Crítica | Evidências do Amor – Uma comédia romântica acima da média

Publicidadespot_img

Músicas sempre tiveram o poder de nos transportar para outros lugares. Às vezes na rádio de um carro escutamos aquela banda que tocava muito durante nossa adolescência, um hit de 10 anos atrás lembra de férias específicas ou aquela música chiclete que lembra um namorico do passado. Agora imagine que esse poder da música não fosse apenas emocional, mas se você fosse transportado para uma memória da sua ex toda vez que escutasse a música da época em que vocês eram um casal? É com essa premissa que Evidências do Amor chegou aos cinemas brasileiros, dando um toque diferente ao gênero de comédia romântica.

Os acertos e erros de Evidências do Amor

Após terminar o noivado de um relacionamento de vários anos, Marco tem dificuldades de seguir sua vida pessoal e profissional. Para piorar a situação, em um belo dia, ele começa a ser transportado toda vez que ele escuta a música “Evidências”. Viajando pelas memórias do seu último relacionamento, agora ele vai atrás de descobrir porque a antiga canção do seu namoro virou uma maldição.

O principal diferencial de Evidências do Amor para os demais filmes de comédia romântica é justamente a trama. Ao colocar um efeito sobrenatural, o filme se destaca das produções do mesmo escopo e também sabe jogar com essa ferramenta narrativa que movimenta a trama.

O andamento do filme é um ponto positivo pelo modo como os flashbacks acontecem. De certa forma, o filme nos apresentou a todo o relacionamento logo de cara de uma maneira que parece a história de amor padrão. Ao revisitar esse namoro sob a perspectiva das memórias ruins, nós aprendemos juntos ao protagonista que nem sempre nossas memórias são confiáveis.

Sandy Leah, no papel de Laura, entrega uma personagem não muito aprofundada, mas que também não compromete. A dinâmica dela ao lado de Fábio Porchat funciona bem convencendo o público da história de amor. O mesmo vale para o elenco de apoio, com destaque para Evelyn Castro, que rouba a cena quando sua personagem aparece.

O melhor e também pior ponto do filme fica justamente em Fábio Porchat. Não por ser um ator ruim, ou até mesmo por estar ruim nesse filme em específico, mas só por ser quem ele é. Isso pode soar como um ataque gratuito, mas a questão é que Porchat dificilmente entrega um personagem que não seja ele mesmo.

Claro, estamos vendo a história de Marco, mas todos os trejeitos, caras e bocas são os mesmos presentes em todos os filmes que Fábio Porchat já fez desde que se vestiu de azul e gritou “judite!”.

Isso é um ponto negativo, pois não é difícil que se veja alguém não querer ver um filme por achar que vai ser só Porchat gritando por 1h30. Mas o ponto positivo é que sim, os trejeitos estão lá, mas bem mais comedidos e servindo à trama do que o habitual.

Veredito

Evidências do Amor é uma comédia romântica muito acima da média, até mesmo das centenas de produções americanas que são lançadas a cada ano. Uma boa opção de passatempo para o fim de semana e um bom filme nacional.

Nota: 6/10

LEIA TAMBÉM:

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: