127 Horas | Conheça a história verdadeira por trás do drama de sobrevivência

Publicidade

Em alta desde o BBB 24, 127 Horas é um drama de sobrevivência dirigido pelo diretor vencedor do Oscar Danny Boyle. Considerado um dos melhores filmes de sobrevivência de todos os tempos, o filme é a cativante história de um canionista preso debaixo de uma pedra, dentro de uma fenda de desfiladeiro. 

É estrelado por James Franco, Kate Mara, Amber Tamblyn e Clémence Poésy nos papéis principais. Apesar de sua premissa claustrofóbica, o filme é um deleite visualmente deslumbrante, elevado por sua música de fundo comovente, fotografia atraente e atuação convincente de Franco, que ajudam a transmitir perfeitamente a situação do protagonista.

Do roteiro à atuação, o filme exala realismo em quase todos os aspectos. Portanto, é natural questionar se é baseado em algum incidente real ou inspirado em uma história verdadeira. Se você está se perguntando sobre o mesmo, permita-nos compartilhar tudo o que sabemos sobre a inspiração por trás de 127 Horas.

127 Horas é baseado em uma história verdadeira?

Sim, 127 Horas é baseado em uma história verdadeira. O filme é baseado nas experiências de Aron Lee Ralston, que ele documentou em suas memórias de 2004 intituladas ‘Between a Rock and a Hard Place’. 

O livro se tornou a fonte de material para a história do filme. Ralston nasceu em 27 de outubro de 1975, em Marion, Ohio. Formado pela prestigiada Universidade Carnegie Mellon, Ralston sempre teve afinidade com atividades ao ar livre, especialmente montanhismo e canionismo. Em 26 de abril de 2003, Ralston empreendeu uma descida do Bluejohn Canyon, em Utah. Durante esta jornada, sua mão ficou presa sob uma pedra que foi desalojada, prendendo-o dentro de um desfiladeiro. 

Ralston embarcou na caminhada sozinho, sem avisar ninguém. Ele também não tinha como pedir ajuda. Depois de sobreviver por 5 dias, Ralston realizou uma amputação na mão. Ele então saiu da fenda, desceu de rapel uma parede do cânion de quase 20 metros de altura e caminhou de 6 a 7 milhas. Eventualmente, Ralston foi resgatado quase quatro horas após sua amputação.

O filme é em grande parte fiel à verdadeira provação de Ralston e acerta a maior parte das informações factuais, incluindo o método de amputação e as visões de seu futuro filho que o motivam a lutar por sua vida. No entanto, embora o filme seja factual e espiritualmente uma representação realista da notável história de Ralston, ele faz algumas alterações/adições cosméticas. Primeiramente, no início do filme, Ralston conhece duas garotas e as ajuda a encontrar um lago nos cânions. 

O trio acaba dando um mergulho na lagoa, e as meninas o convidam para uma festa antes de seguirem caminhos separados. Na verdade, Ralston apenas mostrou às meninas alguns movimentos básicos de escalada. Como resultado, as alucinações que Ralston tem sobre a festa são elementos de ficção. Da mesma forma, a alucinação de Ralston de se imaginar em um game show também é uma obra de ficção.

Ralston gravou uma série de vídeos como mensagem de despedida para sua família. No entanto, ele admitiu que esses vídeos nunca foram vistos por ninguém além de sua família. O resgate de Ralston resultou da operação de resgate lançada por sua família, fato que fica subestimado no filme. 

Porém, ele recebeu ajuda de uma família que fazia caminhadas pela região, como pode ser visto no filme. O filme foi filmado exatamente no mesmo local onde Ralston estava preso. Desde o incidente, Ralston tornou-se um palestrante motivacional e continua a gostar de passear no deserto, mas agora com mais precaução e cuidado.

“O filme é tão factualmente preciso que é o mais próximo possível de um documentário e ainda assim é um drama”, disse Ralston ao The Guardian. Portanto, as liberdades tomadas pelo filme são insignificantes. O co-roteirista Simon Beaufoy teve uma discussão animada com Ralston antes de escrever o roteiro e explicou-lhe a importância da ficcionalização ao adaptar uma história verdadeira. “É por isso que é um longa-metragem e uma interpretação da história de Aron. Não é apenas um estudo factual de uma história de sobrevivência”, disse Boyle sobre a jornada de Ralston ao falar com a NatGeo.

Ele acrescentou ainda: “É que Aron precisa fazer uma peregrinação pessoal. É sobre ele perceber o quanto deseja ver as pessoas que o amaram e apoiaram, para falar com elas mais uma vez.” A intenção do escritor e diretor sempre foi criar uma experiência cinematográfica comovente, sem desviar-se do incidente real. 

Em última análise, os elementos ficcionais adicionados em 127 Horas ajudam os espectadores a vivenciar e compreender o peso emocional da inspiradora história verdadeira de Ralston sem alterar os fatos.

127 Horas está disponível no Star+.

Se você ainda não é assinante do Star+, pode assinar clicando aqui.

Leia também: Aron Ralston: Como está o sobrevivente de 127 Horas nos dias de hoje?


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: