Entenda a confusa linha do tempo do filme A Sociedade da Neve

Publicidade

A Sociedade da Neve da Netflix traz para a tela uma incrível história de sobrevivência onde das quarenta e cinco pessoas vítimas de um acidente de avião, apenas dezesseis sobrevivem até o dia do resgate. É angustiante e angustiante, mas também uma história exemplar de até que ponto os humanos podem estender os seus limites para sobreviver. Enquanto a história se desenrola diante do público durante duas horas e meia, os sobreviventes passaram mais de dois meses nos Andes sem nenhum sinal de vida ao seu redor.

Sociedade da Neve começa com um terrível acidente de avião

A história dos passageiros do vôo 571 começa em 12 de outubro de 1972. Os jovens jogadores do time de rugby, junto com alguns familiares e amigos, saem de sua casa em Montevidéu, Uruguai, do Aeroporto Internacional de Carrasco. Teriam cruzado os Andes no mesmo dia, mas o mau tempo os obrigou a fazer uma parada em Mendoza, na Argentina, de onde seguiram viagem no dia seguinte, 13 de outubro, às 14h18.

Com mais de uma hora de viagem, o acidente aconteceu às 15h34. O clima, as nuvens e alguns erros de cálculo de navegação por parte dos pilotos fizeram com que o avião descesse dramaticamente, com o cone de cauda do avião arrancado após atingir a crista e a fuselagem voando uma curta distância e depois caindo no geleira íngreme e descendo para o vale. O capitão morreu com o impacto e o co-capitão também não sobreviveu por muito tempo.

Das 45 pessoas no avião (40 passageiros e cinco tripulantes), 33 sobreviveram ao acidente, mas a maioria sofreu ferimentos graves. Roberto Canessa e Gustavo Zerbino, que estavam relativamente ilesos e eram estudantes de medicina, se orientaram e imediatamente assumiram a tarefa de socorrer os feridos. Fernando “Nando” Parrado permaneceu inconsciente durante três dias após o acidente. Nesse ínterim, as autoridades chilenas foram notificadas sobre o avião e foi iniciada uma busca preliminar pelos passageiros.

Os primeiros dias de sobrevivência e a esperança de resgate

Se o acidente não os matasse, os sobreviventes sabiam que o frio o faria, mais cedo ou mais tarde. Na primeira noite, mais cinco passageiros morreram. No dia seguinte, os sobreviventes vasculharam os destroços, na esperança de encontrar algo para comer. Tudo o que encontraram, dividiram igualmente, mas logo perceberam que não tinham muitas opções. 

Alegadamente, eles vasculharam as almofadas dos assentos em busca de algo comestível, como palha. Eles até mastigaram o couro dos cintos e dos sapatos e até tentaram comer algodão. Eventualmente, eles tiveram que aceitar o fato de que só havia uma coisa comestível: os cadáveres.

Dias depois do acidente, alguns dos passageiros começaram a comer dos cadáveres, mas alguns mantiveram a esperança de resgate, desejando que a ajuda chegasse antes de terem de recorrer ao canibalismo. Entretanto, as autoridades chilenas uniram forças com a Argentina e o Uruguai para iniciar operações de resgate. Nos dias seguintes, eles vasculharam a área e até sobrevoaram os sobreviventes e o local do acidente algumas vezes. 

No entanto, a fuselagem era branca e enterrada na neve, e não chamou a atenção deles de tão alto. O clima também reduziu a visibilidade. Os sobreviventes tentaram chamar a atenção para si mesmos. Eles gritaram e choraram, fizeram um enorme X na neve com a bagagem e até tentaram usar batom (que não foi suficiente) para chamar a atenção através da mensagem SOS na fuselagem.

O resgate é cancelado

Em 21 de outubro de 1972, cerca de uma semana após o início da missão de resgate, ela foi cancelada. Eles passaram mais de 142 horas procurando os passageiros, mas não encontraram nenhum vestígio deles. Para eles, as chances de sobrevivência de alguém num lugar onde nada poderia sobreviver pareciam impossíveis. As autoridades presumiram que os sobreviventes do acidente já teriam morrido de fome e hipotermia. 

O que esperavam era encontrar os seus cadáveres, por isso decidiram retomar a busca em dezembro, quando o tempo lhes permitiria melhor visibilidade, entre outras coisas, para procurar as vítimas. Enquanto isso, os sobreviventes ouviram falar disso no rádio que de alguma forma fizeram funcionar na esperança de usá-lo para enviar ou receber uma mensagem. 

Todas as suas esperanças foram frustradas quando descobriram que haviam sido abandonados e ninguém mais os procurava. Gustavo “Coco” Nicolich os tirou desse desespero com sua contagiante implacabilidade para sobreviver. Em vez de chamar isso de más notícias, ele chamou de “boas notícias” o fato de a busca ter sido cancelada porque agora eles estariam saindo dos Andes por conta própria.

O cancelamento da missão de resgate também deixou claro aos sobreviventes que ainda não haviam comido dos cadáveres que não tinham outra opção. Eles tiveram que comer para sobreviver o maior tempo possível, então estavam prontos para partir quando o resgate finalmente chegou.

A avalanche ataca

Justamente quando os sobreviventes pensaram que as coisas não poderiam piorar, eles o fizeram. Na noite de 29 de outubro, uma avalanche soterrou os sobreviventes e a fuselagem na neve. Como resultado, mais oito passageiros morreram, e os vivos e os mortos ficaram presos dentro do mesmo espaço claustrofóbico. Durante três dias ficaram assim, mal conseguindo sobreviver com o ar que entrava e os obrigava a comer dos cadáveres dos recém-falecidos. Na manhã de 31 de outubro, eles finalmente conseguiram sair, apenas o suficiente para ver uma nevasca forte lá fora.

A tentativa de caminhar para fora dos Andes

No dia 15 de novembro, mais de um mês após o acidente, alguns passageiros decidiram caminhar até a geleira e encontrar uma saída. Eles encontraram a cauda do avião voltada para o leste com outras coisas como chocolates, cigarros, roupas e rum, entre outras coisas. Eles também encontraram um rádio e as baterias (que eram pesadas demais para serem transportadas). 

Na primeira noite da expedição, eles percebem como é impossível sobreviver à noite sem qualquer tipo de cobertura. Eles voltaram para a fuselagem, trouxeram o rádio que haviam colocado em funcionamento e o levaram de volta para a cauda, ​​​​na esperança de fazê-lo funcionar com as baterias. Infelizmente, o plano não funcionou.

A Morte de Numa e a Expedição Final de Parrado e Canessa

Apesar de todos os seus esforços para permanecerem vivos, o número de passageiros diminuiu e, com isso, as suas esperanças de sobrevivência. Em 11 de dezembro, cerca de dois meses após o acidente, Numa Turcatti faleceu. Sua morte atingiu a todos com mais força do que a maioria, e isso os encorajou a finalmente embarcar na viagem para a qual estavam se preparando.

Em 12 de dezembro, Parrado, Canessa e Vizintin deixaram o local do acidente para iniciar a última tentativa de resgate. Qualquer que fosse o cronograma que eles esperavam, foi riscado nos próximos dois dias, pois mesmo com o tempo mudando e a neve começando a derreter, eles não viram nada além de uma folha branca até onde seu olhar percorreu. 

O único resquício de esperança veio de Parrado, que viu o brilho de duas montanhas sem neve descendo para um vale. Ele sabia que não voltaria para a fuselagem de qualquer maneira e foi acompanhado por Canessa para ir o mais longe que fosse necessário. Vizintin decidiu voltar para que seus amigos pudessem usar sua parte das rações para avançar ainda mais.

No dia 15 de dezembro, Vizintin estava de volta à fuselagem, contando aos outros sobreviventes sobre o novo plano, enquanto Parrado e Canessa seguiam na frente, sem saber a distância e o tempo que teriam que caminhar. Depois de caminhar incansavelmente por dez dias, finalmente chegaram à foz do rio e avistaram a vegetação ao seu redor pela primeira vez em mais de dois meses. 

A essa altura, eles estavam tão esgotados que não poderiam ter sobrevivido mais um dia. Felizmente, eles estavam perto o suficiente da civilização e um condutor de mulas os viu. No dia 21 de dezembro, o condutor de mulas voltou com mais duas pessoas e jogou um papel para Canessa e Parrado, no qual este explicava quem eram e onde estavam seus amigos. Os homens receberam a mensagem e era apenas uma questão de tempo até que a ajuda finalmente chegasse. Parrado e Canessa foram levados para a aldeia vizinha, onde receberam comida e um local adequado para descansar. 

No dia seguinte, 22 de dezembro, chegaram dois helicópteros. Parrado foi colocado em um helicóptero para guiá-los até o local do acidente. Eles trouxeram de volta seis sobreviventes, com alguns socorristas ficando para passar a noite. No dia seguinte, quando o tempo melhorou, os oito sobreviventes restantes também foram trazidos de volta.

Sobre A Sociedade da Neve

Quando o voo alcançou a Cordilheira dos Andes, o avião despencou, causando a morte de boa parte dos tripulantes e apenas 29 permaneceram vivos, inicialmente.

Ao longo de três meses perdidos em um ambiente hostil e quase inacessível, eles precisavam fazer o que fosse necessário para sobreviverem até serem eventualmente resgatados.

“A Sociedade da Neve” narra a história do acidente de avião que deixou apenas 29 sobreviventes em uma região inóspita dos Andes. Para sobreviver, esses sobreviventes tomaram medidas extremas, incluindo canibalismo.

Com o objetivo de retratar com fidelidade os eventos que ocorreram, a produção do filme utilizou locações reais, gravando cenas na Espanha, Uruguai, Chile e Argentina.

Leia também:


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News.

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: