Conheça a verdadeira e CHOCANTE história por trás de O Escândalo

Publicidadespot_img

A solidariedade pode levar à revolução, e foi isso que o movimento #MeToo fez nos nossos tempos. Reuniu milhares de mulheres, e até homens, de todas as esferas da vida, para finalmente quebrar o silêncio contra o assédio sexual. O movimento #MeToo tem sido o movimento mais crucial dos últimos anos, iniciando um diálogo muito necessário e há muito esperado sobre a prevalência e a magnitude do assédio sexual, especialmente no local de trabalho.

Após o escândalo de Weinstein, Hollywood também tem tentado fazer a sua parte para abordar o assunto. Mas através de O Escândalo, entramos numa era totalmente nova do cinema, do cinema socialmente consciente, de filmes feministas ousados, que estão dispostos a abordar assuntos tensos e delicados, tentando suscitar conversas extremamente essenciais.

O Escândalo é o primeiro filme mainstream nos últimos anos a conseguir isso e é baseado no escândalo real da Fox News que abalou a indústria da mídia. O escândalo que, de muitas maneiras, ajudou o movimento #MeToo a criar raízes. 

Gira em torno do processo de 2016 contra o CEO da Fox News, Roger Ailes, por assédio sexual, iniciado pela ex-apresentadora de TV Gretchen Carlson. Isso acabou levando várias dezenas de mulheres, incluindo Megyn Kelly, a se manifestarem contra Ailes e a cultura de trabalho tóxica da empresa de mídia.

O roteirista vencedor do Oscar, Charles Rudolph, é o principal homem por trás do filme. É dirigido por Jay Roach e possui um elenco de estrelas absolutamente fenomenal e vencedor do Oscar. Temos Nicole Kidman como Carlson, Charlize Theron como Kelly, Margot Robbie como Kayla e John Lithgow como Ailes. 

O filme tem algumas performances espetaculares que renderam às três atrizes indicações ao Screen Actors Guild. A intensidade de suas performances é de tirar o fôlego. Embora O Escândalo seja baseado no escândalo da Fox News da vida real, ele, como todos os filmes, tomou algumas liberdades com a história. Aqui está tudo o que você precisa saber sobre o escândalo real e as pessoas por trás dele.

Quem foi Roger Ailes?

Roger Ailes foi CEO e presidente da Fox News, além de consultor de mídia dos presidentes republicanos Richard Nixon, Ronald Reagan e George HW Bush. Ele começou sua carreira na televisão na década de 1960 como produtor e ingressou na Fox em 1996, tornando-se um dos magnatas da mídia mais influentes do país. 

Ailes, então, construiu a Fox como uma rede de notícias a cabo que superaria as classificações de todas as outras redes de notícias, tornando-se a rede de notícias a cabo de maior bilheteria. Roger Ailes acabaria por contratar Gretchen Carlson e Megyn Kelly como âncoras dos programas da Fox News, duas das mulheres mais influentes de muitas, que o acusaram de má conduta sexual. Ele foi forçado a renunciar em 2016, após o explosivo processo de assédio sexual movido contra ele por Carlson.

Depois de deixar a Fox News, ele se tornou conselheiro da campanha de Donald Trump, o que acho que diz muito sobre Trump e Ailes. Ele faleceu em 2017, aos 77 anos, devido à hemofilia.

O escândalo da Fox News

Em 6 de julho de 2016, Gretchen Carlson entrou com uma ação de assédio sexual contra o CEO da Fox News, Roger Ailes, alegando que ela foi demitida de seu programa porque recusou seus avanços sexuais. O processo recebeu ampla cobertura da mídia e acabou se tornando um dos casos de maior repercussão contra Ailes.

Mas Carlson não foi a primeira mulher a reclamar da má conduta sexual de Ailes, e pode-se presumir que seu comportamento era aparente para as pessoas da Fox News que fecharam os olhos e mantiveram isso como seu segredinho sujo.

Em 2014, uma biografia intitulada The Loudest Voice in The Room , escrita por Gabriel Sherman, foi publicada, esclarecendo suas ações, pois incluía relatos de quatro mulheres que apresentaram acusações contra Ailes. Apesar disso, foi o processo de Carlson que criou o efeito dominó que acabaria por derrubar Roger Ailes. 

Na época, Ailes afirmou que as acusações de Carlson eram falsas, apenas para que mais de uma dúzia de mulheres se manifestassem contra seu comportamento na Fox News.

As mulheres que falaram

Gretchen Carlson foi a pessoa mais proeminente no escândalo da Fox News e também quem iniciou o processo contra Ailes. Carlson ingressou na Fox News em 2005, como apresentadora de ‘Fox & Friends’, de onde saiu em 2013. Ela então começou a ancorar em ‘The Real Story with Gretchen Carlson’, até seu contrato expirar em 2016.

