Ruas Sangrentas: O Acerto Final é baseado em fatos reais? Conheça a inspiração do filme

Dirigido por Vondie Curtis-Hall (‘Glitter’), o filme ‘Ruas Sangrentas: O Acerto Final‘ retrata uma imagem estilística do submundo do crime do subúrbio de Los Angeles. Embora o filme não tenha enredo suficiente, ele mais do que compensa com a marca genérica de violência gráfica, alta perseguição em alta velocidade e voyeurismo ocasional de sua protagonista feminina.

A premissa é bastante simples. O filho de um ex-presidiário (Tyrese Gibson) é sequestrado, e o ex-presidiário se junta a uma mulher atrevida (Meagan Good) para aumentar o resgate de maneiras aparentemente ilegais.

Embora o filme tente deliberadamente ser um thriller de ação estereotipado de Hollywood, o espectador pode estar se perguntando se o filme está preso à realidade. Se você veio em busca das origens históricas do filme, saciaremos sua curiosidade sem mais delongas.

Ruas Sangrentas é baseado em uma história verdadeira?

Ruas Sangrentas: O Acerto Final‘ é vagamente baseado em uma história verdadeira. O roteiro do filme é desenvolvido por Vondie Curtis-Hall e Darin Scott de ‘Bonnie e Clyde’, o clássico filme de 1967 de Arthur Penn. Indiscutivelmente um dos filmes canônicos marcantes da era da Nova Hollywood, o filme tem um significado duradouro na cultura popular da América. ‘Bonnie e Clyde’, por sua vez, é uma adaptação dos relatos verídicos da famosa dupla criminosa de mesmo nome.

Embora tenha havido mais alguns filmes centrados nas desventuras do notório casal, como ‘The Bonnie Parker Story (1958)’ e ‘The Highwaymen (2019),’ o filme de Arthur Penn é colocado entre os melhores de todos os tempos. O filme Ruas Sangrentas usa a popular história do casal criminoso Bonnie e Clyde e dá uma reforma totalmente preta. No entanto, o filme de Arthur Penn tinha uma semelhança mínima com os eventos históricos, para começar, e assim ‘Ruas Sangrentas’ fica duas vezes mais afastado da realidade.

Bonnie Elizabeth Parker e Clyde Chestnut Barrow eram dois bandidos notórios do Texas que ganharam destaque durante a “Era do Inimigo Público” do início dos anos 1930. Juntos, eles formaram a infame gangue Barrow, cujas histórias fascinariam uma geração. A América da década de 1930 caracterizou-se por uma recessão económica de magnitude sem precedentes, devido predominantemente à guerra. O acontecimento é referido na história como a “Grande Depressão”, cujas desgraças são retratadas de forma articulada em clássicos de Hollywood como “Tempos Modernos”, de Charlie Chaplin.

O povo do país estava cada vez mais pressionado nesses tempos difíceis, e a cobertura aparentemente inacreditável (e muitas vezes exagerada) da imprensa sobre as façanhas criminosas de Bonnie e Clyde ajudou a população a desviar suas mentes da sombria realidade da época. A dupla foi retratada como atores vivendo seu próprio drama da vida real, como a forma como a família Kardashian-Jenner capturou a imaginação popular do país no início do século 21 com seu reality show, ‘Keeping Up with the Kardashians’.

Bonnie e Clyde (1967)

Barrow e Parker ganharam popularidade por uma série de assaltos a bancos, mas preferiram roubar postos de gasolina e pequenas lojas de departamentos. No filme de 2006, Coco e O2 iniciam uma série de roubos enquanto roubam de um banco para outro. Na segunda metade do filme, eles vão a uma loja de departamentos onde o dono da loja pede um autógrafo de Coco, pois acha que suas façanhas são nada menos que as de Bonnie e Clyde. Neste momento, fica evidente a associação do filme com a realidade. Assim como Bonnie e Clyde na vida real, o casal criminoso fictício também se ama.

Crédito da imagem: Galeria PDNB

Contudo, à parte estas semelhanças superficiais, as ligações entre fato e ficção são tênues. Bonnie e Clyde operariam com uma gangue, enquanto Coco e O2 realizariam as façanhas por conta própria. Embora muitos historiadores acreditem que Bonnie e Clyde se apaixonaram em seu primeiro encontro, Coco e O2 parecem estar tendo um começo difícil que eventualmente se transforma em um relacionamento íntimo.

Além disso, embora os personagens do filme possam escapar para uma utopia fictícia, o destino de Bonnie e Clyde foi mais sombrio. Eles foram mortos em 23 de maio de 1934, depois de serem seguidos por homens da lei com o capitão do Texas Ranger, Frank Hamer, na liderança. Portanto, embora o filme se inspire nos incidentes da vida real de Bonnie e Clyde, ele se desvia deles para criar uma peça de ficção glamorosa própria.

LEIA TAMBÉM: Ruas Sangrentas | O2 morreu ou está vivo? Entenda o final do filme


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: