Ripley | Freddie Miles é não-binário ou um homem trans?

Publicidadespot_img

Ripley‘ da Netflix dá vida ao romance mais vendido e aclamado pela crítica de Patricia Highsmith, com Andrew Scott no papel do talentoso Tom Ripley. Ele tem a tarefa de mudar a opinião de Dickie Greenleaf e trazê-lo de volta para casa, mas logo ele volta seu foco para diferentes coisas que levam a consequências terríveis. Embora algumas pessoas reservem um tempo para ver através de sua fachada, há outras para quem Ripley é um pouco mais transparente do que gostaria de ser. Freddie Miles é uma das pessoas que o vê como ele é e tem que pagar o preço por isso.

Freddie é um personagem intrigante por si só e apresenta um grande contraste com o personagem de Ripley. Com Eliot Sumner, que se identifica como não-binário, desempenhando o papel, questões sobre o gênero e a identidade sexual de Freddie podem surgir na mente do público.

A identidade de gênero de Freddie Miles é irrelevante para seu papel em Ripley

Em ‘O Talentoso Ripley‘, Freddie Miles é descrito como um homem desagradável que se deleita com sua riqueza e por quem Ripley tem uma antipatia que acaba sendo mútua. A adaptação da Netflix suaviza um pouco o personagem, mantendo-o alinhado com o teor geral da série, e Eliot Sumner desempenha o papel com uma mão calma e firme que torna Freddie intimidante, não apenas para Ripley, mas também para o público.

Crédito da imagem: Philippe Antonello/Netflix

No livro, Freddie é um homem hétero, mas com Eliot Sumner fazendo o papel no programa de TV, o público ficaria tentado a conectar a não binaridade do ator ao papel. Falando sobre a sua identidade de género, Sumner (que não se importa com os pronomes usados ​​para os descrever) revelou que “não acreditam em quaisquer especificações” e acreditam que “ninguém deve sentir-se pressionado a ter qualquer tipo de rótulo ou etiqueta neles”, querendo simplesmente ser reconhecido por seu trabalho como artista.

Além de atuar, Sumner também é conhecido por sua carreira musical. Um dos quatro filhos de Sting e Trudie Styler, Sumner, escreveu sua primeira música aos 13 anos. Formando uma banda aos 14, ele conseguiu um contrato de gravação aos 18 e começou a fazer música com o nome de Coco, e mais tarde recorreram a Eliot Sumner como nome em seus novos álbuns. Ele também trabalhou como DJ sob o nome de Vaal. Ele começou sua carreira de ator em filmes como ‘Stardust’ e, mais recentemente, apareceu em ‘007: Sem Tempo para Morrer’.

Assim como o gênero dele é irrelevante para a arte e identidade de Sumner, também parece irrelevante para a história de Freddie Miles em ‘Ripley’. Ele é identificado como um homem, e os pronomes “ele/dele” são usados ​​para ele, mas isso em nada afeta o arco que seu personagem assume. O mesmo vale para sua sexualidade, já que o programa apenas revela que Freddie esteve com um homem, mas não menciona se ele está ou não interessado em mulheres.

Na mesma linha, muitas coisas sobre Freddie permanecem no escuro e fora do alcance de Ripley e do público. Essa falta de atenção aos detalhes que cercam Freddie faz dele um enigma para Ripley, que fica imediatamente cauteloso com Freddie, que retribui o sentimento.

LEIA TAMBÉM:

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: