Quando Diana Nyad nadou de Cuba para a Flórida? Quanto tempo ela demorou?

Publicidade

Em 2013, Diana Nyad ganhou as manchetes e conquistou muitos corações por ser uma mulher de 64 anos que ousou sonhar e foi corajosa o suficiente para continuar tentando até atingir seu objetivo. Nyad é uma nadadora de maratona que, depois de se aposentar do esporte aos 30 anos, voltou ao oceano aos 60 para completar o trecho de Cuba até a Flórida que tanto desejava. Sua conquista foi dramatizada na cinebiografia ‘Nyad’, da Netflix, que oferece uma visão geral de sua jornada até a linha de chegada.

A jornada e a linha do tempo de Diana Nyad explicadas

Embora Nyad tenha feito sua primeira tentativa de nadar de Havana, Cuba, até Key West, Flórida, aos 28 anos, mesmo antes disso, ela sempre teve um fascínio por aquele trecho específico e fez da missão de sua vida fazer algo que poucas pessoas tentam. Isso ocorre porque a travessia do Oceano Atlântico a nado em águas abertas é uma viagem de 160 quilômetros que leva até 60 horas, e de acordo com as regras do evento do qual Nyad participou, o participante deve nadar continuamente por 2,5 dias sem tocar no barco ou em qualquer outro membros da equipe e pode flutuar e obter ajuda, mas precisa se manter em movimento. Outra razão pela qual o trecho não é muito popular entre os nadadores é porque há muitas criaturas marinhas, incluindo tubarões e águas-vivas, cuja picada pode ser bastante fatal.

Aos 28 anos de idade, em 1978, quando Nyad tentou a viagem pela primeira vez, ela estava usando uma gaiola de aço para tubarões e conseguiu cobrir 76 dos 103 quilômetros da viagem, mas houve alguns problemas com o percurso. Devido às restrições de nadar dentro de uma gaiola de tubarão e às condições climáticas desfavoráveis, os fortes ventos a empurraram para fora do curso em direção ao Texas. Após 42 horas, sua jornada não pôde continuar porque ela não conseguiu seguir um curso reto. Ela sempre se arrependeu de não ter conseguido concluí-lo, mesmo que dois anos depois, antes de se aposentar, tivesse concluído um percurso semelhante de 160 quilômetros, das Bahamas à Flórida.

Ela se aposentou sentindo-se mal por não ter conseguido terminar o trecho de Cuba até a Flórida, o que continuou a iludi-la. Por isso, aos 60 anos, quando Nyad voltou a treinar para esse trecho, ela queria terminá-lo e bater o recorde de natação. Desta vez, quando os seus preparativos começaram em 2010, apenas duas pessoas o tinham concluído antes dela, Walter Poenisch e Susie Maroney, mas ambos o fizeram com uma gaiola de tubarão, uma vez que a ameaça dos tubarões no Oceano Atlântico é muito real. Mas Nyad decidiu que desta vez, em sua segunda tentativa, ela não usaria uma gaiola de tubarão, o que a tornaria uma recordista se a completasse com sucesso.

Em sua segunda tentativa de trecho, em agosto de 2011, Nyad começou a treinar após 30 anos longe da água para voltar à forma e sobreviver a uma jornada tão longa. Ela começou muito bem com sua melhor amiga e treinadora de natação Bonnie Stoll alimentando-a a cada 90 minutos e monitorando seus movimentos à distância. Mas depois de 29 horas nadando, houve vários problemas que a levaram a ser retirada. Primeiramente, antes de entrar, Nyad já sentia muitas dores no ombro. Enquanto nadava, ela também sofreu uma reação alérgica, que agravou sua asma e dificultou a respiração por algumas horas. Como ela não conseguia se concentrar no AVC e as condições climáticas também não eram favoráveis, ela teve que ser retirada.

Durante sua terceira tentativa em setembro de 2011, Nyad nadou por um total de 41 horas antes de ser retirada. Durante a viagem, ela foi picada por uma água-viva durante a noite, mas decidiu continuar a nadar. Ela até ganhou uma máscara temporária para evitar picadas de água-viva, mas as correntes desfavoráveis ​​​​e as picadas causaram problemas respiratórios, por isso ela teve que ser retirada do oceano para procurar atendimento médico imediato. Os tubarões também eram uma ameaça em sua jornada, mas em vez de uma gaiola para tubarões, Nyad optou por um escudo eletrônico contra tubarões. Em sua quarta tentativa, em agosto de 2012, houve duas tempestades em sua jornada e ela foi novamente picada por uma água-viva, o que a fez desistir da tentativa também.

Para sua quinta e última tentativa em 31 de agosto de 2023, Nyad precisava que tudo corresse bem para ela. Desta vez, ela também tinha um traje protetor de água-viva. Ela começou sua jornada determinada a chegar à linha de chegada. Felizmente, as criaturas marinhas e o clima não foram um problema para ela desta vez, mas a viagem foi muito longa. Com Stoll e sua equipe torcendo por ela, Nyad finalmente alcançou a linha de chegada e estabeleceu o recorde de ser a primeira pessoa a nadar naquele trecho de Cuba à Flórida em 2 de setembro de 2013. Ela completou a viagem em 52 horas e 54 minutos e nadou 110 milhas. Originalmente, era um percurso de 160 quilômetros, mas Nyad teve que nadar um pouco mais devido às fortes correntes.

Leia também:


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: