O Coringa recuperou seu lugar no topo das bilheterias neste fim de semana depois de perdê-lo momentaneamente para a sequência de Malévola. Agora, algumas controvérsias começaram a esquentar no mundo real em torno de manifestantes usando a pintura facial do filme em suas próprias manifestações. No Líbano, a revolta política levou alguns a sairem às ruas marchando em busca de mudanças. Havia fotos de manifestantes usando os mesmos padrões de palhaços em seus rostos nessas manifestações. À medida que as tensões aumentavam em outras partes do mundo, outros adotaram a máscara do personagem como um símbolo em suas lutas por várias causas. Novas imagens estão surgindo em Hong Kong, enquanto as pessoas protestam contra o governo da China e no Chile, enquanto seus cidadãos falam sobre seus líderes estabelecidos.

O France24 relatou essas situações no fim de semana e observou a presença crescente de ditados e acenos físicos para o Coringa nesses movimentos. William Blanc, um autor e historiador, conversou com a publicação sobre esses desenvolvimentos em torno do Coringa. Ele começou: “O filme de Todd Phillips sobre o Coringa tem um poder evocativo real. Ecoa uma forma de protesto contra um sistema político que as pessoas acreditam ser inflexível e não escutar as pessoas”.

Especula-se que a China não tenha exibido o filme devido às atuais tensões políticas em jogo. No entanto, a causa é que muitos olham o filme como um tipo de arte que canaliza algo que está abaixo da superfície em várias culturas ao redor do mundo. No Estados Unidos, muitos elogiam o filme pela maneira como coloca algumas facetas do tratamento de doenças mentais no país. Enquanto o Coringa continua a arrecadar os dólares nas bilheterias, a conversa só fica mais alta.

Muitos especularam que haveria mais violência na América em torno do lançamento de Coringa, mas isso não se materializou. O discurso em torno do filme foi espinhoso, mas não houve nada no caminho de tiroteios ou ataques de qualquer tipo.

Confira algumas imagens:

Sobre o Filme

Coringa é centrado no icônico arqui-inimigo e traz uma história original e independente nunca antes vista nos cinemas. A visão de Phillips sobre Arthur Fleck (Phoenix), um homem desprezado pela sociedade, não é apenas um corajoso estudo de personagem, mas também um conto de advertência mais amplo.

O filme também é estrelado por Zazie Beetz (“Deadpool 2”), Frances Conroy (série de TV “American Horror Story”, série da Hulu “Castle Rock”), Marc Maron (séries de TV “Maron” e “GLOW”), Bill Camp (“Operação Red Sparrow”, “A Grande Jogada”), Glenn Fleshler (séries de TV “Billions” e “Barry”), Shea Whigham (“O Primeiro Homem”, “Kong: A Ilha da Caveira”), Brett Cullen (“42 – A História De Uma Lenda”, série da Netflix “Narcos”), Douglas Hodge (“Operação Red Sparrow”, série de TV “Penny Dreadful”) e Josh Pais (do inédito “Motherless Brooklyn”, “Despedida em Grande Estilo”).

Phillips (da trilogia “Se Beber, Não Case!”) dirige o filme a partir de um roteiro que ele coescreveu com Scott Silver (“O Vencedor”), baseado nos personagens da DC. O filme é produzido por Phillips e Bradley Cooper, através de sua produtora, Joint Effort, e Emma Tillinger Koskoff. Os produtores executivos são Walter Hamada, Michael E. Uslan, Aaron L. Gilbert, Joseph Garner, Richard Baratta e Bruce Berman.

Nos bastidores, somam-se a Phillips o diretor de fotografia Lawrence Sher (do inédito “Godzilla II: Rei dos Monstros”, trilogia “Se Beber, Não Case!”), o desenhista de produção Mark Friedberg (“Selma – Uma Luta pela Igualdade”, “O Espetacular Homem-Aranha 2 – A Ameaça de Electro”), o editor Jeff Groth (“Cães De Guerra”, “Se Beber, Não Case! Parte III”) e o figurinista vencedor do Oscar Mark Bridges (“Trama Fantasma”, “O Artista”).

Uma apresentação da Warner Bros. Pictures em associação com a Village Roadshow Pictures e a BRON Creative, uma produção da Joint Effort, um filme de Todd Phillips, Coringa está em cartaz nos cinemas brasileiro.

Fonte: ComicBook

Spread the love

Comments

comments

Share This