loader image

Estudo prova que a Netflix não está matando os cinemas

[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text]

A Netflix não está matando os cinemas. Pelo menos, esse é o resultado de um novo estudo conduzido pelo grupo de Economia Quantitativa e Estatística da EY, que conclui que as pessoas que assistem a filmes nos cinemas com mais frequência também consomem mais conteúdo de streaming. Isso vai contra a “sabedoria convencional” dos sábios de bilheteria, que atribuem a presença teatral à crescente popularidade das empresas de entretenimento digital.

Se as descobertas do estudo forem precisas, pareceria que as duas formas de consumo de entretenimento são mais complementares que canibais. O estudo descobriu, por exemplo, que os entrevistados que visitaram uma sala de cinema nove vezes ou mais nos últimos 12 meses consumiram mais conteúdo de streaming do que os consumidores que visitaram uma sala de cinema apenas uma ou duas vezes no último ano. Aqueles que assistiram a nove ou mais filmes no cinema tiveram em média 11 horas de streaming semanal, em comparação com as sete horas de streaming relatadas em média por aqueles que viram de um a dois filmes nos cinemas.

Para obter seus resultados, os pesquisadores entrevistaram 2.500 entrevistados em novembro – 80% dos quais viram pelo menos um filme nos cinemas no ano passado. O estudo foi encomendado pela Associação Nacional dos Proprietários de Cinema (OTAN), um grupo de lobby da indústria de exposições, que criticou publicamente a decisão da Netflix de abrir mão de lançamentos nos cinemas tradicionais para filmes como “Roma” ou “Legítimo Rei”. O serviço de streaming permitiu que alguns de seus filmes tivessem pequenas execuções exclusivas em cinemas, mas em grande parte aderiu a uma política de estreia de filmes nos cinemas ao mesmo tempo em que eles estreavam na Netflix.

“A mensagem aqui é que não há uma guerra entre streaming e cinemas“, disse Phil Contrino, diretor de mídia e pesquisa da OTAN. “As pessoas que amam o conteúdo estão assistindo em todas as plataformas e todas as plataformas têm lugar na mente dos consumidores.”

Na verdade, as pessoas que pulavam as salas de cinema também tendiam a evitar assistir grandes quantidades de programas e filmes em serviços de streaming. Quase metade das pessoas que disseram que não visitaram um cinema nos últimos 12 meses também não transmitiram nenhum conteúdo on-line. Apenas 18% das pessoas que evitam os cinemas transmitiram conteúdo on-line por oito ou mais horas por semana.

Nem o streaming parece estar inspirando algum tipo de êxodo de adolescentes. Os entrevistados entre as idades de 13 a 17 anos foram para uma média de 7,3 filmes e consumiram 9,2 horas de conteúdo streaming, o maior de qualquer faixa etária. Houve alguma suavidade em consumidores entre as idades de 18 a 37, no entanto. A média dos entrevistados nesse grupo foi de seis visitas aos cinemas no ano passado, a menor entre todas as faixas etárias. Ao mesmo tempo, eles assistiram 8,6 horas de streaming de conteúdo por semana, o terceiro mais demográfico.

O relatório bateu com a bilheteria norte-americana está se aproximando de níveis recorde, alimentado por sucessos como “Vingadores: Guerra Infinita”, “Venom” e “Os Incríveis 2.

Naturalmente, os americanos têm uma quantidade limitada de renda disponível. Se eles estão gastando por uma assinatura mensal do Netflix, Amazon Prime ou Hulu, é razoável que eles precisem economizar em outro lugar. Há dados para sugerir que, de certa forma, eles estão cortando custos com a TV a cabo. O número de consumidores que já cancelou o serviço de TV a cabo ou outros serviços de TV paga em 2018 deverá subir 32,8%, para 33 milhões de adultos, de acordo com estimativas recentes da firma de pesquisa eMarketer. Contrino disse que acha que é onde a influência do streaming é mais clara. Ele argumenta que isso está perturbando o equilíbrio no espaço de entretenimento doméstico, não no campo dos cinemas.

“É desviar telespectadores da transmissão de televisão e cabo”, disse ele. “É aí que está sendo perturbador.”

Fonte: Variety

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Spread the love

Comments

comments

Share This