Paper Girls é baseada em um livro ou história em quadrinhos? Entenda

Publicidade

Paper Girls, da Amazon Prime, é uma série dramática de ficção científica que segue quatro meninas de 12 anos que se encontram no meio de uma guerra entre duas facções de viajantes do tempo. Arrancadas de sua linha do tempo original, elas são jogados para frente e para trás no passado e no futuro, levando a muitas descobertas e realizações enquanto fortalecem sua amizade e confiança uma na outra.

Criada por Stephany Folsom, a série não é apenas uma emocionante história de ficção científica, mas também realista na forma como retrata as meninas. Há cenas e conversas na série que a maioria dos programas sobre jovens adultos muitas vezes evita. Isso nos faz pensar de onde veio a inspiração para esta história e se é baseada em um livro. Aqui está o que você deve saber sobre isso.

Paper Girls é baseado em uma história em quadrinhos?

Sim, ‘Paper Girls‘ é baseado em uma série de quadrinhos de mesmo nome escrita por Brian K. Vaughan e ilustrada por Cliff Chiang. A ideia da história veio a Vaughan quando ele tinha doze anos, e as entregadoras de papel substituíram todos os jornaleiros de sua vizinhança. O conceito de crianças pequenas circulando às quatro da manhã era uma situação cativante para ele. “Eu pensei, ‘este é um grupo tão interessante de mulheres jovens. Elas fariam um grande coração de uma história. Então começou com essa inspiração e se expandiu a partir daí”, disse ele à Entertainment Weekly.

Clique aqui para comprar as histórias em quadrinhos de Paper Girls.

Quanto ao aspecto de viagem no tempo do programa, Vaughan estava obcecado com a ideia há muito tempo. Ele queria voltar à sua infância nos anos 80 e explorar a história desse ponto de vista, mas também queria retratar dois aspectos distintos da viagem no tempo. “Eu fiz um grupo de viajantes do tempo assim, sabendo que devemos manter o status quo a qualquer custo, e então nossas adolescentes futuristas são meio que desse lado progressista porque elas têm a capacidade de mudar as coisas que devemos”disse ele. Ele permitiu que o choque de diferentes ideologias tomasse o centro do palco, em vez de deixar uma coisa estar totalmente certa ou errada.

Vaughan continuou: “Não há bandidos na história. Os personagens são apenas de perspectivas diferentes.” Além disso, ele lançou a ideia dos “bons velhos tempos” e como isso afeta a compreensão das pessoas sobre o presente. “Há muito pouco que eu anseio dos anos 80, mesmo sendo de onde veio grande parte da energia criativa que herdei. Eu só queria fazer um livro que fosse cético em relação ao passado, presente e futuro.” Para explorar essa diferença, ele e Chiang deixaram suas personagens de 12 anos conhecerem suas colegas mais velhas, concentrando-se na diferença entre onde nos vemos no futuro e onde realmente acabamos.

Isso permitiu que a dupla criasse uma gama mais ampla de personagens, mesmo dentro dos repetidos em diferentes linhas do tempo. Eles fizeram um esforço consciente para dar às quatro garotas de papel identidades separadas e distintas, de modo que cada uma representasse um tipo de personalidade diferente. Para Chiang, Erin era especialmente importante por causa de sua descendência asiático-americana. “Ser capaz de contar uma história com um personagem asiático-americano que não é necessariamente uma história de imigrante, mas uma história de amadurecimento… Eu meio que não percebi o quanto eu precisava disso até desenhá-la. Seu tipo de doce nerd é algo com o qual simpatizo profundamente desde que cresci”, afirmou ele à Entertainment Weekly.

Como os personagens são dos anos 80, Vaughan sabia que tinha que manter o mal com o bem. Ele não queria simplesmente remover as coisas problemáticas, como racismo e homofobia, em busca de reminiscências. Na mesma linha, ele até achou essencial tornar os protagonistas femininos e não masculinos, o que geralmente não é o caso quando se trata de tais histórias.

A protagonista feminina [sempre parece] definida pelo garoto que estão perseguindo ou pelo relacionamento do qual acabaram de sair. Eu queria escrever uma história sobre quatro crianças que não se importavam com o sexo oposto. Foi evitar as armadilhas de relacionamento que surgiram naqueles filmes de 1980 e dar a eles garotos para serem esmagados … e apenas deixar que elas e sua amizade fossem a história. Isso foi mais importante para mim”, disse Vaughan ao LA Times.

Vaughan e Chiang planejaram muitas coisas daqui para frente nos quadrinhos e, embora a série dependa muito de seu material de origem, ela também cria seu próprio espaço dentro do universo de ‘Paper Girls’. A adaptação expande e muda algumas coisas para acomodar as coisas que os quadrinhos não poderiam ter. Vaughan observou que há algumas coisas que a televisão gosta mais como meio do que os quadrinhos, e o programa se beneficia disso.

Se você nunca ouviu falar de Paper Girls, se você não está familiarizado com esse quadrinho, então o programa ainda é 100% acessível, e acho que você vai adorar. Mas se você é um fã incondicional dos quadrinhos, ainda será extremamente surpreendente para você. Com a nossa bênção, eles vão para lugares que nunca poderíamos como quadrinhos, e há novos personagens, há novas ameaças”, disse o escritor. Isso significa que, apesar de reutilizar o material dos quadrinhos, a série do Amazon Prime oferece seu próprio toque à narrativa e dá a todos os fãs algo pelo que esperar.

O Amazon Prime custa R$ 14,90 e além do serviço de streaming de vídeo, o assinante tem direito a Frete GRÁTIS em milhões de produtos elegíveis, 2 milhões de músicas no Amazon Music, centenas de eBooks e revistas no Prime Reading.Clique aqui para assinare aproveite os 30 dias grátis.

Leia também: Paper Girls – 2ª temporada | Data, trailer e tudo o que sabemos


Já conhece nosso canal do YouTube? Lá tem vídeo quase todo dia. Se inscreve! Dá uma olhada no nosso vídeo mais recente:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News.

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia
Publicidade

Mais lidas

Mais recentes