Um Dia: Emma e Dexter são baseados em pessoas reais?

Publicidade

Um Dia, da Netflix, centra-se na complicada relação entre Emma Morley e Dexter Mayhew. Eles sentem uma atração instantânea na noite em que se conhecem, mas com o passar dos anos, o relacionamento deles se torna mais platônico, enquanto os dois se anseiam em silêncio. Os altos e baixos em sua amizade, que resiste ao teste do tempo, e sua própria insensibilidade um com o outro tornam-se o foco. 

Vê-los evoluir ao longo dos anos é altamente realista e retratado na série com um aguçado senso de identificação para o público. A linha do tempo de seu relacionamento também está sincronizada com a forma como as coisas realmente progridem na vida real às vezes. Esse retrato certamente nos fará pensar se os personagens e seu relacionamento foram retirados da realidade. 

Emma e Dexter são fictícios, mas inspirados em pessoas reais

Emma Morley e Dexter Mayhew são personagens fictícios criados pelo autor David Nicholls para seu romance Um Dia, no qual o programa de TV é baseado. Depois que o romance conquistou o mundo, o autor foi frequentemente questionado se Emma e Dexter eram baseados em pessoas reais, e ele revelou que não. Na verdade, tem menos a ver com o relacionamento de um casal e mais a ver com o amor de Nicholls por Edimburgo, que é onde começa a história de Um Dia.

Nicholls veio para Edimburgo em 1988 e imediatamente se apaixonou pela cidade. Ele passou um verão lá enquanto trabalhava como ator no festival, e a cidade o impressionou muito. Ele passava muito tempo vagando pelas ruas e absorvendo sua beleza e drama, que ganhavam vida especialmente durante o festival e que permaneceram com ele pelo resto da vida. Quando ele finalmente se sentou para escrever Um Dia, ele não voltou apenas para Edimburgo; ele também voltou para 1988.

Para uma história como essa, Nicholls sabia que os personagens deveriam parecer tão reais quanto possível, por isso fez questão de ficar longe da representação convencional de um casal nos filmes de Hollywood. Ele não queria acabar escrevendo estereótipos com um “cara pateta” e uma “garota brincalhona” que são completamente opostos.

Ele observou que as mulheres nessas histórias geralmente seriam “ultrafemininas e obcecadas por compras”, enquanto os rapazes seriam “meio desleixados e só queriam passar tempo com outros homens e conversar sobre futebol”. Pelas suas amizades com homens e mulheres, ele sabia que não havia nada de real nesse estereótipo.

Quando se trata de escrever Emma, ​​Nicholls inspirou-se muito em suas amigas, que ele disse “estão interessadas em política e não se preocupam com sapatos”, em oposição às “mulheres conservadoras que bebem vinho branco, amam sapatos”. o gênero romance estava cheio na época. 

O personagem de Emma também foi mais fácil de escrever porque ele se sentia mais próximo dela em personalidade do que Dexter. Assim como seu protagonista, Nicholls se interessava por escrever e trabalhava em “empregos terríveis” enquanto tentava fazer carreira no teatro e na escrita.

Ele revelou que também era propenso a “muita ansiedade, autopiedade e permanência”, como Emma, ​​​​e assim como a vida dela mudou depois que seu livro foi publicado no final dos anos 90, a vida de Nicholls também deu uma reviravolta no mesmo tempo. 

O autor chama Emma de um amálgama dele e de seus amigos e pedaços de personagens fictícios como Shirley MacLaine em Se Meu Apartamento Falasse, Katharine Hepburn, Beatrice em Much Ado e Annie Hall, entre outros.

Ao escrever Dexter, ele queria evitar o estereótipo dos homens como “bebedores de cerveja, amantes de esportes e tementes a compromissos”, observando que sua própria ideia de inferno é “assistir a uma partida de futebol em uma sala cheia de homens bêbados”. Tendo trabalhado como ator nos anos 90, ele conheceu muitos homens que tinham boa aparência e fizeram sucesso no início da carreira. 

Ter mais dinheiro facilitou as coisas e eles não hesitaram em se divertir. O autor descreveu seu estilo de vida como “uma época bastante selvagem e hedonista em Londres nos anos 90”, e foi isso que ele colocou no personagem de Dexter para começar.

Considerando tudo isso, fica claro que David Nicholls não baseou Emma Morley e Dexter Mayhew em nenhuma pessoa específica. Em vez disso, ambos são uma representação dos diferentes tipos de pessoas que ele conheceu e até mesmo foi na juventude, especialmente durante os anos 90. É por isso que, talvez, apesar de serem fictícios, Emma e Dex pareçam tão reais e relacionáveis.

Sobre Um Dia

Um Dia conta a história de Emma Morley e Dexter Mayhew. Os dois se conhecem em 15 de julho de 1988, na noite da formatura, mas, no dia seguinte, cada um segue seu caminho. Onde será que estarão nesse mesmo dia no ano seguinte, no próximo e em todos os outros?

Em cada episódio, Dex e Em estão um ano mais velhos. A data é a mesma, e os dois vão evoluindo e mudando, se aproximando e se separando, vivendo alegrias e decepções. Um Dia é uma história de amor ao longo de décadas, baseada no best-seller de David Nicholls.

Enquanto Leo Woodall é conhecido por papeis em Citadel e na segunda temporada de The White Lotus, Ambika Mod passou por séries como This is Gonna Hurt e I Hate Suzie.

Escrito por David Nicholls e lançado em 2009, Um Dia já foi adaptado para os cinemas, com Anne Hathaway e Jim Sturgess.

A minissérie já está disponível na Netflix.

Leia também:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: