Se você está buscando filmes de suspense bons para assistir no vasto catálogo da Netflix, essa lista sem dúvida foi feita para você. Vem ver os achados que encontramos!

Oxigênio

Em Oxigênio, uma mulher acorda em uma cápsula criogênica, sem memória de quem é ou de como foi parar ali. Confinada, apenas com a inteligência artificial MILO, ela precisa buscar em suas vagas lembranças uma forma de se libertar antes que seu suprimento de oxigênio se esgote.

Leia a nossa crítica!

Amizade Desfeita 2: Dark Web

Amigos virtuais recebem uma mensagem anônima dizendo que vão todos morrer se ficarem offline ou chamarem a polícia. Uma noite divertida torna-se terrível à medida que cada usuário é alvo de acontecimentos sinistros enquanto seus amigos assistem.

Operação Overlord

Uma tropa de paraquedistas americanos é lançada atrás das linhas inimigas para uma missão crucial. Mas, quando se aproximam do alvo, percebem que não é só uma simples operação militar e tem mais coisas acontecendo no lugar, ocupado por nazistas.

Leia a nossa crítica!

Fuja

Uma adolescente educada em casa começa a suspeitar que sua mãe esconde segredos sombrios.

Leia a nossa crítica!

Um Contratempo

Adrian desperta em um hotel, e encontra sua amante morta coberta de dinheiro. Ele recorre a melhor advogada de defesa, e eles tentam descobrir o que realmente aconteceu na noite anterior.

Leia a nossa crítica!

A Ligação

Conectada a outra mulher por telefone, mas separada dela no tempo, uma serial killer põe em risco o passado e a vida da sua interlocutora para mudar o próprio destino.

Leia a nossa crítica!

Jogo Perigoso

Quando as brincadeiras sexuais do marido dão errado, Jessie, algemada a uma cama numa casa distante, encara visões alucinantes, segredos sombrios e uma escolha terrível.

À Espreita do Mal

Em busca de um adolescente desaparecido, o detetive de uma pequena cidade descobre que uma presença maligna perturba a sua família.

Leia a nossa crítica!

Melhores séries Rua do Medo: 1666 – PARTE 3 – Final #Crítica Atypical Interrompemos a Programação #Crítica