Torquato Neto – Todas as Horas do Fim | Artista ganha cinebiografia inédita em Março

[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text]

Pela primeira vez, a vida e obra do poeta piauiense Torquato Neto ganha as telas dos cinemas no documentário “TORQUATO NETO – TODAS AS HORAS DO FIM“, dirigido por Eduardo Ades e Marcus Fernando, que estreia dia 8 de março, pelo projeto Sessão Vitrine Petrobras. Um dos pensadores e letristas mais ativos da Tropicália, Torquato Neto atuou em diversas frentes, deixando sua marca inventiva na poesia, na música, no cinema, no jornalismo e na produção cultural.

A ideia do filme é jogar uma luz sobre a vida e a obra desse personagem tão importante – e ao mesmo tempo ainda tão obscuro – da cultura brasileira”, diz um dos diretores, Marcus Fernando. “Torquato Neto é um personagem imenso e se revelou um desafio gigantesco para a montagem do filme. A gente percebeu que só daria conta de trazer a verdade dele se o colocasse em primeiro plano mesmo, como protagonista do filme. E assim evitando que o filme se tornasse frio e o Torquato, apenas um assunto. Pra isso, selecionamos dezenas de textos e músicas dele – era preciso que ele falasse em todas as sequências, sobre todos os assuntos que abordamos”, completa o também diretor Eduardo Ades.

Confira o trailer:

 

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″ text_orientation=”center”]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

Torquato começou na música na década de 60, compondo em parceria com Edu Lobo, Caetano Veloso e Gilberto Gil. Na mesma época, aderiu ao movimento Tropicália, sendo responsável por algumas das mais importantes músicas do período: “Geléia Geral“ e “Marginália II“ (ambas em parceria com Gilberto Gil) e “Mamãe, Coragem“ (em parceria com Caetano Veloso). Com o fim do movimento, foi passar uma temporada na Europa. De volta para o Brasil no início dos anos 70, atua como o personagem-título de “Nosferato no Brasil“, de Ivan Cardoso.  Em seguida, roda em Teresina seu primeiro filme, “O Terror da Vermelha“. Na madrugada do dia 10 de novembro de 1972, após seu aniversário de 28 anos, suicida-se em seu apartamento, no Rio de Janeiro.

Ao todo, 26 textos da autoria de Torquato Neto foram selecionados para contar a sua história. Poemas, colunas de jornal, cartas para amigos e parentes, e trechos de diários são interpretados pelo ator Jesuíta Barbosa, que dá voz ao poeta. Além dos textos, o doc conta ainda com uma entrevista em áudio do poeta, depoimentos de amigos e parceiros, como Gilberto Gil, Caetano Veloso e Tom Zé, e 19 músicas de Torquato interpretadas por nomes como Elis Regina, Edu Lobo, Gil e Caetano, incluindo seus maiores sucessos, “Pra dizer adeus”, “Geleia Geral”, “Mamãe, coragem” e “Let’s play that”.

Para construir o visual do filme e reconstruir o contexto da época, a produção utiliza mais de 200 fotos, maior parte delas do Arquivo Torquato Neto, e trechos de 40 filmes, maioria deles do Cinema Novo e do Cinema Marginal. Cidades por onde Torquato passou, como Teresina, Rio, São Paulo, Paris e Londres, também foram registradas em Super-8mm.

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″ text_orientation=”center”]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

TORQUATO NETO – TODAS AS HORAS DO FIM é o primeiro longa do produtor e pesquisador musical Marcus Fernando e o segundo filme do diretor Eduardo Ades, que lançou em 2017 o documentário “Crônica da demolição”, após ter dirigido e roteirizado o premiado curta “A Dama do Estácio”, estrelado por Fernanda Montenegro. O filme é uma produção da Imagem-Tempo, distribuído pelo Projeto Sessão Vitrine Petrobras, com patrocínio da Riofilme e da Secretaria de Cultura do Estado do Piauí, e coprodução do Canal Brasil.

O filme teve lançamento no Festival do Rio, em outubro passado, já passou por 15 festivais e mostras, em oito estados com uma recepção calorosa e recebeu nove prêmios. “Estamos descobrindo que Torquato tem uma pequena legião de fãs ardorosos por todo o país, gente que conhece tudo que ele fez e vai atrás de ver o filme. E também um público muito grande que quer saber mais sobre quem foi essa misteriosa figura, que participou de tantos movimentos importantes e acabou se matando”, diz Eduardo Ades.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Spread the love
Share This