Meghan Markle, a Duquesa de Sussex, revelou que sofreu um aborto espontâneo em julho, explicando em um artigo profundamente pessoal do New York Times que perder um filho significa “carregar uma dor quase insuportável”.

Markle, esposa do príncipe real britânico Harry, revelou que perdeu seu segundo filho depois de trocar a fralda de seu primeiro filho, Archie Harrison Mountbatten-Windsor.

“Eu me joguei no chão com ele em meus braços, cantarolando uma canção de ninar para nos manter calmos, a melodia alegre em forte contraste com minha sensação de que algo não estava certo”, escreveu ela. “Eu sabia, enquanto agarrava meu primeiro filho, que estava perdendo meu segundo.”

Markle, que assinou um mega acordo geral com a Netflix , acrescentou: “Sentado em uma cama de hospital, vendo o coração do meu marido se partir enquanto ele tentava segurar os pedaços do meu, percebi que a única maneira de começar a curar é primeiro perguntar: ‘Você está bem?’ ”

Essas três palavras (que ela ficou famosa em uma entrevista com Tom Bradby da ITV no ano passado) foram o tema de seu artigo no qual ela refletiu sobre a pandemia de coronavírus, as mortes de George Floyd e Breonna Taylor e a luta pela verdade na América após a eleição presidencial.

Parece que não concordamos mais com o que é verdade. Não estamos apenas brigando por nossas opiniões sobre os fatos; estamos polarizados quanto ao fato de o fato ser, de fato, um fato. Não sabemos se a ciência é real. Estamos em desacordo sobre se uma eleição foi ganha ou perdida”, disse ela. “Essa polarização, juntamente com o isolamento social necessário para combater esta pandemia, fez com que nos sentíssemos mais sozinhos do que nunca.”

Voltando à tristeza de seu aborto, a ex- estrela de Suits disse que é um assunto que não é discutido com frequência. “Perder um filho significa carregar uma dor quase insuportável, vivida por muitos, mas falada por poucos”, disse ela. “Apesar da impressionante semelhança dessa dor, a conversa continua tabu, cheia de vergonha (injustificada) e perpetuando um ciclo de luto solitário.”

Fonte: Deadline

Share This