TEL AVIV EM CHAMAS, de Sameh Zoabi, estreia nas plataformas Net Now, VivoPlay, Looke e SkyPlay no dia 21 de janeiro, e no Belas A La Carte a partir de 22 de janeiro.

Longa exibido na seleção oficial do Festival de Toronto e premiado no Festival de Veneza com o Interfilm Award de Melhor Filme e o prêmio de Melhor Ator na mostra Horizonte para Kais Nashif (Rede de Mentiras, Paradise Now), que interpreta o protagonista Salam. Além disso, foi a escolha de Luxemburgo para o Oscar 2020.

Ambientado na Palestina, essa comédia acompanha o jovem Salam, que trabalha como assistente na produção de uma telenovela palestina. Para o diretor, a ideia de um filme que aborda novelas foi natural, pois esses programas de TV são muito rentáveis e populares no Oriente Médio. “O que acho interessante é que as pessoas que assistem novelas consideram esse estilo de diálogo mais convincente que o diálogo e atuação sutil do cinema”. 

Ao utilizar o meio da novela, consegui explorar temas que nunca seria capaz de fazer de outra maneira no cinema. Por exemplo, a cena de abertura, que considero bastante política, quando os personagens palestinos expressam como se sentem em relação à guerra árabe-israelense de 1967 que se aproxima. Eles falam sobre suas esperanças, história e medo da ocupação israelense de Jerusalém”, comenta Zoabi.  

Na história, Salam cruza o posto de controle entre as cidades de Jerusalém e Ramala diariamente, para ir trabalhar. Ali, conhece o oficial do exército israelense Assi (Yaniv Biton), que acompanha a novela ‘Tel Aviv em Chamas’ com sua mulher, Tala (Lubna Azabal, de Incêndios e Rede de Mentiras) e que tem suas próprias opiniões sobre o desenrolar da trama. Para crescer profissionalmente, Salam começa a se apropriar das ideias de Assi, ganha a confiança da equipe da novela e vira roteirista. Mas, o final esperado pelo oficial é bem diferente do que pretendem os investidores palestinos do programa e o roteirista árabe precisará encontrar uma saída de mestre para agradar a todos.  


É um grande desafio fazer comédia lidando com a realidade palestina e israelense, pois as pessoas levam a região e o conflito muito a sério”, diz Zoabi. “Mas acredito que a comédia permite a liberdade de discutir assuntos sérios de uma maneira sutil. Nos meus filmes, tento entreter, mas também falar sinceramente sobre a condição humana de onde meus personagens estão inseridos”, completa. 

Share This