A fantástica franquia de terror ‘Invocação do Mal‘ tem sido frequentemente elogiada por contar histórias com suas raízes na realidade. Os filmes retratam casos profundamente assustadores e assustadores nos quais os investigadores paranormais da vida real Ed e Lorraine Warren trabalharam em suas carreiras. James Wan dirigiu os dois primeiros filmes da série, enquanto Michael Chaves (A Maldição da Chorona), dirigiu ‘Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio’.

A história do terceiro filme gira em torno de um suspeito de assassinato que admite ter cometido um assassinato. No entanto, ele acrescenta que não foi responsável pelo crime, pois um poder demoníaco o possuiu e o forçou a cometer o crime. Mesmo com a premissa soando como uma história rebuscada, os fãs estão interessados ​​em saber se o terceiro episódio tem suas bases na vida real. Vamos descobrir?

Invocação do Mal 3: A Ordem do demônio é baseado em uma história real?

Invocação do Mal 3: A Ordem do demônio é parcialmente baseado em uma história real. No entanto, o filme emprega vários tópicos fictícios e, ocasionalmente, dá lugar a incidentes completamente fictícios. Segundo a história, Ed Warren era um veterano da Segunda Guerra Mundial que se tornou obcecado por Demonologia depois de estudar o assunto.

Por outro lado, sua esposa, Lorraine Warren, alegou que ela era uma clarividente. Ela alegou que poderia alcançar e até mesmo se comunicar com vários espíritos e demônios que não pertencem ao nosso mundo. Juntos, os Warren abriram sua própria organização em 1952. Através da organização chamada Sociedade da Nova Inglaterra para Pesquisa Psíquica, Ed e Lorraine enfrentaram casos paranormais e começaram a investigá-los com o melhor de suas habilidades.

O primeiro filme, de 2013 foi baseado nas experiências reais da família Perron depois que eles se mudaram para uma casa em Harrisville, Rhode Island. As assombrações mostradas no filme, assim como o espírito, Bate-Seba, foram realmente investigadas por Ed e Lorraine, e embora eles não tenham tentado um exorcismo como mostrado no filme, eles tentaram uma sessão espírita.

Invocação do Mal 2, de 2016 também pegou emprestado seu enredo de outro caso real de Ed e Lorraine. Entre 1977 e 1979, houve várias alegações de ocorrências paranormais e possessões demoníacas em uma casa em Brimsdown, Enfield. Mais tarde, ganhando fama como Enfield Poltergeist, as reivindicações giravam principalmente em torno de duas irmãs e sua suposta possessão por um espírito. O caso da vida real causou um grande rebuliço no circuito paranormal, o que levou a numerosos argumentos que debatiam a autenticidade do caso.

Como os dois filmes anteriores, ‘Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio’ também é baseado em um caso paranormal em que Ed e Lorraine Warren trabalharam em Connecticut. Tomando emprestado seu enredo do julgamento na vida real de Arne Cheyenne Johnson, o filme nos leva de volta à primeira e única vez nos Estados Unidos quando um suposto assassino se declarou inocente com base em alegações de posse demoníaca. Arne Cheyenne Johnson foi preso por matar seu senhorio durante uma discussão acirrada. Quando apresentado no tribunal, Arne admitiu o assassinato, mas afirmou que estava sob a posse de um espírito demoníaco ao cometer o crime.

O filme retrata perfeitamente esse incidente da vida real e mostra como todo o tribunal, assim como o país, ficaram surpresos com a linha de defesa “nunca ouvida antes”. O filme também se mantém fiel ao incidente da vida real de David Glatzel. Vários meses antes do assassinato do senhorio de Arne, os Warren foram chamados para verificar um menino de 11 anos chamado David Glatzel. Houve alegações de que ele estava possuído por um espírito maligno e os Warren foram seu último esforço para curá-lo (embora, deve-se notar que o irmão de David, Carl, nunca acreditou nessas alegações). Após investigação, os Warrens concluíram que David precisava de um exorcismo.

Lorraine admitiu mais tarde que David mostrou a maioria dos sinais de possessão demoníaca, incluindo rosnar e fazer ruídos incomuns, não condizentes com seres humanos. No entanto, não sendo membros formais da igreja, nem Ed nem Lorraine foram autorizados a realizar um exorcismo adequado. Assim, eles aceitaram a ajuda de padres e começaram a pedir à igreja que tratasse do assunto e organizasse um exorcismo.

No total, três exorcismos foram realizados em David Glatzel. Arne estava namorando a irmã de David na época e estava presente na sala durante os exorcismos. Ele teria provocado um dos espíritos a possuí-lo. Testemunhas oculares na cena afirmaram mais tarde que o espírito deixou o corpo de David e entrou no de Arne. No entanto, deve-se ter em mente que existem várias versões dramatizadas de como Arne acabou sendo possuído sem uma maneira específica de descobrir o que realmente aconteceu.

Também foi relatado que, depois de ser possuído, Arne freqüentemente apresentava sintomas de rosnado e alucinação, embora a presença de um espírito de outro mundo nunca pudesse ser comprovada cientificamente. Além disso, o filme também permanece fiel ao final em que o juiz se recusa a entreter um argumento de possessão demoníaca e, em vez disso, considera Arne culpado. Mas mesmo com o filme pegando emprestado sua história da vida real, os escritores e produtores exageraram descontroladamente o caso da vida real apenas para fornecer mais emoções e sustos.

O culto satânico chamado Discípulos do Carneiro não existia na vida real. Os totens assustadores, cadáveres reanimados e espíritos visíveis também são bastante rebuscados. Além disso, o diretor usou peças de terror convencionais, como espaços infestados de teias de aranha, casas vazias assustadoras e o escuro, que também não têm nenhuma menção no caso da vida real. Assim, podemos ver como ‘Invocação do Mal 3’ toma emprestado seu enredo central da realidade. No entanto, o filme se desvia loucamente por meio de incidentes sobrenaturais rebuscados que parecem fantásticos na tela do cinema, mas não têm base na vida real.

Leia também a nossa crítica do filme

Leave a comment

Publicidade
Netflix Quem matou Sara? #Crítica Estreias de maio Paulo Gustavo