Napoleão | O que é verdade e o que foi inventado no filme?

Publicidade

Dirigido por Ridley Scott, Napoleão é um drama histórico estrelado por Joaquin Phoenix no papel principal. O filme acompanha a vida de Napoleão Bonaparte. desde sua ascensão no exército francês como comandante até se tornar o imperador francês e eventual queda. Também recria vários eventos históricos, especialmente batalhas em grande escala, juntamente com uma visão íntima da vida privada de Napoleão. 

Como resultado, é natural que os espectadores se perguntem quais aspectos do filme são baseados em fatos históricos e na história real de Napoleão e quais partes são fabricadas sob liberdade criativa.

A inspiração por trás de Napoleão

Napoleão é amplamente inspirado em uma história verdadeira. O filme é baseado na vida do comandante militar francês e mais tarde imperador Napoleão Bonaparte. Nascido em 15 de agosto de 1769, Napoleão ganhou destaque durante a Revolução Francesa. Mais tarde, ele foi coroado imperador francês em 1804, e seu reinado durou quase uma década antes de ser forçado a abdicar do trono em 1814, após perder para a Sexta Coalizão. 

Após um breve exílio, Napoleão retomou o controle da França em março de 1815, mas seu segundo reinado durou apenas alguns meses, pois foi derrotado na Batalha de Waterloo em junho de 1815. Napoleão foi exilado na ilha de Santa Helena, onde morreu em 1821. Napoleão continua a ser um dos comandantes militares franceses mais renomados da história, mas também é visto como uma figura divisiva e controversa. 

O filme pretende adaptar as diferentes facetas da vida de Napoleão e a complexidade por trás do homem que se tornou rei. Como resultado, o roteiro de David Scarpa também foca no relacionamento de Napoleão com Lady Josephine, também conhecida como Joséphine de Beauharnais. Ao mesmo tempo, o filme destaca a perspicácia militar e política de Napoleão, cobrindo 6 das 81 batalhas que travou durante sua carreira. Entre essas seis batalhas estão o Cerco de Toulon (1793), 13 Vendémiaire, a Batalha das Pirâmides, a Batalha de Austerlitz e a Batalha de Waterloo.

No entanto, para o diretor Ridley Scott, as conquistas militares de Napoleão não foram a principal atração da história do imperador francês. Em vez disso, Scott queria explorar a correlação entre as ambições militares de Napoleão e o seu complexo romance com Lady Josephine. “Napoleão é um homem por quem sempre fui fascinado. Ele surgiu do nada para governar tudo – mas, o tempo todo, travava uma guerra romântica com sua esposa adúltera, Josephine. Ele conquistou o mundo para tentar conquistar o amor dela e, quando não conseguiu, conquistou-o para destruí-la e destruiu a si mesmo no processo”, disse Scott, falando ao Deadline em 2021.

O roteirista David Scarpa ecoou os sentimentos do diretor ao falar com a The New Yorker. Scarpa explicou que enquanto pesquisava para o roteiro, não conseguiu categorizar Napoleão como herói ou vilão como a maioria das outras figuras históricas. A suposta inépcia de Napoleão com as mulheres permaneceu no escritor, especialmente suas vulnerabilidades, que foram expostas através de Lady Josephine. Scarpa manteve o ângulo e lançou-o para Scott, que também concordou em explorar a vida de Napoleão através de sua vulnerabilidade.

A partir das palavras de Scarpa e Scott, podemos deduzir que esta versão de Napoleão é mais um romance condenado com um cenário de conquista militar que mostra a luta pelo poder em toda a Europa durante o século XVII. Apesar disso, Scott não hesitou em manter a precisão histórica do filme. Scott trabalhou com Michael Broers, historiador britânico e professor de História da Europa Ocidental em Oxford, para garantir a precisão histórica do filme. Broers aconselhou Scott sobre vários aspectos da vida de Napoleão, incluindo detalhes de suas batalhas e as motivações de seus inimigos e das pessoas mais próximas a ele.

Da mesma forma, Scott também trabalhou em estreita colaboração com o departamento de arte e figurino para garantir que o filme capturasse o ambiente do período histórico em que a história se passava. No entanto, o filme foi criticado por certas imprecisões históricas, principalmente no que diz respeito à cronologia de certos acontecimentos na vida de Napoleão. Alguns historiadores destacaram eventos como a participação de Napoleão na execução de Maria Antonieta, suas tropas atirando nas pirâmides do Egito e liderando o ataque da cavalaria como historicamente imprecisos.

Além disso, outros detalhes cosméticos, como a escalação de Joaquin Phoenix para o título, que é supostamente mais alto que o governante francês, o momento das batalhas e os trajes e penteados de outros personagens foram considerados historicamente imprecisos. No entanto, Scott não se incomodou com essas discrepâncias e admitiu tomar algumas liberdades cinematográficas ao elaborar certos eventos e fatos reais, citando o debate geral sobre a vida de Napoleão entre os historiadores.

Napoleão é de fato um drama histórico baseado na vida de Napoleão Bonaparte. No entanto, não é exatamente uma representação biográfica do ex-imperador francês. Em vez disso, o filme mostra Napoleão através das lentes do diretor Ridley Scott, que interpreta a figura histórica como um comandante militar implacável com um lado vulnerável. Como resultado, apresenta algumas imprecisões históricas, mas é um drama emocional envolvente e luxuoso acompanhado por batalhas épicas repletas de realismo.

Leia também: Crítica | Napoleão – Caos visceral em estudo perspicaz do ego frágil


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: FacebookTwitterInstagramYoutube e também no Google News.

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: