Homícidio | Como está Joseph Pabon, o assassino de Eridania Rodriguez, atualmente?

Publicidadespot_img

Uma dedicada faxineira e mãe, Eridania Rodriguez, trabalhava em um arranha-céu em Manhattan, mas quando não conseguiu voltar para casa em uma das noites de julho de 2009, sua família e outros entes queridos ficaram alarmados. Quando as autoridades iniciaram uma busca por ela, descobriram que ela nunca saiu do prédio onde trabalhava, limitando a área de busca, mas não foi nada fácil. Incluindo entrevistas com pessoas próximas de Eridania Rodriguez e os investigadores envolvidos no caso, o episódio intitulado ‘Desaparecimento em Wall Street’ de ‘Homícidio: Nova York‘ da Netflix investiga profundamente o assassinato da mulher de 46 anos, cobrindo vários detalhes intrincados.

Eridania Rodriguez foi encontrada amarrada em um respiradouro de ar condicionado em seu local de trabalho

Embora tenha nascido em San Francisco de Macoris, na República Dominicana, Eridania Rodriguez mudou-se para Nova York no início dos anos 1980 e foi criada lá sob o amor e o cuidado de seus pais e irmãos, incluindo a irmã Denise Figueroa e dois irmãos, Cesar Martinez e Victor Martinez., que foi um fisiculturista premiado com o prêmio Arnold Classic, competição anual promovida por Arnold Schwarzenegger. Na época de seu falecimento, ela era casada com Jeronimo Figueroa e mãe de duas filhas e um filho, incluindo Yaniris Figueroa. Descrita como uma pessoa gentil e pacífica, Eridania Rodriguez era uma mãe dedicada e se preocupava muito com a família e o lar.

Tendo trabalhado em um arranha-céu na 2 Rector Street, próximo ao World Trade Center, por cerca de um ano como faxineira, ela admitiu aos seus próximos que se sentia bastante insegura trabalhando à noite no prédio, tanto que ela começou a perder peso e pensar em desistir. No dia 7 de julho de 2009, Eridania Rodriguez entrou no prédio por volta das 17h para iniciar seu turno noturno. Poucas horas depois, por volta das 22h30, uma de suas colegas de trabalho informou à filha de Eridania Rodriguez que sua mãe não havia sido vista por ninguém no prédio e estava se perguntando se ela teria ido para casa antes do término do turno. Quando ela não foi encontrada em lugar nenhum, sua família correu ao local de trabalho para procurá-la. Lá, descobriram que ela havia entrado no prédio, mas não havia saído.

Assim, a polícia foi informada da misteriosa situação e chamada em socorro. Enquanto a polícia vasculhava diferentes andares do prédio, encontraram seu carrinho de limpeza abandonado no oitavo andar. Ao passar pelas imagens de vigilância, ela foi vista entrando em um elevador por volta das 19h, após o qual não havia sinal dela nem mesmo na fita de segurança. Depois de revistar todos os cantos do edifício, as autoridades levaram a busca a um aterro sanitário da Pensilvânia, onde o lixo do edifício foi esvaziado, em busca de quaisquer pistas sobre Eridania, mas sem sucesso.

Após quatro longos dias de intensas buscas, o corpo sem vida de Eridania foi encontrado no 12º andar, em uma saída de ar condicionado. Sua boca, mãos e pés foram amarrados com fita adesiva, após o que o caso foi imediatamente considerado homicídio. Os laudos da autópsia mostraram que a causa da morte da mulher de 46 anos foi asfixia, principalmente devido ao rosto coberto com fita adesiva. Logo, os investigadores começaram a coletar evidências para chegar ao fundo do caso e descobrir a identidade do(s) perpetrador(es).

O motivo do assassinato de Eridania Rodriguez permanece um mistério

Enquanto as autoridades estudavam as imagens de segurança da noite do desaparecimento de Eridania Rodriguez, também se depararam com os movimentos incomuns de um trabalhador de manutenção chamado Joseph Pabon, que dirigia um elevador de carga no edifício. Na época em que Eridania desapareceu, ele não foi capturado em nenhuma câmera de segurança por cerca de 40 minutos. Essas evidências circunstanciais levaram a polícia a questioná-lo sobre seu paradeiro naquele dia fatídico. Enquanto o faz-tudo de 25 anos era interrogado, os investigadores notaram várias marcas de arranhões em seu corpo, incluindo no pescoço.

Por ser uma pessoa de interesse, Joseph foi mantido sob vigilância enquanto a polícia aguardava os resultados dos testes de DNA da pele encontrada sob as unhas de Eridania. Poucos dias depois, os testes de DNA revelaram ser compatíveis com o faz-tudo. Em 17 de julho de 2009, Joseph foi preso por volta das 19h30 perto de sua casa em Staten Island, enquanto estava com duas pessoas em um carro. Os relatórios sugerem que Joseph rastreou Eridania e a atacou enquanto ela trabalhava no 12º andar vazio do prédio de escritórios de 26 andares. Depois de deixá-la inconsciente, ele moveu seu corpo usando um elevador de carga e prendeu seus pés, mãos e boca antes de esconder seu corpo na ventilação.

Depois de encobrir seus rastros e esconder o corpo de Eridania, Joseph teria dito ao seu chefe que não estava se sentindo muito bem e foi autorizado a voltar para casa mais cedo. Anteriormente, ele era conhecido por ter problemas de raiva, que surgiram durante seu casamento com sua primeira esposa. Ele foi preso por seu comportamento violento contra ela e até fez ameaças violentas à sua atual esposa várias vezes.

Joseph Pabon está atualmente cumprindo sua sentença

Em agosto de 2009, Joseph Pabon se declarou inocente da acusação de assassinato de Eridania Rodriguez. Negando qualquer participação no assassinato, o ascensorista alegou que as provas contra ele eram apenas circunstanciais. Quanto ao DNA, pode ter sido resultado de seu trabalho rotineiro no prédio. A defesa argumentou que o motivo pelo qual Joseph voltou para casa mais cedo do que o normal naquele dia foi devido a um vírus estomacal, que impossibilitou que ele fizesse horas extras no prédio.

José Pabon

No final do julgamento, em abril de 2012, Joseph foi condenado pelo sequestro e assassinato da faxineira de 46 anos em julho de 2009, pois os jurados acreditavam que ele era culpado de todas as acusações contra ele. Alguns meses depois, em junho de 2012, ele foi condenado a 25 anos de prisão perpétua pelas mesmas acusações, com data de elegibilidade para liberdade condicional definida em 2034. Em dezembro de 2018, ele e sua defesa recorreram da sentença, mas foram negados pelo tribunal. Atualmente, Joseph Pabon está cumprindo sua pena atrás das grades no Centro Correcional Sing Sing, anteriormente conhecido como Centro Correcional Ossining, na 354 Hunter Street em Ossining.

Leia também: Homicídio | O que aconteceu com Jennifer Stahl? Quem foram seus assassinos?


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: