O filme de terror com zumbis cheio de ação e litros de sangue do diretor Julius AveryOperação Overlord, finalmente está disponível na Netflix. Mas será que você entendeu mesmo as respostas do desfecho aliciante? Aqui vamos explicar tudo e mais um pouco sobre a trama e o final.

Mas antes, que tal ler a nossa crítica de Operação Overlord clicando neste link!

[CUIDADO COM SPOILERS]

A trama mostra os soldados americanos na Segunda Guerra Mundial descobrindo que os nazistas estão fazendo experiências com os aldeões locais em um esforço para aperfeiçoar um poderoso soro e construir um exército de super-soldados imortais. Quando o soldado Boyce (Jovan Adepo) descobre um laboratório cheio de cadáveres reanimados, o filme começa a funcionar em alta velocidade e as coisas chegam a um final explosivo e sangrento.

Operação Overlord começa com Boyce e seus companheiros soldados em um avião de guerra, sendo informado sobre o que parece ser uma missão simples. Eles precisam alcançar uma torre de rádio nazista que foi construída em uma igreja em um pequeno vilarejo francês e destruir a torre para que a Força Aérea dos Estados Unidos possa fornecer apoio enquanto as tropas terrestres avançam nas praias da Normandia no Dia D. Há muitas vidas em jogo, e a pressão só aumenta quando menos de meia dúzia de soldados da unidade de Boyce conseguem chegar vivos à aldeia.

Liderando os soldados americanos está o especialista em explosivos Cabo Ford (Wyatt Russell) , enquanto o complexo nazista está nas mãos do malévolo capitão Wafner (Pilou Asbæk). Boyce e os outros soldados encontram refúgio com uma catadora local, Chloe (Mathilde Ollivier), mas nem mesmo ela pode mantê-los protegidos do que está escondido embaixo da igreja.

Ok, mas o que aconteceu no final de Operação Overlord?

Depois de ser sequestrado e torturado por Ford, Wafner consegue escapar da casa de Chloe, sequestrando seu irmão mais novo, Paul (Gianny Taufer), no caminho de volta. Enquanto o carro se afasta de casa, no entanto, Ford consegue acertar Wafner no rosto, explodindo um bom pedaço dele. Wafner volta ao laboratório e – apesar dos protestos do médico de que o soro ainda não foi refinado e nunca foi experimentado em uma pessoa viva – injeta-se com o suco de zumbi para continuar lutando apesar do ferimento. O soro consegue manter Wafner de pé e com superforça, mas também parece deixá-lo ainda mais louco e assassino do que antes.

Enquanto isso, após uma tentativa de reviver o fotógrafo de guerra Chase (Ian De Caestecker) usando o soro, dá errado, os soldados americanos se reagrupam e elaboram um plano para atacar o complexo. Boyce insiste que eles tentem resgatar Paul ao longo do caminho e Ford concorda com relutância. Boyce, Ford e Chloe entram furtivamente no complexo pelo esgoto que Boyce descobriu no início do filme, enquanto Tibbet (John Magaro) e Rosenfeld (Dominic Applewhite) atacam os portões do complexo com um rifle e uma metralhadora, a fim de atrair o alemão soldados fora e longe do laboratório e da torre de rádio.

Uma vez dentro, Ford e Boyce se preparam para acertar os explosivos enquanto Chloe vai procurar Paul. Um soldado alemão tenta induzi-la a entrar em uma das celas, mas, em vez disso, acaba liberando um dos experimentos – um zumbi super rápido, super forte e super difícil de matar. Chloe consegue levar Paul até a grade do esgoto e, em seguida, luta contra o zumbi enquanto ele escapa, acabando por matá-lo com um lança-chamas. Paul foge para a aldeia e acidentalmente corre bem no meio de um tiroteio entre Tibbet, Rosenfeld e os soldados alemães. Tibbet, apesar de agir irritado com a criança durante o filme, corre para o perigo para agarrar Paul e trazê-lo para um local seguro, sendo baleado (não fatalmente) no processo.

Dentro do complexo, Wafner encontra Ford enquanto ele está preparando a torre de rádio para explodir e destrói o carregador que teria detonado os explosivos. Ele arrasta Ford para o laboratório e o empala com um gancho. Boyce consegue afastar Wafner e, ao fazê-lo, Ford consegue se livrar do gancho e se injeta com o soro de zumbi para que possa continuar lutando. Ele momentaneamente tira Wafner da luta, e então conduz Boyce para fora do laboratório, trancando o portão atrás dele e dizendo a Boyce para ir e colocar as cargas nos explosivos da torre de rádio. Enquanto Wafner se recupera e experimentos avançam em Ford, ele usa o isqueiro de Wafner para acender o fusível nos explosivos do laboratório, explodindo todo o lugar, matando a si mesmo e Wafner, e enterrando o laboratório.

