A Máfia dos Tigres estreou a pouco tempo e já se tornou um dos maiores programas originais da Netflix.

O documentário alcançou uma audiência de TV nos EUA de 34,3 milhões de espectadores únicos nos primeiros 10 dias de seu lançamento (20 a 29 de março), de acordo com estimativas da Nielsen. O documentário bateu a segunda temporada do sucesso da Netflix, “Stranger Things“, que teve 31,2 milhões de espectadores únicos em seus primeiros 10 dias, e chegou próximo da 3° temporada, que atraiu 36,3 milhões no período comparável de 10 dias.

Em uma base média por minuto, “A Máfia dos Tigres” atraiu uma audiência de 19,0 milhões entre os telespectadores dos EUA de 20 a 29 de março, informou a Nielsen. Isso também foi maior do que “Stranger Things 2” (17,5 milhões) e quase coincidiu com “Stranger Things 3” (20,5 milhões).

“A Máfia dos Tigres” se tornou um fenômeno inegável , em uma série limitada de sete episódios que tece uma história bizarra de conflito e crime ambientada no mundo de criadores de felinos e zoológicos particulares. Ele ganhou popularidade quando a pandemia do COVID-19 varreu os EUA, com os espectadores presumivelmente ansiosos para mergulhar no entretenimento escapista que tem a intriga adicional de ser uma história verdadeira.

Quando “A Máfia dos Tigres” estreou em 20 de março, teve um início pouco favorável: no primeiro dia, alcançou uma audiência média de 280.000 espectadores nos EUA e alcançou 741.000 espectadores únicos, de acordo com a Nielsen. Em comparação, em seus respectivos dias de lançamento, a segunda temporada de “Mindhunter”, teve uma audiência média de 395.000 minutos e a primeira temporada de “Altered Carbon”, 335.000.

Mas o burburinho cresceu rapidamente para o programa, com o público médio diário de “A Máfia dos Tigres” saltando para mais de 1 milhão no terceiro dia; 2 milhões no dia sete; e 4 milhões no dia nove. De 20 a 29 de março, foi o primeiro programa de TV mais tuitado durante esse período, com 1,8 milhão de interações orgânicas (não pagas) no Twitter.

De acordo com o ranking da Netflix, “A Máfia dos Tigres” conquistou a coroa como o título mais popular número 1 nos EUA nas últimas duas semanas. Observe, no entanto, que as dez principais classificações da Netflix são baseadas em quantas contas de membros assistiram a um determinado programa ou filme por pelo menos 2 minutos nas últimas 24 horas – uma métrica interna que a empresa alega ser um reflexo melhor da popularidade do que o tempo médio visualização gasta (que é o que os medidores métricos de audiência média por minuto da Nielsen). A Netflix não emitiu números de visualização para “A Máfia dos Tigres” até o momento, como fez seletivamente para originais anteriores.

O mundo real dos proprietários de grandes felinos é mais estranho que a ficção. E, entre os excêntricos e egomaníacos do grupo, poucos se destacam mais que Joe Exotic, um cantor de música country, adepto da poligamia, entusiasta das armas de fogo e administrador de um zoológico de beira de estrada em Oklahoma. Tão carismático quanto equivocado, Joe se mistura a figuras inacreditáveis, como chefões das drogas, golpistas e líderes de cultos. Em comum, todos têm a paixão pelos grandes felinos e o status e a atenção que vêm com a posse das perigosas criaturas. Mas a trajetória do grupo dá uma guinada sombria quando Carole Baskin, uma ativista dos direitos dos animais e dona de um santuário de grandes felinos, vai atrás deles. A rivalidade cresce a ponto de levar Joe à cadeia, acusado de ter planejado um assassinato. Conforme a trama se desenrola, fica evidente: a única coisa mais perigosa que o grande felino é seu dono.

De acordo com o proprietário do zoológico Jeff Lowe, que aparece na documentação, a Netflix está lançando um episódio extra de “Tiger King”, mas a empresa não confirmou isso.

A série é dirigida por Eric Goode e Rebecca Chaiklin, que atuam como produtores executivos ao lado de Chris Smith e Fisher Stevens.

As classificações de audiência da Nielsen, que rastreiam a visualização do Netflix e do Amazon Prime Video, fornecem uma medida de visualização de terceiros em serviços de streaming. Mas eles não são uma imagem completa: os números da Nielsen são estimativas extrapoladas que medem apenas a programação assistida em TVs conectadas (excluindo dispositivos móveis e PCs) e apenas entre os telespectadores dos EUA.

Fonte: Variety

Share This