O Sequestro do Voo 601 | O que aconteceu com Richard Wilches e Guillermo Luís Lequerica, os pilotos da vida real?

Publicidade

O Sequestro do Voo 601‘, um programa espanhol da Netflix que gira em torno de uma emocionante história de sequestro de avião, ficcionaliza os eventos da vida real que ocorreram a bordo do voo HK-1274 da SAM Colombia em 1973.

Na série, o voo titular 601 da companhia aérea Aerobolivar torna-se o centro da narrativa, à medida que o avião traça sua tumultuada jornada após a decolagem de Bogotá, na Colômbia, onde dois homens armados, Toro e Borja, assumem violentamente o controle da aeronave. Consequentemente, o piloto do navio, comandante Richard Wilches, e o seu co-piloto, Guillermo Luís Lequerica, vêem-se obedecendo às regras dos seus agressores enquanto tentam simultaneamente elaborar um plano de fuga com as aeromoças Edilma e Bárbara.

A base da vida real do programa permanece perceptível através das inúmeras semelhanças entre o voo HK-1274 e o voo 601. No entanto, ao mesmo tempo, o afastamento consistente deste último da precisão histórica através da ficcionalização de certas verdades também se mostra evidente. Pelo mesmo motivo, é natural nos perguntarmos sobre personagens como Richard Wilches e Guillermo Luís Lequerica e suas ligações com a realidade.

Richard Wilches e Guillermo Luís Lequerica: uma combinação ficcional de pilotos reais do vôo HK-1274

Na narrativa inspirada na história real de ‘O Sequestro do Voo 601’, o Comandante Richard Wilches, capitão da aeronave, e seu copiloto, Guillermo Luís Lequerica, são contrapartes na tela dos indivíduos da vida real que pilotaram o Voo HK-1274. Na realidade, dois pares de pilotos comandaram o controle do voo HK-1274 durante as mais de 30 horas em que a embarcação esteve sob sequestro.

O capitão Jorge Lucena e o copiloto Pedro Gracia embarcaram no avião preparado para um voo doméstico no dia 30 de maio de 1973 – uma quarta-feira. Porém, cerca de doze minutos de voo, os pilotos perceberam que sua viagem não era uma viagem normal quando dois indivíduos encapuzados revelaram suas armas e assumiram o controle da aeronave.

Lucena já tinha estado numa situação semelhante no passado – há quatro anos – quando um voo diferente apresentou a ameaça de um sequestrador com uma faca que queria que o piloto conduzisse a aeronave para Cuba. Naquela época, Lucena conseguiu lidar com o sequestrador, chegando até a dar um soco em sua direção. No entanto, desta vez as circunstâncias apresentavam uma realidade diferente, tendo em conta os dois homens armados e os 84 passageiros sob os cuidados do Comandante. Pelo mesmo motivo, o Capitão tentou obedecer aos seus agressores – posteriormente identificados como Eusébio Borja e Francisco Solano López.

No entanto, Borja e López não queriam que Lucena os levasse de avião para Cuba – uma ocorrência comum durante a década de 1970. Em vez disso, estes homens alegaram ser membros do Exército de Libertação Nacional com exigências de libertação de presos políticos e duzentos mil dólares. Assim, devido a um resgate tão montanhoso, à recusa do governo em negociar com terroristas e às tensas negociações da companhia aérea SAM com os sequestradores, o voo HK-1274 viu uma longa e árdua viagem saltando de um aeroporto para outro.

Eventualmente, 32 horas após o sequestro, um voo tão prolongado sob o comando dos mesmos pilotos tornou-se potencialmente perigoso. Como tal, as autoridades de Aruba exigiram a troca da tripulação atual a bordo por uma tripulação substituta. Os sequestradores concordaram com o acordo, ganhando cinquenta mil dólares em troca. O substituto de Lucena, o comandante Hugo Molina, o novo piloto, carregou o dinheiro em uma pasta para dentro do avião. Pedro Ramírez, o novo copiloto, acompanhou Molina ao lado de sua conhecida comissária de bordo, Edilma Pérez, Maria Eugenia Gallo e outro tripulante. Portanto, foi sob a pilotagem de Molina que o reinado de terror dos sequestradores finalmente chegou ao fim – ainda que de uma forma pouco convencional.

Na madrugada do dia 1º de junho, uma sexta-feira, Borja e López possuíam uma quantia significativa de dinheiro e tentavam acabar com o sequestro. O mesmo apresentou um sinal precoce de que as suas ações nunca foram motivadas politicamente desde o início. Consequentemente, obrigaram Molina a voar no avião para Lima, seguido por Mendoza, onde desembarcaram os demais passageiros. O resto foi libertado anteriormente ou escapou antes. Com apenas os membros da tripulação a bordo, os sequestradores se prepararam para sua grande fuga. Eles planejavam tomar Gallo e Pérez como reféns para garantir sua segurança pessoal diante das autoridades.

No entanto, depois que o co-piloto Ramirez soube do mesmo – e da determinação das aeromoças em obedecer para a segurança de seus colegas de trabalho – ele decidiu negociar um acordo diferente. No final, Molina e Ramirez firmaram um “acordo de cavalheiros” com os sequestradores para manter seu pouso em segredo das autoridades até a chegada do voo a Ezeiza. Como resultado, depois de deixar Borja e López, o capitão Molina voou em um vôo HK-1274 não sequestrado para Ezeiza, devolvendo os tripulantes para casa em segurança.

Assim, pode-se inferir os pontos de referência desses relatos dos capitães Lucena e Molina e dos copilotos Gracia e Ramirez, que serviram de inspiração para o enredo de Wilches e Lequerica na série. No entanto, também destaca as liberdades criativas que o programa tomou – especialmente com Wilches, cuja moral às vezes permanece duvidosa. Além disso, estabelece a pura ficcionalidade do final do capitão retratado na série. Em última análise, Wilches e Lequerica apresentam uma versão inspirada na vida real de pilotos reais com ampla licença artística aplicada.

Lucena, Molina e Ramirez faleceram

As consequências da libertação do voo HK-1274 do comando de Borja e López provaram ser particularmente espinhosas para Molina e sua tripulação. Devido ao acordo com os sequestradores, a polícia quase considerou os tripulantes, incluindo Molina e Ramirez, cúmplices. Eles até suspeitaram que eles tivessem recebido uma parte dos cinquenta mil dólares com os quais os criminosos fugiram. Além disso, a mídia criticou a falha de Molina em atualizar as autoridades sobre o paradeiro de Borja e López durante o desembarque. Na verdade, a reação foi tão forte que o pai do piloto sentiu necessidade de defender publicamente o filho.

Embora Borja e López tenham escapado das mãos das autoridades, a polícia acabou identificando a dupla e até prendeu López. Na sequência, Molina e Ramirez continuaram voando em aeronaves comerciais. No entanto, em 1983, a dupla morreu prematuramente quando seu avião caiu em uma fábrica perto do aeroporto de Medellín, após complicações na decolagem. Jorge Lucena, o piloto original do voo, também faleceu em 2010. No entanto, a entrevista do piloto com a Columbia por volta de 1973 ajudou o público a compreender os acontecimentos através de uma perspectiva autêntica. Nada mais se sabe sobre o co-piloto.

LEIA TAMBÉM:

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: