No dia 4 de junho estreou no catálogo do Prime Video em mais de 200 países, DOM, a nova superprodução brasileira original do serviço que acompanha a conturbada e breve vida de Pedro Dom, famoso assaltante carioca. Com 8 capítulos intensos, de 1 hora de duração cada, neste artigo iremos contar quem foi esse personagem tão importante que entrou para a história do nosso país.

Leia também a coletiva com o elenco e o diretor de DOM!

Mas antes, sobre o que se trata a série?

Dirigida por Breno Silveira e Vicente Kubrusly, Dom é um drama policial inspirado na história verídica de pai e filho em lados opostos da guerra às drogas no Rio de Janeiro. A série conta a história de um belo rapaz da classe média carioca que foi apresentado à cocaína na adolescência, colocando-o no caminho para se tornar o líder de uma gangue criminosa que dominava os tabloides cariocas no início dos anos 2000: Pedro Dom. Alternando entre ação, aventura e drama, também acompanha o pai de Pedro, Victor Dantas, que, na adolescência, faz uma descoberta no fundo do mar, denuncia às autoridades e acaba ingressando no serviço de inteligência da polícia. A série mostra a jornada de pai e filho vivendo vidas opostas, muitas vezes se espelhando e se complementando, enquanto ambos enfrentam situações que confundem os limites entre o certo e o errado.

Estrelada por Gabriel Leone e Flavio Tolezani, o elenco também conta com Filipe Bragança, Raquel Villar, Isabella Santoni, Ramon Francisco, Digão Ribeiro, Fábio Lago, Julia Konrad e André Mattos, entre outros.

Vamos assistir ao trailer?

E quem foi Pedro Dom na vida real?

Pedro Machado Lomba Neto, conhecido por Pedro Dom, nasceu no Rio de Janeiro em 27 de setembro de 1981 e foi morto pela polícia em 15 de setembro de 2005. Ele foi um criminoso brasileiro da classe média que chefiou uma violenta quadrilha especializada em assaltar edifícios de luxo na cidade do Rio. Filho de um ex-policial que integrou o Esquadrão de Ouro também conhecido como Esquadrão da Morte (grupo de elite policial liderado pelo detetive Mariel Mariscot nos anos 1970 no Rio de Janeiro) tornou-se usuário de drogas aos nove anos. Louro, bonito e de olhos azuis, Pedro ganhou o apelido de Dom de outros garotos dependentes, com quem convivia nas esquinas da ruas de Copacabana. O nickname surgiu como um trocadilho à Dom Pedro II, ex-imperador do Brasil.

Começou a roubar por volta dos doze anos para financiar seu vício. No começo, subtraía objetos de sua mãe, com quem vivia junto com as duas irmãs. Depois passou a fazer pequenos furtos. Foram constantes as tentativas inúteis dos pais para libertá-lo das drogas. Foi internado 15 vezes em clínicas de desintoxicação. A família chegou a vender um apartamento para pagar seu tratamento médico e propinas para a polícia – com o objetivo de evitar sua prisão.

No ano de 2001, foi preso por porte ilegal de armas. Diante do laudo médico que atestava sua dependência química, o juiz decidiu libertá-lo, mas foi demovido pela mãe que pediu para que o filho fosse internado em um hospital penitenciário – imaginando que seria uma forma de mantê-lo afastado do vício. Contudo, o hospital funcionou como uma escola para o crime. Durante a internação, ele conheceu assassinos, traficantes e ladrões com os quais se aliou.

Voltou para as ruas seis meses depois, em fevereiro de 2002, com a condição de continuar o tratamento de desintoxicação no ambulatório do hospital. No entanto, compareceu apenas uma vez, contrariando a ordem judicial.

Ficou desaparecido por cerca de dois anos. Ressurgiu em 2004, liderando uma quadrilha especializada em assaltos a edifícios de luxo no Rio de Janeiro. A primeira namorada, aos dezessete anos, era usuária de drogas e assaltante. Filha de um oficial da Aeronáutica, ela ia a frente nos assaltos, para atrair a atenção dos porteiros.

Dom tinha fama de violento. Suas vítimas descreviam cenas de horror. Uma delas relatou que para forçá-la a contar onde guardava as joias, ele chegou a colocar uma granada sobre a cabeça de uma criança. Gostava de andar com roupas de grife e preferia roubar vestimentas e calçados finos. Sem ser traficante mas viciado em cocaína, integrava a facção criminosa ADA (Amigo dos Amigos) e vivia refugiado entre as favelas da Rocinha e do complexo da Maré.

Sua trágica morte

Poucos dias antes de completar 24 anos, Pedro Dom foi morto com um tiro de fuzil no peito no corredor de um prédio na Lagoa, bairro nobre da zona sul do Rio de Janeiro. Eram 4h da madrugada e ele havia acabado de “furar”, com o uso de uma granada, um cerco policial montado para prendê-lo na saída do túnel Rebouças (ligação entre as zonas norte e sul). A ação para capturá-lo foi montada após escutas telefônicas terem flagrado, por volta da meia-noite, conversas suas com um cúmplice, em que o assaltante pedia para buscá-lo na favela Vila dos Pinheiros (complexo da Maré, zona norte) e levá-lo à Rocinha (zona sul).

Para sua família, a polícia lhe atribuiu crimes que foram praticados por outras quadrilhas. Ele deixou um filho de 5 meses.

DOM já está disponível no Amazon Prime Video. Clique aqui para assinar.

Leave a comment

Publicidade
Loki! Netflix Quem matou Sara? #Crítica Estreias de maio