Em 2016, Carlson entrou com uma ação judicial contra Roger Ailes afirmando que ele “retaliou ilegalmente” contra ela depois que ela recusou seus avanços e reclamou de assédio sexual e tentou prejudicar sua carreira. O processo mencionou em detalhes a conduta sexual e misógina de Ailes com Carlson, incluindo comentários pervertidos, como pedir que ela se virasse para que ele pudesse ver o traseiro.

Carlson afirmou ainda que em um encontro com ela, Roger disse a ela que eles deveriam ter tido uma relação sexual há muito tempo, pois isso poderia resolver os problemas com mais facilidade. A biografia, The Loudest Voice in the Room,  também revelou que Carlson gravou seus encontros com Ailes em seu telefone, que ela acabou utilizando no processo.

Megyn Kelly foi outra personalidade proeminente que se manifestou contra Ailes, embora ela não tenha entrado com o processo. Kelly declarou mais tarde em seu livro de memórias, Settle For More, que ela foi assediada sexualmente por meu Ailes, que ela considerava seu mentor, ao longo dos anos, mas inicialmente não sabia disso por causa de seu comportamento misógino geral e humor grosseiro. 

Ela falou sobre como Ailes fazia comentários sexuais sobre ela, incluindo os “sutiãs sexy” que ela deveria usar, que ele adoraria vê-la usar. Kelly, então, descreveu o assédio sexual físico que enfrentou enquanto Ailes tentava apalpá-la e beijá-la nos lábios em diversas ocasiões. 

Kelly também gravou suas reuniões e as compartilhou com os investigadores durante o caso de Ailes. Embora uma das coisas que funcionou a seu favor foi que ela já havia se estabelecido completamente em sua carreira, então Ailes não poderia arruiná-la como tentou fazer com as outras mulheres que se apresentaram:

“Mas a verdade é que tive sorte – a essa altura da minha carreira, Roger não poderia me destruir. Isso não era necessariamente verdade para as outras mulheres que foram registradas, todas elas incrivelmente corajosas”, disse Kelly.

Isto leva-nos às inúmeras outras mulheres que decidiram falar contra Roger Ailes, arriscando as suas próprias carreiras. Em entrevista a Gabriel Sherman, mais seis mulheres se apresentaram para falar sobre como foram assediadas por Ailes. Alguns passaram a falar sobre isso oficialmente, enquanto outros pediram anonimato. 

Essas alegações remontavam à década de 1960, quando Ailes estava apenas começando sua carreira e não trabalhava para a Fox News. Uma das mulheres, “Susan”, contou como em 1967, quando ela tinha 16 anos, Ailes a convenceu a fazer sexo oral nele, após o que ela fugiu:

“Ele começou a abaixar as calças e a puxar cuidadosamente os órgãos genitais e disse:“ Beije-os”. E eles eram vermelhos, como hambúrguer cru.”

Sim, isso parece absolutamente horrível. Mas isso não é tudo, porque fica muito pior.

As consequências

Muitas das mulheres que se manifestaram, como Kelly mencionou, estão sem trabalho desde então. Isso inclui várias mulheres como Julie Roginsky, que já estavam em ascensão em suas carreiras e agora estão lutando para encontrar trabalho. Apesar da solidariedade, esta é também uma verdade do movimento #MeToo que muitas vezes não é reconhecida, uma realidade assustadora dos tempos em que vivemos.

O Escândalo, então, tenta expor essas verdades, lidando com as consequências de se intensificar. Dramatiza fielmente o escândalo da vida real, apresentando as histórias de todas aquelas mulheres, daquelas que conseguiram se apresentar e daquelas que não conseguiram. Acompanha a vida de três mulheres, Gretchen Carlson, Megyn Kelly e Kayla Pospisil, todas de diferentes estilos de vida, enfrentando a mesma crise, mas de forma diferente.

Kayla, interpretada por Margot Robbie, é a única personagem fictícia dos três. É porque ela é um amálgama de várias mulheres reais que foram assediadas sexualmente por Roger Ailes. O que a diferencia dos outros dois personagens é que ela é mais jovem e está apenas começando sua carreira. Para ela, falar abertamente significaria potencialmente destruir sua carreira. 

Mas ela vai? Através de O Escândalo, a equipe por trás dele está fazendo algo que a maioria dos filmes não faz: eles estão nos incentivando a conversar. Para iniciar uma conversa. Pra falar alto. É fundamental compreender que o movimento #MeToo não é, nem nunca foi, um fenómeno isolado. Em muitos aspectos, não estamos numa era pós #MeToo, ainda a estamos vivendo. Embora um impacto tenha sido criado, as coisas não mudaram totalmente. 

É por isso que precisamos de filmes como O Escândalo para nos lembrar que é uma batalha contínua e conscientizar sobre a luta de milhares de mulheres que se posicionaram anos atrás, e é por isso que estamos aqui hoje. O Escândalo explora as histórias de algumas destas mulheres, em diferentes fases das suas vidas e carreiras, que finalmente decidiram quebrar o silêncio e expor o seu agressor.

Leia também:


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: FacebookTwitterInstagramYoutube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: