Quem é o narrador de A Sociedade da Neve? O que aconteceu com ele?

Publicidade

A Sociedade da Neve, da Netflix, revisita a tragédia da queda do voo 571 em 1972 e a jornada dos passageiros que ficaram presos nos Andes por mais de dois meses. Justamente quando parece que as coisas não poderiam piorar para os sobreviventes, outro desafio é lançado sobre eles, e eles se encontram numa encruzilhada, tentando encontrar uma solução para seus problemas. O público é informado de seus pensamentos e dilemas por meio do narrador, que se torna o coração e a alma da história.

O narrador do filme foi uma escolha não convencional

Os acontecimentos de A Sociedade da Neve são narrados por Numa Turcatti, um estudante de direito de 24 anos que embarca no avião com seus amigos do time de rugby. No início da história, Numa revela que não conhece a maioria dos passageiros e poucos do time de rugby, mas são todos jovens como ele. Outro fio que o une ao resto dos passageiros é o acidente de avião que deixou todos eles presos nas montanhas dos Andes, com pouca ou nenhuma esperança de resgate.

Quando JA Bayona decidiu fazer o filme, ele sabia que precisava de uma “entrada” na história. O público precisava de alguém com quem se conectar e ter empatia. Mais do que isso, ele sabia que, a certa altura, o público seria obrigado a julgar os sobreviventes. Decidir comer os amigos mortos para se sustentarem não é uma escolha fácil e que certamente receberá reações adversas das pessoas, que foi o que os sobreviventes vivenciaram quando voltaram para casa e as notícias sobre o canibalismo vieram à tona.

Porém, nenhuma dessas pessoas ficou presa nos Andes e não tinha ideia de como era sobreviver naquela situação, por isso Bayona não quis julgar os personagens do filme. Se houvesse algum julgamento, teria que partir dos passageiros, o que tornou necessária a presença de um narrador. Sem ele, o filme não teria a empatia que uma história como essa exige.

Ao escolher o narrador, Bayona quis ter certeza de que ele não ofuscaria o restante dos passageiros, sobreviventes ou não. Ele queria ter certeza de que cada personagem da história fosse o protagonista e que o filme não acabasse focando no heroísmo de apenas uma pessoa e glorificando-a. Ele também queria ter certeza de que o falecido tivesse tanta voz quanto os sobreviventes. Considerando tudo isso, fazia sentido escolher Numa Turcatti, mesmo que ele não sobreviva até o fim.

Numa Turcatti morreu duas semanas antes do resgate

Em A Sociedade da Neve, Numa prova ser uma das pessoas mais tenazes, pronta para fazer qualquer coisa para encontrar ajuda e resgatar a si mesmo e a seus amigos. Ele está pronto para se juntar às expedições em busca de uma saída das montanhas, mas se recusa veementemente a comer a carne de seus companheiros de viagem até que não haja outra opção e ele tenha que se forçar a comê-la.

É sua vontade de sobreviver e seu desgosto por comer carne que o leva a chutar para sair da fuselagem quando todos estão enterrados sob a neve após uma avalanche e têm que começar a comer aqueles que estão mortos ao lado deles. Ao chutar a janela do avião para encontrar uma saída, ele recebe um corte na perna. Ele não faz nada a princípio, mas depois a ferida infecciona e isso se torna sua ruína.

Também na vida real, Numa Turcatti sofreu um ferimento na perna, que infeccionou e acabou consumindo-o. Ele faleceu em 11 de dezembro de 1972, aos 25 anos, pesando 55 quilos, deixando um bilhete bíblico para seus amigos, que fala sobre o privilégio de dar a vida pelos amigos. Foi no dia seguinte à sua morte que Roberto Canessa, Nando Parrado e Antonio Vizintin iniciaram uma caminhada (com Vizintin voltando mais tarde) que acabou resultando em um resgate.

Sobre A Sociedade da Neve

Quando o voo alcançou a Cordilheira dos Andes, o avião despencou, causando a morte de boa parte dos tripulantes e apenas 29 permaneceram vivos, inicialmente.

Ao longo de três meses perdidos em um ambiente hostil e quase inacessível, eles precisavam fazer o que fosse necessário para sobreviverem até serem eventualmente resgatados.

“A Sociedade da Neve” narra a história do acidente de avião que deixou apenas 29 sobreviventes em uma região inóspita dos Andes. Para sobreviver, esses sobreviventes tomaram medidas extremas, incluindo canibalismo.

Com o objetivo de retratar com fidelidade os eventos que ocorreram, a produção do filme utilizou locações reais, gravando cenas na Espanha, Uruguai, Chile e Argentina.

Leia também: Crítica | A Sociedade da Neve – Avalanche de emoções no melhor drama de sobrevivência da Netflix


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News.

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: