O Regime | Elena se torna chanceler novamente? Entenda o final da série com Kate Winslet

Publicidade

O Regime da Max fecha o capítulo final da história de Elena Vernham através de um episódio cheio de reviravoltas. Quando o programa estreou, ficou claro que sempre faria o inesperado. O público ficou atento durante toda a temporada porque justamente quando eles pensaram que poderiam prever o que aconteceria a seguir, algo completamente diferente aconteceu.

O final continua com essa tendência e entrega algo chocante, mas também totalmente viável, considerando tudo. Em retrospectiva, pode-se dizer que eles previram o que aconteceria, mas à medida que se desenrola, permanece totalmente inesperado e emocionante.

Qual é a trama de O Regime?

Depois que os rebeldes derrubam o palácio, Elena e Herbert Zubak são abandonados pelos ministros, e o casal encontra um túnel para conduzi-los para fora do palácio. No deserto, onde não podem confiar em ninguém, eles precisam encontrar uma maneira de permanecer vivos. Enquanto Zubak pensa logicamente e tenta manter os dois seguros, Elena se apega à ilusão de que ainda pode voltar ao palácio e reconquistar seu povo se conseguir conversar com eles e explicar tudo.

Demora um pouco, mas Zubak coloca algum bom senso nela e, eventualmente, ela decide encontrar um telefone e ligar para Nicky, que está atualmente na Suíça, e pedir-lhe que envie ajuda. A única maneira de sobreviver é deixar o país e viver no exílio para sempre. Mas embora Zubak tenha aceitado isso, Elena ainda tem esperança, embora ela seja frustrada quando os rebeldes finalmente a alcançam. Justamente quando ela pensa que está perdida e não há saída, a ajuda chega de uma fonte inesperada.

Final de O Regime: Como Elena volta ao poder?

Com os rebeldes assumindo o controle do palácio e enviando Elena para a selva para se defender sozinha, parece que não há como ela sobreviver a isso. Mas as coisas nunca são tão fáceis. Embora os rebeldes possam ter vencido a batalha e tomado o Palácio do Povo, a guerra ainda continua. Apesar de suas ações, Elena ainda tem seguidores leais no país, especialmente na região de onde ela vem.

Isto significa que sem a sua demissão pública e a transferência voluntária de poder para o próximo regime, os novos líderes terão extrema dificuldade em manter a paz e não serão capazes de manter o seu poder por muito tempo. Assim, embora Elena possa ser expulsa do seu palácio, a guerra civil assola o país, o que significa que ainda não há um vencedor claro.

É aqui que entram Emil Bartos e os americanos. Bartos ganhou dinheiro com as minas de cobalto do país e, se houver uma guerra civil, não poderá operar as minas, o que significa que não terá dinheiro. Isto é o que tem acontecido nos últimos meses, desde que Elena entrou num modo completamente perturbador, expulsando os americanos, estabelecendo o livre comércio com a China, declarando guerra ao Corredor Faban, e basicamente destruindo a economia do país.

Enquanto isso, os americanos, apesar de desprezarem Elena e seu país, também precisam dela. Não se trata apenas do cobalto, que na verdade seria muito lucrativo para eles. É também sobre a colocação do país de Elena na Europa Central, especialmente agora que se reunificaram com o Corredor Faban.

Mais do que a sua própria ausência na região, o que incomoda os americanos é a presença dos chineses, cujas relações com o país de Elena lhes dão um pé na porta da política e da economia europeias, e não é isso que a América quer de forma alguma. É por isso que eles decidem ajudar Bartos a trazer Elena de volta ao trono.

Considerando as suas necessidades, Bartos e América precisam de alguém que possam controlar, alguém que conheçam o suficiente para prever o seu comportamento e agir em conformidade. Com o novo governo rebelde, eles não saberiam o que esperar. Eles não saberiam quem seria o novo líder e quais seriam suas intenções com a nova ordem.

É demasiado arriscado para eles esperar para ver quem se tornará o próximo Chanceler e depois tentar apaziguá-los para que cumpram as suas ordens. É melhor para eles enfiarem suas garras em Elena, que, no momento, está desesperada o suficiente para fazer o que quiserem. Eles lhe darão o poder de fogo necessário para dominar os rebeldes e também cuidarão de quaisquer outras ameaças que lhe sejam colocadas.

Tudo o que ela precisa fazer é, pouco a pouco, dobrar as regras a seu favor e dar-lhes o que querem. É um comércio justo que Elena não está em condições de recusar porque a outra alternativa é a morte.

Como morre Herbert Zubak?

Desde que Elena prendeu Herbert, ele temia que ela o traísse novamente. Mesmo que ele tenha provado sua lealdade matando Edward Keplinger, e ela o tenha aceitado tanto de volta que até deixou o marido, ele não conseguia afastar a sensação de que ela o deixaria se defender sozinho quando chegasse a hora.

