Está aberta a temporada de premiações de 2021 e algumas obras estão sendo aclamadas por onde passam. Com os indicados ao Globo de Ouro e ao Critics’ Choice Awards, dois importantes termômetros para o Oscar, separamos 10 filmes essenciais que você PRECISA assistir para ficar por dentro das obras mais interessantes do ano e não perder nadinha durante as cerimônias.

Minari: Em Busca da Felicidade

Minari se passa nos anos 80. David (Alan S. Kim), um menino coreano-americano de sete anos de idade, que se depara com um novo ambiente e um modo de vida diferente quando seu pai, Jacob (Steven Yeun), muda sua família da costa oeste para a zona rural do Arkansas. Entediado com a nova rotina, David só começa a se adaptar com a chegada de sua vó. Enquanto isso, Jacob, decidido a criar uma fazenda em solo inexplorado, arrisca suas finanças, seu casamento e a estabilidade da família.

Onde assistir? Em breve nos cinemas.

Nomadland

Após o colapso econômico de uma cidade na zona rural de Nevada, nos Estados Unidos, Fern, uma mulher de 60 anos, entra em sua van e parte para a estrada, vivendo uma vida fora da sociedade convencional como uma nômade moderna.

Onde assistir? Em breve nos cinemas.

Bela Vingança

Quando homens mau intencionados se aproximam dela com a desculpa de que vão ajudá-la, Cassie entra em ação e se vinga dos predadores que tiveram o azar de conhecê-la e o mau caráter de tentar abusá-la. 

Onde assistir? Em breve em Home Video.

A Voz Suprema do Blues

A trama companha Ma Rainey (Viola Davis) em Chicago, 1927, numa sessão de gravação de álbum mergulhada em tensão entre seu ambicioso trompista Levee (Chadwick Boseman) e a gerência branca que está determinada a controlar a incontrolável “Mother of the Blues”. Porém, uma conversa no local revela verdades que irão abalar a vida de todos.

Leia a nossa crítica!

Onde assistir? Na Netflix

Soul

Joe é um professor de música do ensino médio apaixonado por jazz, cuja vida não foi como ele esperava. Quando ele viaja a uma outra realidade para ajudar outra pessoa a encontrar sua paixão, ele descobre o verdadeiro sentido da vida.

Leia a nossa crítica!

Onde assistir? No Disney+

Mank

A história tumultuosa de Herman J. Mankiewicz, roteirista da obra-prima icônica de Orson Welles, “Cidadão Kane” e sua luta contra Welles pelo crédito do texto do grandioso longa.

Leia a nossa crítica!

Onde assistir? Na Netflix

Os 7 de Chicago

No ano de 1968, diferentes grupos contrários à Guerra do Vietnã se reuniram em um grande protesto em Chicago, local em que acontecia a Convenção Nacional Democrata – evento que anunciou a candidatura de Hubert H. Humphrey à presidência. As coisas saíram do controle, houve tumulto e alguém tinha que pagar por isso.

Leia a nossa crítica!

Onde assistir? Na Netflix

Judas e o Messias Negro

A história de ascensão e queda de Fred Hampton (Daniel Kaluuya), o ativista dos direitos dos negros e revolucionário líder do partido dos Panteras Negras. Um jovem proeminente na política, ele atrai a atenção do FBI, que com a ajuda de William O’Neal (LaKeith Stanfield) acaba infiltrando os Panteras Negras e causando o assassinato de Hampton.

Leia a nossa crítica!

Onde assistir? Em breve nos cinemas.

O Som do Silêncio

Um jovem baterista teme por seu futuro quando percebe que está gradualmente ficando surdo. Duas paixões estão em jogo: a música e sua namorada, que é integrante da mesma banda de heavy metal que o rapaz. Essa mudança drástica acarreta em muita tensão e angústia na vida do baterista, atormentado lentamente pelo silêncio.

Onde assistir? No Amazon Prime Video

Uma Noite em Miami

Um recorte da vida do lutador de boxe da categoria de peso-pesado, Cassius Clay, o Muhammad Ali. O filme acompanha sua trajetória desde jovem, quando ganhou visibilidade após participar do Miami Beach Convention Center e sair como vencedor de sua categoria, além de revisitar como se deu o início de sua amizade com Malcom X, Sam Cooke e Jim Brown. 

Leia a nossa crítica!

Onde assistir? No Amazon Prime Video

Melhores séries Rua do Medo: 1666 – PARTE 3 – Final #Crítica Atypical Interrompemos a Programação #Crítica