A polêmica em torno do ator Noel Clarke continua. O astro britânico, que foi acusado de assédio sexual, agora enfrenta novas acusações, com pessoas no set da série Doctor Who dizendo que foram apalpadas por ele de forma inadequada.

As novas fontes foram ouvidas pelo jornal The Guardian, que foi o veículo que escreveu originalmente na semana passada que 20 mulheres haviam apresentado declarações contra Noel, que variavam desde má conduta sexual até bullying. Isso fez com que os canais iTV, Sky e CAA anunciassem que cortaram lanços com ele.

Agora, Joanne Hayes [assistente de figurino na primeira temporada da nova versão de Doctor Who] afirmou que Clarke a assediou sexualmente em seu trailer, referindo como ele “gostava de garotas com cabelo comprido, pois isso dava a ele algo para segurar quando ele as pegava por trás” (Hayes tinha cabelo muito comprido na época), algo que os advogados de Clarke negaram e disseram que não ocorreu.

O longo relatório está repleto de detalhes chocantes, incluindo afirmações de que ele persuadiu atrizes a fazer testes nus e secretamente os gravou. Existem também várias outras alegações de assédio sexual (verbal e físico), e a coisa toda torna uma leitura inegavelmente perturbadora. 

Pelo que vale a pena, Noel Clarke emitiu uma declaração em resposta: “Em uma carreira de 20 anos, coloquei a inclusão e a diversidade na linha de frente do meu trabalho e nunca tive uma reclamação feita contra mim. Se alguém que trabalhou comigo, já me senti desconfortável ou desrespeitado, peço desculpas sinceramente. Nego veementemente qualquer má conduta ou transgressão sexual e pretendo me defender contra essas falsas alegações.”

Desnecessário dizer que seria uma surpresa para Noel Clarke se recuperar dessas alegações, especialmente quando há tantas vítimas e várias testemunhas que se apresentaram para apoiá-los. 

Clarke também é conhecido por filmes e programas de TV como SAS: Red NoticeMuteAdulthood e 4.3.2.1.

Estreias de agosto da Disney+ Melhores Filmes da Netflix em 2021 Melhores séries Rua do Medo: 1666 – PARTE 3 – Final #Crítica Atypical