Primeiras Impressões | Começo de “Cavaleiro da Lua” é truncado e feio, ainda que incite interesse

Publicidadespot_img

A Marvel segue buscando uma fórmula de sucesso com suas séries, em uma tentativa de repetir o sucesso do cinema no streaming, e Cavaleiro da Lua é a aposta da vez. A Disney nos convidou para assistir os dois primeiros episódios, que já são o suficiente para entender que esta é uma trama sobre loucura, distúrbios mentais e construção de mitologia, com personagens tão particulares que lembram até mesmo a melhor origem já contada pela Marvel no cinema com o Homem de Ferro.

A trama da série

A trama acompanha Steven Grant, um britânico comum que trabalha em uma loja de presentes dentro de um museu, seguindo-o em toda sua normalidade e também em todas as suas disfunções – explicadas por uma personalidade diferente que toma conta do seu corpo às vezes, servindo como avatar de um antigo deus egípcio, chamado Khonshu.

A série trabalha muito bem a confusão de Steven, mergulhando o espectador logo de cara dentro da loucura de sua mente. O começo é, propositalmente, bagunçado e fora de ordem, assim como a mente do personagem.

O elenco

Oscar Isaac é um acerto grande para carregar a série – especialmente considerando que ele está em tela 99% do tempo nesses primeiros capítulos. O ator sabe variar entre o bobalhão Steven (que também é carismático e facilmente gostável) e entre sua outra personalidade, Marc, um mercenário que não hesita. Os problemas com este outro lado são completamente causados pela direção e escrita da série.

O vilão da série, vivido por Ethan Hawke, também é uma das ótimas surpresas. O ator passa tranquilidade, serenidade e inocência mesmo nos momentos mais cruéis, como um bom anti-herói. Seu passado tem envolvimento direto com o personagem de Oscar Isaac, mas, muito mais interessante do que a história proposta, é a interação entre eles em cena. O lado patético de Steven tem um timing cômico muito bom – de novo, remete ao primeiro Homem de Ferro – e não recai no exagero humorístico que a Marvel tem vivido em anos recentes. A própria leveza do vilão também ajuda nisso, ainda que não tire o peso do que acontece em tela.

A direção

Apesar do destaque para os atores, a direção da série é uma bagunça. Mohamed Diab, que é o responsável pelo primeiro episódio, usa artimanhas para fugir de coreografias de luta e quando isso não funciona, a ação é grotesca e antinatural, com um CGI terrível. Há uma cena no primeiro episódio de perseguição de carro que parece pior do que a computação gráfica utilizada nos filmes do 007 dos anos 70.

O principal problema é que a ação inteira – além de várias outras coisas desnecessárias – se baseia em um CGI mal construído e hiper utilizado. Seguindo a tendência que tem virado norma dentro do Marvel Studios, tudo parece completamente fora da realidade. Não, eu não estou sendo ingênuo o suficiente de pensar que uma série de super-heróis precisa ser extremamente realista. Mas chega a ser bizarro perceber como tudo parece falso nesta nova série (e em várias outras produções recentes do estúdio), a ponto de o CGI não servir apenas para criar uma ilusão do real, mas sim como um utensílio para deixar o diretor de folga e sobrecarregar a equipe de efeitos especiais.

Por exemplo, o próprio Cavaleiro da Lua parece um boneco de computação gráfica mal feito. Os movimentos são falsos e as lutas com ele não possuem nada de efeitos práticos. Em vez da ação ser um respiro dentro de um roteiro complexo e enigmático, o efeito é reverso e sempre que as lutas começam, um bocejo acompanha qualquer um que entenda sobre bons efeitos especiais e boas cenas de ação.

Conclusão

É cedo para dar um veredito, mas o começo de Cavaleiro da Lua é truncado e feio, ainda que incite interesse, especialmente por conta dos personagens carismáticos e inéditos. O texto é confuso em alguns momentos, mas funciona até como uma forma de se sentir mais próximo do protagonista, e a interação do herói e do vilão é incrível. Apesar disso, a ação é terrível, completamente bagunçada, mal coreografada e preguiçosa, com um CGI que beira o photoshop de um aluno do fundamental.

O início mostra que a Disney compilou em sua nova série o melhor e o pior das suas últimas produções, mas infelizmente pende para o pior, ainda sem encontrar a direção certeira para o streaming – resta esperar para ver se nos próximos episódios Cavaleiro da Lua realmente tem algo a dizer. Já que visualmente não tem nada muito interessante para mostrar.


Já conhece nosso canal do YouTube? Lá tem vídeo quase todo dia. Se inscreve! Dá uma olhada no nosso vídeo mais recente:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News.

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: