A fantasia épica ‘Cursed – A Lenda do Lago’ já está disponível na Netflix e, com 10 episódios, a série se tornou uma grande aposta do serviço de streaming para esse ano. A trama acompanha a jovem Nimue (vivida pela atriz Katherine Langford), que precisa proteger uma espada mágica enquanto encara uma jornada que irá mudar sua vida para sempre.

Conheça a lenda através do vídeo abaixo ou o texto a seguir:

Leia também as nossas primeiras impressões da série!

A história é uma releitura da famosa lenda do Rei Arthur, porém, partindo do princípio de que a Espada Excalibur escolhe uma rainha antes de ir parar nas mãos do famoso rei. Mas você sabia que essa história existe no mundo real e que algumas partes são realmente sombrias? Bem, pelo menos a lenda da rainha e sua espada mágica existe no imaginário popular desde o Século XII e é sobre isso que iremos abordar aqui.

Mas antes, vale lembrar que a série tem como base o livro de Thomas Wheeler, com ilustrações do aclamado Frank Miller, lançado em 2019. No entanto, o best-seller, ainda que organize os fatos históricos e a fantasia épica, também tem inspirações em lendas e mitos existentes do mundo real, especialmente, a interessante lenda da “Dama do Lago”, personagem mágica importantíssima das histórias arturiana e que teve pouco destaque do cinema e na TV.

Sua origem é incerta, mas há citações desde a publicação do livro ‘Historia Regum Britanniae’, de Geoffrey de Monmouth, no Século XII, quando a ilha de Avalon foi mencionada. Há diversas versões da personagem na literatura clássica, com nomes como Nimue (que inclusive está na série) e Viviana (ou Viviane), porém, a mais presente delas explora a importante sacerdotisa da ilha, filha de Diana, a deusa dos bosques e irmã mais velha de Igraine (a mãe de Artur e Morgana), uma fada d’água que tinha a missão de proteger e entregar a espada mágica do Rei Artur, a poderosa Excalibur.

Como podemos ver, parte dessa premissa está na série da Netflix. O nome Nimue pode estar relacionado ao nome céltico Niamh, ao rio Ninian da Bretanha continental, já que, na mitologia celta, as divindades da água eram muito respeitadas, tratadas como Ninfas, pois seu elemento era a essência da própria vida, algo que podemos ver também na produção, visto que a protagonista tem uma forte ligação com a natureza e com a água. A deusa Coventina, com quem a Dama do Lago tem muitas semelhanças (e certamente serviu de inspiração), era venerada na Grã-Bretanha romana, na Gália e no noroeste da península Ibérica.

Porém, é outra obra de fantasia, ainda mais sombria e macabra, que ajuda a compreender como a personagem foi construída para o livro e posteriormente para a série. Em ‘A Morte de Artur’, um livro escrito no Século XV pelo inglês Thomas Malory, a Dama do Lago chega ao vilarejo de Artur para presenteá-lo com a espada mágica e exigir a morte de Sir Balin, um grande inimigo de sua família. Porém, Sir Balin descobre a identidade da Dama e a decapita de forma violenta. No final da obra, Sir Bedevere, lança Excalibur à água de um misterioso lago da região e uma mão fantasmagórica surge da superfície para recebê-la. A mão pertence à Dama do Lago, que se torna uma entidade mágica para proteger a espada, Arthur e o reino após sua morte cruel. Bizarro!

Gostou da história? Conte para nós nos comentários. A série já está disponível na Netflix.

Fonte: Wikipédia e Fantastipedia.

Share This