O Sequestro do Voo 601 | Como os sequestradores Toro e Borja escaparam? Como eles estão atualmente?

Publicidade

Francisco “Toro” Solano e Eusebio Borja escapam misteriosamente após sequestrar o voo 601 da Aerobolivar na série de drama policial da Netflix ‘O Sequestro do Voo 601‘. A aeronave sequestrada, que sai de Bogotá, na Colômbia, acaba indo parar em Buenos Aires, na Argentina. As autoridades resgatam os tripulantes do avião, mas não conseguem encontrar os dois sequestradores.

Na verdade, Francisco Solano López e Óscar Eusebio Borja escaparam ao fechar um acordo com os pilotos e comissários da aeronave. Depois de desaparecer do avião, Francisco acabou por ser capturado pelas autoridades do seu país natal. O destino de Eusébio, porém, é diferente do que aconteceu com seu companheiro de sequestro.

A fuga de Francisco e Eusébio em O Sequestro do Voo 601

Francisco Solano López e Óscar Eusebio Borja decidiram escapar da aeronave HK-1274 da Sociedad Aeronáutica de Medellín, a contraparte real do voo 601 da Aerobolivar, cerca de sessenta horas após o sequestro da mesma. Até então, os únicos indivíduos dentro do plano eram os tripulantes. Francisco e Eusébio planejaram inicialmente fazer reféns Edilma Pérez e María Eugenia Gallo, as duas comissárias que permaneceram no voo. Eusébio e Francisco queriam se separar e sair do avião após pousarem em Resistência, na Argentina, e Assunção, no Paraguai, respectivamente com as aeromoças para ganhar tempo para escapar das autoridades.

Quando Pedro Ramírez, copiloto do avião, soube do plano, ofereceu-se para se juntar aos sequestradores em vez de Edilma. A situação foi resolvida com um “acordo de cavalheiros”. Os pilotos e comissários prometeram a Eusébio e Francisco que não revelariam às autoridades os detalhes da sua fuga para lhes dar tempo suficiente para desaparecerem dos dois aeroportos. Os sequestradores concordaram e o voo seguiu primeiro para Resistência. “Em Resistência pousaram na pista, mas não pararam o avião. O avião deu uma volta e quando atingiu um ponto cego, o sequestrador-chefe [Eusébio] saltou com metade do dinheiro”, disse Massimo Di Ricco, que escreveu o texto original do programa ‘Los Condenados del Aire’, ao aparecer no Podcast ‘Rádio Ambulante‘ da NPR.

Após a fuga de Eusébio, Francisco deixou o avião em Assunção. “Fizeram o mesmo no aeroporto de Assunção. Ao pousarem, o capitão [Hugo] Molina pediu que as luzes da pista fossem apagadas. O avião deu meia-volta e o segundo pirata saltou”, acrescentou Massimo.

A vida de Francisco e Eusébio após o sequestro

Francisco e Eusébio permaneceram anônimos por um tempo, mas o sotaque paraguaio abriu uma janela para suas identidades. A sua decisão de deixar o avião no Paraguai e numa região argentina perto da fronteira paraguaia convenceu ainda mais os que procuravam a verdade de que eram paraguaios. Pereira, cidade colombiana onde começou o sequestro, contava na época com uma comunidade paraguaia de jogadores de futebol. Acredita-se que um dos integrantes do mesmo grupo tenha alertado as autoridades quando começaram a se espalhar boatos sobre as identidades paraguaias dos sequestradores. Por fim, Francisco foi preso em Assunção, onde vivia numa casa alugada, não muito longe da sua família.

No momento de sua prisão, Francisco havia gasto cinco mil dólares que arrecadou da Sociedad Aeronáutica de Medellín. As autoridades apreenderam o dinheiro restante. “Eu estava cansado de passar fome e infeliz, então decidi sequestrar o avião”, disse ele após sua prisão, segundo Massimo. Ele também revelou que não fazia parte de nenhum partido político, como afirmava. Francisco foi inicialmente preso numa prisão em Assunção, onde “encenou” um “motim” que durou 24 horas. Independentemente de suas ações, ele não conseguiu evitar sua extradição para a Colômbia. Ele esteve na prisão de Medellín por cinco anos. Francisco queria escrever um livro detalhando como ele e Eusébio orquestraram o sequestro, mas tal relato nunca foi publicado.

A pesquisa de Massimo sobre o sequestro o levou a várias pessoas que conheciam Francisco, que ouviram o boato de que o sequestrador foi baleado em Buenos Aires, Argentina, durante um assalto a banco. “É muito difícil acompanhar Solano López desde o momento em que foi preso. Na verdade, não encontramos nenhum registro no sistema prisional colombiano [sobre] quando ele foi libertado. E nos jornais deixou de ser notícia. Em Pereira corre o boato de que ele morreu anos depois, durante um assalto a banco em Buenos Aires”, acrescentou o autor no mesmo podcast da NPR.

De acordo com o último detalhe conhecido sobre Eusébio, o sequestrador estava em San Andrés, uma ilha de coral no Mar do Caribe que faz parte da Colômbia. Massimo soube da informação por meio de Gonzalo Valencia, jornalista esportivo que conheceu os dois jogadores de futebol antes de se tornarem sequestradores. Valencia soube que cinco anos após o sequestro, Eusébio contatou membros da comunidade paraguaia em Pereira enquanto estava “de férias” na ilha colombiana. Desde então, ele permanece desaparecido. Massimo, junto com os criadores do programa Pablo Gonzalez e CS Prince, acredita que ainda pode estar vivo.

LEIA TAMBÉM:


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: