Já está disponível na Netflix o novo suspense com a maravilhosa Sarah Paulson (American Horror Story). O final surpreendente da reviravolta de Fuja certamente fará o público se perguntar se realmente captou todas as mensagens ocultas e, para isso, aqui está o nosso resumo do que aconteceu no desfecho e o que isso significa para Chloe e Diane.

Mas antes, que tal ler nossa crítica completa de Fuja clicando neste link?

[CUIDADO COM SPOILERS]

O thriller do diretor Aneesh Chaganty (Buscando…) deixa o público com um final de tirar o fôlego que levanta algumas questões sobre as personagens Chloe, Diane e como será o futuro delas.

Ao explorar uma relação conturbada entre mãe e filha, que se torna tensa devido ao amor sufocante e obsessivo de Diane, que ignora os desejos de independência de sua filha, Fuja propõe refletir como o amor de uma mãe pode ser opressor e até perigoso quando ela está ameaçada de perder seu filho. No entanto, o suspense vai muito mais fundo do que isso – explora doenças mentais e relacionamentos co-dependentes, e embora Diane certamente não seja uma vilã simpática, seus problemas estão enraizados no terror da vida real.

O final o longa mostra Chloe virando o jogo contra sua sequestradora de longa data; Diane está em seu estado mais vulnerável em uma clínica psiquiátrica. Embora isso possa parecer um final aberto, há muito para desvendar sobre a mentalidade de Chloe e o destino final de Diane que não foram esclarecidos no momento em que os créditos começaram. Fuja fornece reflexões poderosas sobre os efeitos duradouros do trauma, a natureza cíclica do abuso e como as pessoas podem valorizar a justiça ou mesmo a vingança.

O que aconteceu no desfecho de Fuja?

Após o confronto de Diane com policiais armados no hospital enquanto ela tentava escapar com Chloe, ela foi ferida e acabou internada. Embora possa parecer benéfico para Chloe tirar Diane de sua vida, isso mostra seu estado mental que ela continua a visitá-la no hospital. Chloe poderia facilmente ter se separado de Diane, especialmente porque Diane não é sua mãe biológica e possivelmente nem mesmo a adotou legalmente.

Além disso, no final do filme, Chloe é uma adulta que começou sua própria carreira na área da medicina, tem um marido e um filho. Ela conseguiu criar uma vida de sucesso para si mesma por seus próprios méritos e aparentemente não tem motivo para continuar mantendo Diane por perto.

Ela faz isso porque quer continuar exercendo controle sobre sua “mãe” para amenizar a tensão emocional que decorre do período de sua vida em que ela não tinha nenhuma. É um relacionamento complicado, e aparentemente sempre foi, mas é interessante que Chloe esteja tão focada em vingança agora, quando ela parecia apenas querer sua liberdade antes.

O que vai acontecer com Diane?

Chloe dá a Diane uma pílula verde bastante familiar na cena final, que acaba selando seu destino. O público está familiarizado com o que o remédio faz a alguém com base em como Chloe reagiu a ele ao longo do filme. No entanto, Diane também está sujeita a quaisquer medicamentos ou tratamentos que estão sendo prescritos para ela pela equipe do hospital; ela poderia estar ainda mais desamparada, nesse aspecto, do que Chloe jamais foi, apesar de suas muitas doenças.

Presumivelmente, o acesso de Chloe aos remédios significa que ela poderá não apenas continuar recebendo esta receita para passá-la para Diane como punição contínua e até mesmo tormento pelo que ela fez, mas o final também sugere que Diane ficará presa na instituição para todo sempre. Ela cometeu crimes graves; é improvável que ela seja elegível para libertação, mas não há nada que diga que ela não poderia escapar.

Diane provou ser altamente inteligente e capaz; ela também é manipuladora e, se conseguir conquistar a simpatia de alguém, pode até conseguir escapar. Não está claro se Fuja ganhará uma sequência, mas como Diane está viva no final do filme e ainda tem Chloe em sua vida de alguma forma, é possível que um futuro enredo as coloque juntas novamente. Também existe a chance de que, com o tempo, Chloe pare de visitar Diane por completo.

De certa forma, esse provavelmente seria um destino pior para Diane – ela seria completamente desconectada de Chloe e nunca teria acesso a ela novamente. A obsessão de Diane por Chloe e os delírios não parecem ter desaparecido, embora ela tenha sido forçada a aceitar a realidade de sua situação, até certo ponto. No entanto, o fato de Chloe ter a fixação em distribuir vingança ao invés de condenar Diane ao verdadeiro sofrimento influencia o significado mais profundo de Fuja.

Mas então o que realmente significa o final?

Em sua essência, Fuja é sobre a natureza cíclica do trauma, violência e abuso. Mesmo que Chloe tenha conseguido escapar das garras de Diane e começar uma vida aparentemente bem-sucedida por conta própria, ela nunca foi capaz de escapar do que foi feito com ela. Em vez de cavar um espaço separado para si mesma com sua liberdade recém-descoberta, ela continuamente visita Diane e a mantém sob seu controle.

Ela alimenta as próprias ilusões de Diane de que Chloe se importa com ela, pelo menos até o ponto em que ela não a abandonará completamente, e reforça a crença de Diane de que Chloe “precisa” dela. De certa forma, as duas mulheres precisam uma da outra – seu relacionamento era incrivelmente tóxico, mas o ciclo de abuso e violência pode resultar na vítima se tornar um abusador. Certamente não é o que sempre acontece; pessoas que suportaram horrores como os de Chloe, pode continuar a se tornar uma pessoa completa, altamente funcional e feliz.

No entanto, a cena final sugere que, para algumas pessoas, realmente não há como escapar. O corpo de Chloe está permanentemente alterado pelo abuso e veneno de longo prazo que ela sofreu como resultado da doença de Diane – muito provavelmente a síndrome de Munchausen por procuração – e ela não consegue perdoar completamente sua “mãe”.

Além disso, a implicação mais aterrorizante feita no final do filme é que Chloe é fortalecida e até mesmo libertada por finalmente ser capaz de manter o controle total sobre Diane. Ela está ciente de onde está o tempo todo, ela é capaz de testemunhá-la em um estado vulnerável e isolado, ela pode decidir quando eles interagem ou não, e ela está em uma posição de literalmente dar a Diane um gostinho de seu próprio remédio amargo sem que ninguém a parasse.

É um quid pro quo distorcido, que oferece o pensamento de que o empoderamento e o controle significam coisas diferentes para as pessoas. Chloe aparentemente encontrou algum tipo de encerramento ou consolo em agora ser capaz de se tornar a cuidadora de Diane enquanto constantemente serve como um lembrete doloroso de como a obsessão de Diane por controle lhe custou tudo.

E aí, gostou do final? Conta para gente nos comentários! Fuja já está disponível na Netflix.

Leave a comment

Share This