Quem foi Marie Curie? Conheça a história real por trás do filme Radioactive da Netflix

Já está fazendo bastante sucesso na Netflix o drama biográfico Radioactive, em que a estrela Rosamund Pike (Garota Exemplar) dá vida a icônica e extraordinária cientista Marie Curie, que marcou a história da humanidade com seus experimentos químicos. Mas será que você sabe mesmo quem foi ela ou sua importância para a ciência? Bem, vamos explicar tudinho sobre essa mulher a frente de seu tempo e como sua vida foi retratada na obra da gigante do streaming!

Mas antes, que tal ler a nossa crítica de Radioactive?

Uma mulher a frente de seu tempo!

Marie Skłodowska-Curie, nascida como Maria Salomea Skłodowska, veio ao mundo em 7 de novembro de 1867 (sim, uma escorpiana!), na Polônia, e foi uma física e química polonesa, naturalizada francesa, que conduziu pesquisas pioneiras sobre radioatividade que, posteriormente, influenciaram a criação das temidas bombas atômicas que tanto causaram durante a 2ª Guerra Mundial. Mas ok, antes disso, como Curie se tornou tão singular – além de, claro, ser uma mulher no machista século XIX? Bom, para começar, ela foi a primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel, sendo também a primeira pessoa e a única mulher a ganhá-lo duas vezes, além de ser a única pessoa a ser premiada em dois campos científicos diferentes. Ela teve papel fundamental no legado da família Curie, de cinco prêmios Nobel. Ela também foi a primeira mulher a se tornar professora na Universidade de Paris e, em 1995, se tornou a primeira mulher a ser sepultada por seus próprios méritos no Panteão de Paris. Tá pouco ou quer mais?

Uma vida de luta!

Nascida em Varsóvia, no que era então o Reino da Polônia, parte do Império Russo, ela estudou na clandestina Universidade Volante de Varsóvia e iniciou seu treinamento científico prático na mesma cidade. Em 1891, aos 24 anos, seguiu sua irmã mais velha, Bronisława, para estudar em Paris, onde obteve seus diplomas superiores e conduziu seus trabalhos científicos subsequentes. Ela compartilhou o Prêmio Nobel de Física de 1903 com seu marido, Pierre Curie (vivido no filme da Netflix pelo ator Sam Riley), e com o físico Henri Becquerel. Ela também ganhou o Prêmio Nobel de Química de 1911.

Suas realizações incluem o desenvolvimento da teoria da “radioatividade” (um termo que ela cunhou), técnicas para isolar isótopos radioativos e a descoberta de dois elementos químicos, o polônio e o rádio. Sob sua direção, foram conduzidos os primeiros estudos para o tratamento de neoplasias usando isótopos radioativos. Ela fundou o Instituto Curie em Paris e sua contraparte em Varsóvia, que continuam sendo grandes centros de pesquisa médica. Durante a Primeira Guerra Mundial, ela desenvolveu unidades de radiografia móvel para fornecer serviços de raio-X a hospitais de campanha.

Apesar de ter-se tornado uma cidadã francesa, Curie, que usava os dois sobrenomes, nunca perdeu o senso de identidade polonesa. Ela ensinou às filhas a língua polonesa e as levava em visitas à Polônia. Ela nomeou o primeiro elemento químico que descobriu, o polônio, em homenagem ao seu país natal.

Sua morte

Após anos de revolução na ciência, Marie Curie faleceu em 4 de julho de 1934, aos 66 anos, em um sanatório em Sancellemoz (Alta Saboia), na França, de anemia aplástica, causada por exposição à radiação durante sua pesquisa científica e seu trabalho radiológico em hospitais de campanha durante a Primeira Guerra Mundial. Os aspectos físicos e sociais do trabalho dos Curies contribuíram para moldar o mundo dos séculos XX e XXI.

Mas tá, quais as principais diferenças ente o filme da Netflix e a vida REAL de Curie? (via Screen Rant)

Radioactive acerta nos anos parisienses de Marie!

A maior parte da trama ocorre entre 1891 e 1906. O diretor Satrapi toma algumas liberdades criativas ao mostrar como Marie e Pierre se conheceram, mas as sequências subsequentes sobre o relacionamento dos químicos são baseadas principalmente nos fatos. Marie realmente precisava de um lugar maior para trabalhar e, por fim, compartilhou um laboratório com Pierre conforme eles se aproximavam. As sequências da pesquisa mostram o casal ficando doente (o que é factualmente preciso), e o filme também faz referência ao fato de que a Real Academia Sueca de Ciências não planejou homenagear Marie com o Prêmio Nobel. A primeira filha do casal, Irene, nasceu em 1897, e a segunda filha, Ève, em 1904.

