The Jinx | Como Morris Black morreu? Quem o matou?

Publicidadespot_img

Embora não haja como negar que o assassinato de Morris Black foi brutal até o âmago, o verdadeiro motivo por trás dele, infelizmente, nunca ficou claro, considerando a tendência do perpetrador de contar mentiras. Na verdade, isso foi explorado em ‘The Jinx: A Vida e Mortes de Robert Durst‘ da HBO, que se aprofunda em todos os aspectos da realidade desta figura titular. Afinal, acredita-se que ele estava por trás do desaparecimento não resolvido de sua primeira esposa, Kathleen “Kathie” Durst, em 1982, do assassinato de sua amiga de longa data, Susan Berman, em 2000, bem como de todo esse assunto.

Como Morris Black morreu?

Aos 71 anos, Morris Black, natural de Massachusetts, levava uma vida estável em Galveston, Texas, como aposentado. Desde então, foi considerado que ele era um solitário complexo com tendência ao confronto, mas ninguém jamais poderia imaginar que tudo viraria de cabeça para baixo em um piscar de olhos.

Isso porque, apesar de suas aparentes falhas, ele era humano como todos nós, e temos a tendência de acreditar que as pessoas podem demonstrar compaixão, o que infelizmente não aconteceu em 28 de setembro de 2001. Mencionamos isso especificamente porque ele foi desmembrado post-mortem.

Segundo relatos, como Morris Black era um solitário, ninguém realmente percebeu que ele estava desaparecido até que um garotinho que estava pescando com seu pai na baía de Galveston notou um torso sem membros. Esta dupla avistou também alguns sacos de lixo flutuantes, levando-os a contactar as autoridades e a estas identificarem os seus restos mortais através de um pedaço de jornal (com a morada de entrega) dentro de um dos sacos.

Foi então apurado que este homem de 71 anos foi morto a tiros antes de ser mutilado em pedaços para ser eliminado; embora não esteja claro exatamente onde ele foi baleado, já que sua cabeça nunca foi encontrada. Acredita-se que a cabeça foi arrancada de um saco depois que ficou claro que não afundaria.

Quem matou Morris Black?

Como Robert Durst vivia como uma mulher muda chamada Dorothy Ciner no apartamento de US$ 300 por mês em Galveston, as autoridades não conseguiram ligá-lo imediatamente à morte de Morris Black. Na verdade, foi só quando revistaram o lixo comunitário nos fundos de seu prédio que descobriram um recibo de Robert de um oftalmologista local e então fizeram a conexão.

Não havia nenhum Robert na lista de inquilinos, então eles tiveram que examiná-los cuidadosamente antes de descobrirem que ele e Dorothy eram a mesma pessoa – ele havia adotado esse nome falso, lembrando-se dele de um ex-colega de classe desde que estava evitando que as autoridades revisitassem o desaparecimento de sua primeira esposa em 1982.

Na verdade, isso foi fundamental porque os investigadores também perceberam que a arma do crime era uma pistola calibre .22, registrada em nome do herdeiro imobiliário que virou desenvolvedor, Robert.

Foi quando eles fizeram solicitações e estabeleceram vigilância, o que acabou levando à sua prisão na mesma loja de óculos mencionada, depois que o proprietário chamou a polícia assim que ele entrou. Mas, infelizmente, esse homem de 56 anos conseguiu fugir e pular sua audiência, para mais tarde ser preso na Pensilvânia e depois extraditado – ele se declarou inocente, o que levou a um julgamento.

Foi somente quando o julgamento de Robert pelo assassinato de Morris ocorreu em 2003 que a teoria de legítima defesa do primeiro foi cuidadosamente elaborada. De acordo com seu próprio depoimento, ele voltou para casa em 28 de setembro de 2001 e encontrou seu vizinho sentado lá dentro sem convite, assistindo televisão e parecendo extremamente zangado.

De acordo com sua narrativa, o homem de 71 anos tinha uma “espécie de expressão no rosto”, que ele interpretou como significando que “ele estava com raiva de mim”, mas ele nunca elaborou por que isso poderia acontecer ou se ele tinha feito qualquer coisa.

Em vez disso, Robert passou a afirmar que imediatamente começou a temer Morris Black e, portanto, foi pegar a arma de segurança que guardava dentro de seu forno, apenas para que este já a tivesse em mãos. “Eu estava preocupado que Morris fosse atirar a arma, provavelmente na minha cara”, disse ele, então tentou agarrar o cano, apenas para fazer com que os dois tropeçassem de maneira incontrolável.

A arma, portanto, disparou sem que ele tivesse tocado o gatilho, afirmou ele, e descobriu-se que atirou no rosto de Morris – “Eu me levantei com a mão esquerda e vi sangue na lateral do nariz de Morris.” Ele afirmou que foi acidental.

Embora o estranho seja que, em vez de ligar diretamente para o serviço de emergência, Robert afirmou que correu para os vizinhos de cima em busca de ajuda e, quando eles não atenderam a porta, ele começou a limpar. “Eu queria chamar um médico. Tudo que consegui pensar foi em procurar um médico”, testemunhou. “Eu andei ao redor do corpo de Sr. Morris. Eu vi como a cabeça dele estava numa espécie de poça de sangue bem ao redor da cabeça. Contornei seu corpo e fui ao banheiro lavar as mãos.”

Foi aí que ele aparentemente começou a pensar em quão terrível todo o quadro pareceria para as autoridades e decidiu que seria uma opção mais segura para ele simplesmente descartar os restos mortais.

“Bem, continuei repassando em minha mente a situação de que Morris levou um tiro no rosto com minha arma em meu apartamento e eu aluguei este apartamento disfarçado de mulher”, afirmou Robert. “E a polícia iria – quero dizer, mesmo antes de eu chegar ao ponto em que a polícia iria imediatamente investigar quem sou eu, Robert Durst, que por acaso alugou este apartamento como Dorothy Ciner e descobrir que sou um cara rico que alugou o apartamento bem abaixo de suas posses e há toda essa atenção da mídia sobre ele em Nova York. Eu simplesmente não pensei que acreditariam em mim. Não achei que eles acreditariam em mim.”

Robert então saiu novamente para pegar ferramentas nos apartamentos de Morris (uma faca, duas serras e um machado), bem como sacos plásticos de lixo de uma loja de ferragens local antes de voltar para casa, desmembrar o corpo, mergulhar na baía de Galveston e abandonar a evidência para o bem.

Mas, infelizmente, apesar de sua própria admissão, a alegação de legítima defesa foi levada em profunda consideração, juntamente com o fato de não haver nenhuma evidência forense clara que o ligasse ao assunto, resultando na absolvição do júri do assassinato em 11 de novembro de 2003.

No final, ele apenas se confessou culpado de duas acusações de salto de fiança, bem como uma acusação de adulteração (desmembramento) de provas em conexão com toda essa provação, pela qual ele acabou de ser condenado a uma sentença de cinco anos, apenas para receber liberdade condicional em 15 de julho de 2005.

LEIA TAMBÉM: The Jinx: A Vida e Mortes de Robert Durst | Como está Robert Durst atualmente?


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: