Morgan Freeman pede desculpas em meio a acusações de assédio sexual

[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

Morgan Freeman emitiu um pedido de desculpas por fazer as mulheres se sentirem “desconfortáveis”, depois de um relatório da CNN em que oito mulheres alegaram que ele as assediava sexualmente ou fazia comentários inapropriados.

“Qualquer um que me conhece ou trabalhou comigo sabe que eu não sou alguém que ofenderia intencionalmente ou conscientemente faria qualquer um sentir-se desconfortável”, disse Freeman em um comunicado obtido pela Variety. “Peço desculpas a qualquer um que se sentiu desconfortável ou desrespeitado – essa nunca foi minha intenção.”

A CNN informou que duas mulheres alegaram que Freeman, de 80 anos, as tocou de forma inadequada. Um deles, um assistente de produção, disse que o ator repetidamente tentou levantar a saia.

 

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

No total, 16 pessoas falaram à CNN sobre Freeman. Oito alegaram ser vítimas de assédio sexual ou comportamento inadequado, e oito disseram que testemunharam a alegada má conduta de Freeman. Os meses de investigação foram provocados por comentários feitos por Freeman a um dos jornalistas da CNN que co-escreveu o relatório há mais de um ano. Durante uma coletiva de imprensa sobre “Despedida em Grande Estilo”, a repórter de entretenimento da CNN, Chloe Melas, disse que Freeman apertou sua mão, não soltando enquanto ele a olhava de cima a baixo.

Foi depois dessa experiência que Melas começou a indagar se outras mulheres haviam experimentado um tratamento similar. A CNN também falou com outros repórteres de entretenimento que disseram que Freeman fez comentários sugestivos durante entrevistas promovendo seus filmes. A WGN-TV de Chicago, Tyra Martin, disse que se acostumou com os comentários de Freeman e lembrou de um caso em que um comentário do ator veterano a fez parar.

As mulheres que compartilharam suas experiências com Freeman trabalharam com o ator vencedor do Oscar em sets de filmagem e em sua produtora Revelations Entertainment. Com o tempo, as mulheres disseram que se vestiam de forma conservadora quando sabiam que Freeman estaria por perto, na esperança de evitar comentários inapropriados sobre seus corpos ou roupas. As mulheres disseram à CNN que não o denunciaram por medo de seus empregos e assumiram uma figura poderosa e imponente em Hollywood.

 

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

Freeman co-fundou a Revelations Entertainment com Lori McCreary em 1996. Os créditos da empresa incluem “Invictus“, “Na Teia da Aranha” e a série da CBS “Madame Secretary”. Ex-funcionários chamaram o estúdio de um ambiente de trabalho “tóxico”. Seis ex-funcionários disseram que testemunharam as ações de Freeman, incluindo comentários sexuais e um incidente de “toques não solicitados”.

Uma ex-funcionária do sexo feminino disse que quando conheceu Freeman pela primeira vez no set de “Através do Buraco de Minhoca”, o ator a olhou “de cima a baixo” antes de perguntar: “Como você se sente em relação ao assédio sexual?”

As acusações contra Freeman são as mais recentes a serem levantadas contra homens poderosos no entretenimento, nos noticiários e nas publicações desde que Harvey Weinstein foi derrubado pela primeira vez no outono passado, em reportagens do New York Times e The New Yorker.

Por todo o mundo do cinema e da televisão, ativistas aproveitaram o momento, formando comissões e forças-tarefa para desenvolver políticas e diretrizes para ajudar a coibir o assédio sexual no local de trabalho.

Fonte: Variety

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Spread the love

Comments

comments

Share This