História de um Crime: O Cabeleireiro das Estrelas | Rebeca Soto existe na vida real?

No filme de mistério e assassinato da Netflix, ‘História de um Crime: O Cabeleireiro das Estrelas‘, Rebeca Soto investiga as mortes do famoso estilista colombiano Mauricio Leal e de sua mãe Marleny Hernández no curto espaço de vinte dias. Sua atenção aos detalhes e investigação implacável a levaram a Jhonier Leal, o irmão mais velho de Mauricio. Rebeca luta contra vários preconceitos e misoginia em seu local de trabalho enquanto tenta resolver o caso, mas acaba sendo forçada a se separar do mesmo. Seu talento como investigadora protege a acusação do escrutínio da mídia, à medida que ela proporciona um avanço sólido no tempo que consegue para investigar o caso. Como o filme é baseado em um verdadeiro caso de duplo homicídio, a investigadora parece real, mas será?

Rebeca Soto: a investigadora arquetípica em História de um Crime: O Cabeleireiro das Estrelas

Rebeca Soto pode ser uma combinação ficcional de todos os investigadores que deram o seu melhor para resolver o mistério por trás das mortes de Mauricio Leal e Marleny Hernández. Uma investigadora/procuradora chamada Rebeca não é mencionada em nenhuma das reportagens relativas ao caso de duplo homicídio, o que nos leva à conclusão de que o roteirista e realizador Jacques Toulemonde Vidal concebeu a personagem para estruturar a narrativa do filme como um filme de mistério e homicídio por excelência. 

O filme usa o ponto de vista de Rebeca Soto para abordar o duplo homicídio da vida real que abalou a Colômbia em 2021. A personagem acrescenta intriga e suspense à narrativa apesar de a mesma revelar o possível assassino logo no início do filme.

No que diz respeito às características de Rebeca Soto, ela não difere drasticamente do modelo arquetípico de detetive. Ela é uma investigadora que está ansiosa para provar seu valor. Rebeca Soto usa sua inteligência como fonte de poder e demonstra seu destemor diante das pessoas que enfrenta. Quando os desafios se acumulam, ela se inspira neles para progredir em sua investigação. Sua obsessão pelo trabalho e o casamento conturbado certamente nos lembrarão de personagens famosos de detetives/investigadores como Harry Hole.

Maternidade e Misoginia

Ao explorar as nuances do caso de duplo homicídio, o filme de Vidal também retrata o que significa ser investigadora e mãe ao mesmo tempo. Ao longo do filme, o superior de Rebeca a prejudica só por ela ser mulher e, especificamente, mãe. Apesar de fazer progressos louváveis ​​no caso, Rebeca Soto não tem a chance de concluir o mesmo de vez em nome de sua maternidade. Enquanto ela está prestes a resolver o caso, seu superior pede que ela se concentre na criação do filho e a afasta da investigação. Ele deve estar tentando ganhar o crédito pelo trabalho que Rebeca faz ao colocá-la de lado.

Embora Rebeca seja uma personagem fictícia, a sua luta para encontrar o seu lugar como investigadora deve ser relacionada com várias mulheres da vida real que estão lidando com a discriminação e a misoginia nos seus respectivos locais de trabalho, especialmente naqueles dominados pelos homens, como a aplicação da lei. Rebeca pode ser vista como uma representante de mulheres que lutam contra noções e figuras patriarcais para conquistar um lugar em suas áreas. Através do trabalho árduo de Rebeca e do reconhecimento que lhe é negado, Vidal oferece uma comovente narrativa feminista dentro da estrutura fundamental de mistério de assassinato do filme.

Mesmo que Rebeca não se espelhe nos verdadeiros policiais que investigaram os assassinatos de Mauricio e Marleny, a liberdade que Vidal teve com o personagem torna seu filme mais relevante. Além de um mistério de assassinato, o filme consegue se tornar uma crítica às forças policiais de nossos tempos, que ainda operam parcialmente com base em noções misóginas.

Leia também:

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: