Talvez você já tentou assistir Dark e desistiu por não entender nada, ou assistiu tudo e ainda continua sem entender. Não vou negar, de fato é uma série com várias camadas e que exige um pouco mais de atenção e algumas várias anotações para assistir. 

Pensando em simplificar a vida de quem assiste ou quer assistir preparei esse guia com alguns pontos para te ajudar a entender melhor a série. 

Confira no vídeo abaixo ou no texto a seguir:

Confira também nosso especial da série, incluindo a crítica completa e sem spoilers da 3ª temporada:

Confira a nossa crítica da última temporada de Dark!

7 teorias que você precisa conhecer sobre a 3ª temporada

10 detalhes para prestar atenção antes de assistir a 3ª temporada

Conhece tudo de DARK? Teste o seu conhecimento para a 3° temporada

1° Estereótipos do elenco

A série se passa em diversos intervalos de tempo e alguns personagens são interpretados por atores diferentes. Para isso a equipe da série fez um trabalho minucioso e muito bem feito com a escolha do casting para que haja uma semelhança entre os atores no decorrer das gerações. Além da aparência, a série usa alguns detalhes-chave para isso, como o Jonas que tem a marca do enforcamento no pescoço e a Inês que tem um sinal abaixo do nariz.

2° As Famílias

A árvore genealógica de Dark é bem confusa eu sei, mas como toda cidade pequena Widden tem poucas famílias. Tente passar em Widden como uma cidade do interior onde todo mundo se conhece e você só é reconhecido pelo parentesco com outra pessoa. Pelo menos aqui no Nordeste é assim, se eu chegar na cidade que minha mãe nasceu eu me apresento pelo nome e sou filho de Lurdinha. 

Pronto, Dark gira em torno de basicamente quatro famílias principais: a família Kahnwald que é a família de Jonas; a família Nielsen, que é a família de Ulrich, Mikkel, Martha, Magnus e Katharina; a família Tiedemann, que é menor em tamanho, mas tem uma grande importância na trama por causa principalmente de Claudia; e a família Doppler que é a família de Charlotte, seu esposo e duas filhas. 

3° Linha do Tempo

Esse ponto eu já falei no vídeo passado sobre os detalhes para a terceira temporada e vou repetir aqui. Dark não tem múltiplas linhas temporais. A série se passa totalmente em apenas uma linha do tempo, onde o passado, presente e futuro acontecem simultaneamente. É complicado entender esse conceito, mas basta imaginar que vivemos no mesmo dia de ontem e no mesmo dia de amanhã, já que o tempo é apenas um conceito criado. Com isso, a história está sendo contada de diferentes pontos, mas todas em uma mesma linha. Por conta disso, algo que você faz no passado não altera o futuro (o chamado efeito borboleta), já que tudo está acontecendo no mesmo momento.

Um detalhe é entender que a série explora os anos de 33 em 33 anos, pois é dessa forma que a fenda temporal funciona na cidade. Vemos sempre gerações diferentes das mesmas famílias. E é bom também que a série não coloca simplesmente todos os anos de uma vez, vão aparecendo aos poucos pra a gente não embaralhar de uma vez, e ai dá pra perceber a diferença na roupa, na música, até mesmo na cor da fotografia.

4° Paradoxo de Bootstrap

Um conceito mais carregado, mas que pode ajudar a entender melhor Dark é o Paradoxo de Bootstrap ou Paradoxo ontológico, que é muito utilizado em tramas de ficção científica com viagens no tempo. O paradoxo de bootstrap diz que após um objeto — ou informações — ser enviado de volta no tempo, ele, recebido no presente, torna-se o próprio objeto ou informação que será inicialmente levado de volta no tempo.  É quase como um loop de acontecimentos que só foram possíveis porque algo do futuro interveio; o acontecimento acaba se tornando o causador dele mesmo. Em Dark, o paradoxo é citado em uma conversa entre H.G. Tannhaus e Claudia Tiedemann em 1986, na segunda temporada e também é usado para explicar como Charlotte Doppler é mãe e filha de Elisabeth ao mesmo tempo. 

5° O SIC Mundus

É importante entender que a Sic Mundus se trata de uma sociedade secreta formada por viajantes do tempo, que já está estabelecida na cidade de Winden em 1921, porém, sua origem é de muito antes disso. Liderada por Adam, o nome é uma referência a uma citação da clássica Tábua de Esmeralda, “Sic mundus creatus est – Assim foi criado o mundo”. Já a sede da Sic Mundus está localizada em uma sala grandiosa, no subterrâneo da igreja da cidade. Outro detalhe importante: Jonas (adulto/Stranger) e Claudia são opostos à essa organização e querem acabar com ela, quanto Adam e outros membros, incluindo Noah e Agnes, querem utilizar essa organização para mudar o curso da história. Seu objetivo é criar um mundo novo, onde não haja o conceito do tempo e nem da morte. Os membros da Sic Mundus precisam garantir que tudo aconteça como deveria e impedir que alguém tente mudar o curso do tempo, inclusive, permitindo que o apocalipse aconteça pois ele faz parte do ciclo.

6° O número 3 

Dark é uma série que está recheada de simbologias e referências bíblicas/mitológicas, as quais se unem à conceitos científicos para criar as ideias que servirão como guias para o espectador e que serão essenciais para a construção desse universo. E a ideia de “triplicidade”, simbolizada pela triquetra, a qual vem sendo abordada desde a primeira temporada permeia a série. São três períodos diferentes (1953, 1986 e 2019). Passado, presente e futuro. Um ciclo que leva 33 anos para se encerrar (e então começar novamente) e a terceira temporada tem outras coisas que eu não vou contar pra não dar spoiler. Mas, a concepção que os personagens possuem sobre o número três vem sendo muito importante para a trama, e com certeza será fundamental para o desfecho. 

Share This