“O Véu” é inspirada em uma história verdadeira ou em um livro? Conheça a inspiração por trás da série da Star+

Publicidadespot_img

A minissérie de TV do Star+, ‘O Véu‘, apresenta uma história ambientada no mundo das operações antiterroristas e das instituições internacionais que trabalham para isso.

A série segue a história de Imogen Salter, uma experiente agente do MI6, enquanto ela se encontra em uma operação arriscada. Ela trabalha em estreita colaboração com a DGSE francesa (Direction Générale de la Sécurité Extérieure, que é a agência francesa de inteligência estrangeira) para impedir uma potencial ameaça terrorista.

Quando a inteligência aponta para Adilah El Idrissi, uma pessoa síria ligada ao ISIS, Salter parte numa missão para a interceptar e recolher informações cruciais sobre ataques iminentes.

Salter chega à fronteira turca e leva Adilah, e os dois iniciam viagem para Paris. A primeira usa várias táticas para obter o máximo de informações possível de Adilah, enquanto a última trabalha habilmente para protegê-la.

Criada por Steven Knight, conhecido pela aclamada ‘Peaky Blinders’, esta minissérie é uma tentativa de compreender o nexo de operações dos estados e as diversas facções que trabalham dentro dele. Levanta questões éticas e morais e, dados os assuntos genuínos que aborda, justifica-se uma análise das influências da vida real que definiram o curso da série.

Questões globais contemporâneas inspiram os temas de O Véu

O Véu‘ inspira-se nas realidades dos esforços globais de espionagem e contraterrorismo, em vez de adaptar diretamente personagens ou incidentes reais. A produtora executiva Denise Di Novi revelou em uma entrevista que a visão mais ampla de realismo da série resultou de um encontro casual com um agente francês aposentado da DGSE em um bar de hotel na França. Numa conversa franca e animada pelo espírito da noite, o agente partilhou insights sobre os desafios que enfrentou ao colaborar com agências de vários países.

Stephen Knight ficou inspirado pela conversa e quis estudá-la de perto. Ele começou a conversar com pessoas associadas a essas agências de vários países e observou uma sensação semelhante de desconforto. Quase todos partilhavam apreensões sobre trabalhar com outros países. Ele percebeu que as questões macro que atormentam o mundo moderno e as decisões tomadas sobre elas a nível governamental são conduzidas por indivíduos que estão no cerne do problema.

Ele resumiu a sua conclusão nas seguintes palavras: “Há atrito e há tensão, e o que mais me atrai é quando grandes conflitos ou eventos internacionais se resumem a indivíduos. E o que eu queria fazer com isso é pegar grandes questões e resumi-las a duas pessoas em um carro.”

A colaboração entre agências de inteligência e segurança em missões é uma prática comum. Essa cooperação ocorre frequentemente quando se trata de ameaças transnacionais como o terrorismo ou o crime organizado. Cada agência traz para a mesa seus conhecimentos, recursos e jurisdição exclusivos, permitindo uma abordagem mais abrangente para lidar com as questões.

No entanto, a coordenação entre agências com diferentes culturas organizacionais, prioridades e quadros jurídicos pode apresentar desafios significativos. O conflito de personalidades e interesses muitas vezes mostra muitos obstáculos que devem ser superados para uma missão bem-sucedida.

A série levanta questões precisas sobre a ameaça do terrorismo que os países ocidentais enfrentam e como isso afeta as suas decisões executivas. Medidas de segurança reforçadas, iniciativas de vigilância e protocolos de partilha de informações tornaram-se marcas da era pós-11 de Setembro, à medida que as nações procuram fortalecer as suas defesas contra ameaças potenciais.

As ações que decorrem desses princípios carregam uma hostilidade particular, e esse sentimento é mostrado de maneira muito sutil na série, quando a CIA tenta intervir também na operação de Salter.

Elisabeth Moss, que aparece como Imogen Salter, conduziu uma pesquisa completa sobre o MI6, investigando vários livros para se preparar para sua personagem. Moss enfatizou a importância de dominar um sotaque britânico impecável, apesar de ser parcialmente descendente de britânicos. Ela dedicou muito tempo para aperfeiçoar esse aspecto de sua atuação.

Além disso, Moss realizou muitas das acrobacias de sua personagem, sofrendo uma lesão nas costas durante uma cena. Esse compromisso com a autenticidade e a disposição para enfrentar desafios físicos tornaram o personagem de Salter altamente crível.

Embora a série e os seus personagens possam ser fictícios, eles operam dentro de um cenário hiper-realista que reflete os desafios da política mundial. Ele navega pelos fios da geopolítica, espionagem e ambiguidade moral com nuances e sofisticação, oferecendo ao público uma exploração instigante dos dilemas contemporâneos. A série foi capaz de confundir os limites entre a realidade e a ficção, o que é uma prova do trabalho árduo das pessoas que trabalharam nela para levar a história ao público.

Se você ainda não é assinante do Star+, pode assinar clicando aqui.

LEIA TAMBÉM:


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: