Um universo compartilhado de super-heróis como o Universo Cinematográfico da Marvel “não deveria ser o status quo”, diz Patty Jenkins, diretora de Mulher-Maravilha, que retorna ao Universo Estendido da DC com Mulher-Maravilha 1984. A sequência se passa quase 60 anos depois da Primeira Guerra Mundial e o filme da Mulher-Maravilha tem um tom único – que como pode se ver no material de marketing technicolor refletindo na configuração dos anos 80 do filme. Já os outros filmes da DC, Liga da Justiça, Aves de Rapina e O Esquadrão Suicida, tem tons individualmente diferentes.

“Eu amo isso”, diz Jenkins na última edição da revista Total Film (via GamesRadar). “Para mim, isso é o que os filmes de super-heróis – ponto final – sempre foram. Acho que a exceção é que a Marvel teve tanto sucesso em criar um universo compartilhado. Mas esse certamente não deveria ser o status quo”.

Como muitas décadas de histórias em quadrinhos que inspiraram os universos cinematográfico da Marvel e da DC, Jenkins acrescentou: “Existe uma enorme variedade de histórias em quadrinhos, e sua aparência, tom e mundo são radicalmente diferentes. E nem sempre inevitavelmente se unem. Às vezes, sim, e isso é realmente divertido, e é isso mesmo. Mas muitas vezes, eles têm sua própria carreira.”

Jenkins continuou: “Estou empolgado que a DC – e, francamente, a Marvel esteja fazendo isso um pouco mais agora, também, com um pouco do tom de Thor: Ragnarok e Viúva Negra e Doutor Estranho – eles se sentem muito diferentes no tom. Mas eu amo isso na DC, e sempre achei que isso é maravilhoso na DC – todos eram tão diferentes. “

Avançando para a década de 1980, a próxima aventura da Mulher-Maravilha nos cinemas a coloca frente a dois novos inimigos: Max Lord e Mulher-Leopardo.

Com a diretora Patty Jenkins de volta ao comando e Gal Gadot no papel-título, Mulher-Maravilha 1984, da Warner Bros. Pictures, é a sequência da estreia da super-heroína da DC como protagonista nas telas de cinema com o filme “Mulher-Maravilha”, que em 2017 quebrou recordes e arrecadou US﹩ 822 milhões nas bilheterias mundiais. O filme também tem em seu elenco Chris Pine como Steve Trevor, Kristen Wiig como Mulher-Leopardo, Pedro Pascal como Max Lord, Robin Wright como Antíope e Connie Nielsen como Hipólita.

Charles Roven, Deborah Snyder, Zack Snyder, Patty Jenkins, Gal Gadot e Stephen Jones produzem o filme. Rebecca Steel Roven Oakley, Richard Suckle, Marianne Jenkins, Geoff Johns, Walter Hamada, Chantal Nong Vo e Wesley Coller são os produtores-executivos.

Patty Jenkins dirigiu a partir de um roteiro que ela escreveu com Geoff Johns & David Callaham, uma história de Jenkins & Johns, baseada nos personagens da DC. Juntando-se à diretora nos bastidores estão vários membros de sua equipe de “Mulher-Maravilha”, incluindo o diretor de fotografia Matthew Jensen, a designer de produção indicada ao Oscar Aline Bonetto (“O Fabuloso Destino de Amélie Poulin”), e a figurinista ganhadora do Oscar Lindy Hemming (“Topsy-Turvy: O Espetáculo”). O editor indicado ao Oscar Richard Pearson (“Voo United 93”) está editando o filme. A música é do compositor ganhador do Oscar Hans Zimmer (“Dunkirk”, “O Rei Leão”).

Mulher-Maravilha 1984 chega aos cinemas do Brasil no dia 13 de agosto.

Share This