Sucesso absoluto na Netflix desde sua estreia, o suspense ‘O Diabo de Cada Dia’ está dando o que falar entre os assinantes da plataforma, exatamente por entregar uma trama densa, forte e violenta sobre fanatismo religioso. Mas você pegou todas as referências do desfecho? Pensando nisso, separamos alguns pontos que podem se conectar com o destino do protagonista.

Mas antes, que tal ler nossa crítica completa de O Diabo de Cada Dia, onde ressaltamos a performance brilhante de Tom Holland? Para isso, basta clicar nesse link.

[CUIDADO COM SPOILERS]

Então vamos lá! Após finalmente se sentir livre, por fazer justiça com suas própria mãos e assassinar todos que poderiam lhe fazer algum mal, como o Reverendo (vivido por Robert Pattinson), que abusa de sua meia-irmã, e o policial (vivido por Sebastian Stan), que desejava vingança, o jovem Arvin retorna para sua casa da infância e consegue enterrar seu cachorro, que havia sido sacrificado por seu pai em prol de “fazer uma oferenda à Deus”.

Como vemos ao longo da trama, Arvin sofreu desde muito novo com o fanatismo cego de seu pai e a morte precoce de sua mãe. O menino doce cresceu em um ambiente de tristeza e dor, que repercutiu em sua personalidade explosiva e violenta quando mais velho, apesar de ser uma pessoa de bom caráter. Com os crimes que se sentiu obrigado a cometer, ele demostra sentir culpa, mas escolhe fugir e deixar essa vida pesada de uma vez por todas para trás.

A última cena

Quando decide que largar tudo e “desaparecer” é o certo, Arvin caminha por uma estrada e tenta encontrar alguma carona para seguir sua jornada. Nesse ponto, uma combi vermelha para e lhe oferece a corona que tanto buscava. O menino embarca dizendo que “não achava que ninguém fosse me dar uma carona..” e o motorista, de cabelos compridos e barba (visual hippie), diz que “você parece que teve um dia difícil”. Após algum tempo de desconfiança, ele se sente seguro para finalmente poder dormir em paz, sem dor ou medo, como diz o próprio narrador do filme. Arvin cochila pensando se um dia conseguiria sair impune dos crimes que cometeu, mas tinha esperanças de conhecer uma menina, começar sua própria família e até mesmo se alistar no exército, em algum momento no futuro.

Linha do tempo

Antes vamos fazer uma breve linha do tempo. A trama de ‘O Diabo de Cada Dia’ é ambientada entre a Segunda Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã. A história começa por volta de 1947/1948, ante dos pais de Arvin se conhecerem em um bar da pequena cidade de Knockemstiff. Logo em seguida, avança para 1957, quando Arvin tina apenas 9 anos de idade. Nesse mesmo ano, sua mãe falece de câncer e seu pai, sem aguentar a dor da perda, comete suicídio. Arvin então é adotado pela senhora Emma Russel, sua tia, e que também cria sua irmã adotiva, a jovem Lenora.

Nesse ponto, a trama pula para 1965, quando Arvin completa 18 anos (não fica claro se ele está fazendo 17 ou 18, mas é provável que seja 18). Muita coisa acontece nesse ano, quando se passa boa parte da história de Arvin. Então vamos para o desfecho!

Quem seria esse misterioso homem que oferece carona?

Em paralelo a vida de Arvin, muita coisa está sendo construída nos Estados Unidos por volta da década de 1960, entre elas, os crimes da Família Manson, liderados pelo famoso Charles Manson. Então sim, é possível que o homem que decidiu dar carona para Arvin no desfecho seja alguém ligado ao rancho dos seguidores do assassino – ou até mesmo SEJA O PRÓPRIO Manson naquele carro.

O que leva à crer isso? Bom, o ano bate com a história, já que os assassinatos mais famosos, comandados por Manson, aconteceram em 1969, quando um pequeno grupo de seguidores invadiu uma casa alugada por Roman Polanski e assassinou sua esposa Sharon Tate — que estava grávida. Ou seja, por volta de 1965 ele estava começando a formar sua seita e reunir seguidores. Além disso, no rádio do carro, quando Arvin embarca, está falando sobre uma possível “guerra”, referente à guerra entre EUA e Vietnã, porém, sabemos que Manson reunia seguidores para uma tal “guerra racial apocalíptica”, que ele chamava de “Helter Skelter”.

No entanto, a principal referencia usada é a cidade que o misterioso homem (que até parece fisicamente com Manson) diz estar indo: Cincinnati. Como também sabemos, Charles Manson nasceu em Cincinnati, em 12 de novembro de 1934. Ou seja, claramente o roteiro brincando com a cabeça do espectador e induz ao fato de que Arvin está indo para fazer parte da famosa Família Manson.

Mas falando sério, apesar de não deixar tão claro assim, obviamente são referencias perceptíveis e que batem de acordo com os anos. Em 1965, Manson tinha 31 anos, idade parecida com a do homem que oferece carona para Arvin. Apesar desse desfecho bizarro não fazer parte do livro best-seller de mesmo nome, do autor Donald Ray Pollock, lançado em 2011, que serviu de base para ‘O Diabo de Cada Dia’, há possibilidade do diretor Antonio Campos ter decidido colocar esses easter eggs da vida real para dar um desfecho mais trágico, já que, caso Arvin realmente esteja indo para esse caminho, ele jamais vai encontrar a paz que deseja e sua violência interna vai se aflorar ainda mais. Além disso, é bom lembrar que nenhum personagem do filme sai impune e com Arvin não poderia ser diferente.

Bem, vale lembrar que isso é pura interpretação nossa e que o diretor ainda não comentou sobre esse possível final. ‘O Diabo de Cada Dia’ já está disponível na Netflix.

Share This