Boyce chega à torre de rádio e lança a carga sobre os explosivos, fugindo do complexo enquanto ele explode e desmorona atrás dele em uma frenética sequência de fuga de um tiro. Depois de se reunir com Tibbet e Rosenfeld, Boyce é questionado por um oficial sobre rumores de um laboratório sob a igreja. Ele mente e diz que não encontrou nada. Ele, Tibbet e Rosenfeld são informados de que eles estão sendo colocados na empresa C, e os três se preparam para entrar novamente na briga – esperançosamente com menos zumbis desta vez.

As origens do soro de zumbis nazista de Overlord

A trama não entra em muitos detalhes a respeito de como o Dr. Schmidt (Erich Redman) desenvolveu o soro, mas sabemos que o misterioso líquido foi descoberto em uma cova embaixo da igreja (a mesma cova em que Wafner caiu no final batalha). Depois de descobri-lo, os nazistas estavam determinados a explorar seu potencial porque – como Wafner coloca – um Reich de mil anos requer soldados que podem viver por mil anos. Os nazistas usaram os aldeões locais para seus experimentos com o soro, que pode ser usado para criar diferentes tipos de zumbis: cadáveres reanimados, criaturas superfortes e deformadas que crescem em sacos parecidos com úteros e zumbis “vivos” como Wafner e Ford. Também está implícito que Schmidt pode ter usado corpos vivos como um meio de processar o líquido em um soro – que é o que ‘

Os experimentos estão claramente incompletos. Chase, ao ser injetado com o soro, volta à vida, mas rapidamente começa a se degradar em um monstro deformado e cheio de raiva. Wafner se torna ainda mais insano e monstruoso depois de se injetar com ele, e até mesmo Ford pode ser visto começando a se transformar pouco antes de explodir a si mesmo e ao laboratório. Um soro com potencial para criar soldados superfortes que podem sobreviver a uma bala na cabeça claramente tem grandes aplicações, entretanto – é por isso que Boyce finalmente decide que os militares americanos não deveriam colocar suas mãos nele também.

O que acontece com os sobreviventes?

Para um filme tão sangrento, Operação Overlord tem um número surpreendente de personagens ainda de pé quando os créditos finais começam. Boyce, Tibbet, Rosenfeld, Chloe e Paul sobrevivem, o avanço americano na França é um sucesso graças à torre de rádio sendo derrubada, o complexo nazista destruído e a própria vila libertada. Boyce, Tibbet e Rosenfeld recebem uma nova atribuição na companhia C (aparentemente a lesão de Tibbet não foi ruim o suficiente para lhe valer uma passagem para casa), o que significa que eles logo partirão para lutar em outra linha de frente. Enquanto isso, Chloe e Paul vão ficar de luto pela tia e tentar reconstruir suas vidas.

Há claramente potencial para um segundo filme. Uma sequência poderia seguir os soldados sobreviventes e talvez vê-los encontrando outra onda de zumbis – por exemplo, se o exército dos EUA cavar um pouco sob a igreja e descobrir o laboratório e o líquido misterioso. Outra possibilidade é um filme anterior revelando exatamente como o poço de líquido veio a ficar sob a igreja e exemplos anteriores dele sendo usado para ressuscitar os mortos. Ou, voltando à ideia de uma sequência, um acompanhamento poderia avançar no tempo até os dias atuais e ver o soro sendo redescoberto. Quem sabe – talvez Overlord ainda pudesse ser reconectado ao universo Cloverfield, como era planejado para ser.

O verdadeiro significado do fim do filme!

A conclusão mais significativa do final de Overlord é tanto Ford quanto Boyce decidindo que nenhum dos lados deveria ter acesso ao soro do super-soldado – uma decisão ousada de se tomar, dado que a América está envolvida em uma guerra mundial que eles nem mesmo estão certeza de que eles podem vencer. Com o exército de Hitler devastando a Europa, Boyce poderia facilmente ter se convencido a roubar outra seringa cheia do líquido ou dizer a seus superiores exatamente o que encontrou embaixo da igreja para que pudessem descobri-lo.

Overlord não tem exatamente uma mensagem “os dois lados são tão ruins quanto o outro”, o que seria difícil de transmitir em um filme sobre soldados americanos tentando libertar a França dos nazistas. No entanto, as ações de Ford servem como um lembrete de que Boyce não está totalmente do lado dos anjos. Ford está disposto a bater brutalmente em Wafner para tentar obter informações dele, e ele está singularmente focado em completar a missão, independentemente das baixas ao longo do caminho. O próprio Boyce demonstra os perigos de tentar imprudentemente usar o soro em seu próprio benefício quando ele espontaneamente injeta Chase com ele, e então é forçado a bater na cabeça de seu amigo depois de já tê-lo visto morrer uma vez.

Portanto, embora os rumores de que Overlord fosse uma prequela secreta de Cloverfield se revelassem falsos, há temas semelhantes em O Paradoxo Cloverfield – ou seja, que humanos interferindo na natureza podem ter consequências desastrosas, independentemente de quão boas sejam as intenções.

 E aí, você gostou do filme? Operação Overlord já está disponível na Netflix.

Leave a comment

Retro #BBB21 Assistidos Netflix Resenha no #BBB21 #Crítica Marie Curie