Quando as coisas começaram a ficar difíceis, Elena decidiu passar a chancelaria para Herbert, mas hesitou e então a oportunidade se foi. Isso fez Herbert questionar ainda mais sua lealdade para com ele. Embora Elena tenha dito repetidamente a ele que ela nunca o trairia, isso é exatamente o que ela faz quando chega a hora.

Quando Emil Bartos e os americanos concordam em apoiá-la, dão-lhe uma escolha. Ela tem que fazer exatamente o que eles querem, mas eles também sabem que isso não pode acontecer se Zubak ainda estiver por perto. Considerando os acontecimentos do ano passado, eles sabem que foi a influência de Zubak sobre Elena que a fez se distanciar dos americanos e a jogou nos braços dos chineses, um movimento que não foi lucrativo nem para os americanos nem para Bartos.

Se Elena voltar ao poder, eles não querem arriscar. Eles não querem que o ciclo se repita porque simplesmente não podem mais pagar por tudo isso. Uma escolha é dada a Elena. Ela pode ter Zubak ou sua Chancelaria. Para este último, ela terá que retirar Zubak da equação, e isso não significa apenas fazê-lo ir embora. Significa fazê-lo ir embora permanentemente, então mesmo que queira, não poderá retornar.

Conhecendo Zubak, que é tão profundamente leal a Elena, se ele fosse mandado embora, ele encontraria uma maneira de voltar, o que fica evidente pela forma como ele retornou após sua passagem pela prisão com Keplinger. Bartos e os americanos simplesmente não podem arriscar isso. Apesar de seus sentimentos por Zubak, Elena sabe que esta é sua única chance de recuperar seu poder, e então, depois de pensar um pouco, ela decide fazer o que é melhor para ela. Ela faz exatamente o que Zubak temia. Ela o trai e Bartos e os americanos o matam enquanto ele dorme.

Por que Elena mantém o cadáver de Zubak no palácio?

Elena Vernham amava seu pai. Era difícil definir a verdadeira natureza do relacionamento deles, mas estava claro que a influência dele sobre ela era resultado de um relacionamento tóxico, que estranhamente se estendia além de seu túmulo. Em tudo o que Elena fazia, seu objetivo era deixar o papai orgulhoso.

Ela sonhava com seu pai repreendendo-a por não ser mais forte ou recuando quando as coisas ficavam difíceis. Tamanha era sua dedicação que, mesmo depois de sua morte, ela mantinha seu cadáver preservado no palácio e até o trazia de vez em quando para comemorações. E então apareceu Herbert Zubak. Como uma lufada de ar fresco, ele revigorou Elena. Ele a fez se sentir mais confiante, mais controlada, mais autoritária — todas as coisas que ela nunca sentiu ao tentar agradar o pai.

Então, eventualmente, por insistência de Zubak, ela decidiu cortar a ligação que ainda a prendia ao pai e decidiu não permitir que ele a influenciasse do além-túmulo. Seu pai acaba sendo jogado da varanda pelos rebeldes quando eles assumem o controle. Mas a essa altura, Elena já se despediu dele, pelo menos em espírito.

No entanto, seus “problemas com o pai” permanecem. Quaisquer que sejam os sentimentos que ela tinha concentrado em seu pai, ela agora se volta para Zubak. Ela o eleva tanto que fica difícil para ela olhar além dele enquanto toma decisões. Ela também se emociona com a lealdade inabalável dele, mesmo quando ele é abandonado por ela, e isso a amarra a ele por um fio que ela não consegue mais quebrar, mesmo que queira.

Além disso, Zubak continua a demonstrar seu amor e lealdade inabaláveis ​​por ela, salvando sua vida em várias ocasiões. Então, quando ela finalmente o trai, ela sente uma quantidade de culpa que cria nela um sentimento fragmentado de lealdade, o mesmo que ela tinha por seu pai.

Embora ela possa ter passado por uma montanha-russa de um ano, não há nenhuma mudança significativa no caráter geral de Elena. A sua situação é diferente porque agora está sob o domínio de Bartos e dos americanos, mas isso só a faz sentir-se ainda mais vulnerável, por isso olha para a única pessoa em cuja presença costumava se sentir invencível: Herbert Zubak.

Embora ele possa estar morto, Elena não pode deixá-lo ir, principalmente porque ela o quer ao seu lado, agora mais do que nunca. De alguma forma distorcida, ela volta à estaca zero; apenas seu pai foi substituído por Zubak. Então, como ela queria o pai por perto para poder conversar com ele, obter seus conselhos sobre os assuntos ou apenas ter a sensação de que tinha alguém em quem se apoiar e ser protegida, ela agora quer Zubak para o mesmo.

É por isso que ela tem o cadáver dele preservado e guardado no palácio, como o de seu pai estava há alguns meses.

Se você ainda não é assinante da Max, pode assinar clicando aqui.

LEIA TAMBÉM:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: