SantoniRamon FranciscoDigão RibeiroFábio Lago, Julia Konrad e André Mattos, entre outros.

Trailer

Desfecho trágico de Pedro Dom

[CUIDADO COM SPOILERS]

Como sabemos, Pedro Dom existiu na vida real e seu desfecho é trágico, assim como podemos presumir que aconteceu na série. Poucos dias antes de completar 24 anos, Dom foi morto com um tiro de fuzil no peito no corredor de um prédio na Lagoa, bairro nobre da zona sul do Rio de Janeiro. Eram 4h da madrugada e ele havia acabado de “furar”, com o uso de uma granada, um cerco policial montado para prendê-lo na saída do túnel Rebouças (ligação entre as zonas norte e sul). A ação para capturá-lo foi montada após escutas telefônicas terem flagrado, por volta da meia-noite, conversas suas com um cúmplice, em que o assaltante pedia para buscá-lo na favela Vila dos Pinheiros (complexo da Maré, zona norte) e levá-lo à Rocinha (zona sul).

Para sua família, a polícia lhe atribuiu crimes que foram praticados por outras quadrilhas. Ele deixou um filho de 5 meses.

Mas se Dom morre a trama da 1ª temporada chega até esse ponto, como pode haver uma segunda? Bem, a sua morte – de fato – não é mostrada no último episódio e a cena com seu desfecho pode ser o famoso flashforward do que está por vir, dessa forma, uma possível 2ª temporada poderia explorar um pouco mais da vida do protagonista antes de sua fatídica morte.

Mas a série está renovada?

[ATUALIZAÇÃO]

Para alegria dos fãs, a Conspiração Filmes confirmou que a série nacional DOM está renovada para a 2ª temporada pelo Amazon Prime Video.

[FIM DA ATUALIZAÇÃO]

Bom, é importante ressaltar que até o momento Dom segue sem renovação pelo Amazon Prime Video, sendo tratada como uma série limitada. As gravações ocorreram entre 2018 e 2019 e a série só veio a luz agora, talvez, com o sucesso que está recebendo dentro e fora do Brasil, essa renovação pode vir a se confirmar em breve, com uma possível segunda temporada para estrear em 2022 ou 2023. Ainda que bastante improvável que isso acontece, há uma possibilidade.

Novidades devem sair nos próximos meses. A 1ª e por enquanto única temporada de Dom já está disponível no Prime Video.

O Amazon Prime custa R$ 9,90 e além do serviço de streaming de vídeo, o assinante tem direito a Frete GRÁTIS em milhões de produtos elegíveis, 2 milhões de músicas no Amazon Music, centenas de eBooks e revistas no Prime Reading. Clique aqui para assinar e aproveite os 30 dias grátis.

1 Comment

Comments are closed.

Estreias de agosto da Disney+ Melhores Filmes da Netflix em 2021 Melhores séries Rua do Medo: 1666 – PARTE 3 – Final #Crítica Atypical