O filme usa o físico francês da vida real Gabriel Lippmann (Simon Russel Beale) para contos de fim de livro sobre o relacionamento de Pierre com Marie. O filme começa com Lippmann, o professor de Marie, pedindo a ela que saia e afirmando: “Não podemos mantê-la da maneira que você precisa.” Este momento prepara convenientemente o primeiro encontro de Marie com Pierre em uma rua parisiense. Aproximadamente 15 anos depois, Pierre acaba sendo morto em uma rua parisiense, o que configura o reencontro profissional de Marie com Lippman, embora após uma breve exposição.

Radioactive deixa de fora os anos de formação de Marie!

A maioria das cinebiografias históricas abre com a educação dos sujeitos e os anos de formação; no entanto, Radioactive os ignora completamente. Isso não é necessariamente uma coisa ruim, já que o filme é claramente estruturado para focar no relacionamento de Marie e Pierre. A fim de pelo menos reconhecer a infância de Marie na Polônia, várias sequências de flashback envolvendo sua falecida mãe são usadas para estabelecer as motivações do personagem. A irmã de Marie também é apresentada para destacar ainda mais as raízes polonesas dos personagens e também para reforçar os desejos e necessidades de Marie.

Ainda assim, os streamers da Netflix podem estar curiosos sobre o tempo de Marie na Polônia e todos os fatores sociopolíticos que moldaram sua visão de mundo. Por exemplo, os pais de Marie desempenharam um papel importante em sua educação, pois eram professores que ensinavam ciências aos três filhos. Na verdade, Marie Curie se formou no ensino médio aos 15 anos. Pouco antes de partir para Paris, ela se apaixonou por um amigo da família chamado Kazimierz Żorawski, que viria a se tornar um matemático proeminente. Marie acabou indo embora para a França porque a Universidade de Varsóvia não aceitava mulheres e também porque sua faculdade polonesa, a Flying University, teve que mudar de localização geográfica para oferecer educação superior às mulheres.

Radioactive vincula as condições de trabalho de Marie e Pierre à espiritualidade!

Na trama do filme, Pierre organiza para ele e Marie conduzir suas pesquisas perto de seu local de trabalho. Esta sequência particular é historicamente precisa, já que o laboratório foi descrito como “um cruzamento entre um estábulo e um galpão de batatas”, de acordo com o químico alemão Wilhelm Ostwald. Radioactive destaca como os Curie formaram um vínculo intenso durante esse período, com Pierre ocasionalmente pedindo à esposa que considerasse como o trabalho deles poderia afetar os conceitos espirituais. Uma subtrama envolve a dançarina Lois Fuller, que – de acordo com Marie – tenta usar sua ciência para promover seu próprio trabalho. “As sequências de ” galpão ” mostram como os Curie não perceberam como sua pesquisa radioativa afetaria seus corpos.

A espiritualidade se torna importante para Marie quando Pierre morre repentinamente após ter seu crânio esmagado por uma carruagem. Ela procura um espiritualista e afirma repetidamente: “Por favor, faça o meu marido aparecer.” Na realidade, Pierre realmente leu livros sobre espiritualidade, embora ele estivesse mais interessado em experimentos científicos do que em comunicação com os mortos. O filme distorce suavemente os fatos por meio da sequência da morte de Marie, na qual ela visualiza Pierre e conversa com ele antes de morrer (que também se liga tematicamente às memórias de Marie de sua falecida mãe).

Radioactive destaca o legado de Curie!

Radioactive destaca o legado de Marie Curie de duas maneiras únicas. Enquanto a história principal envolve Pierre, o filme faz questão de mostrar o que há de bom e de ruim no trabalho de Marie Curie na radioatividade. Por exemplo, o filme mostra uma criança do futuro sendo tratada de câncer, mas também mostra os efeitos devastadores de uma bomba atômica, especificamente aquela que os Estados Unidos lançaram em Hiroshima em 1945. As sequências de flashforward podem fornecer clareza para alguns espectadores , mas pode-se argumentar que eles prejudicam a história principal sobre os objetivos imediatos de Marie.

A sequência do ato final em Radioactive mostra que Marie e sua filha adolescente, Irene, desenvolveram máquinas de raio-X que foram usadas durante a Primeira Guerra Mundial. Quase 25 anos depois, conforme revelado pelo epílogo do filme, Irene e seu marido Frédéric Joliot-Curie receberam o Prêmio Nobel de Química de 1935 pela descoberta da radioatividade artificial. A filha mais nova de Marie e Pierre viveu até os 102 anos e foi casada com o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Henry Richardson Labouisse Jr., diretor do UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Extraordinária, não é mesmo? Se você gostou da história de Marie Curie, o filme Radioactive já está disponível na Netflix.

Fonte: Europeana

Últimas Notícias