Na Rota do Ouro é baseada em fatos reais? Conheça a inspiração da série da Netflix

Publicidadespot_img

Na Rota do Ouro‘ segue a jornada de Filomena e seus companheiros bandidos em sua busca para encontrar um tesouro perdido no sul da Itália pós-unificação.

Tolerando um marido abusivo e uma vida mundana, Filomena decide deixar tudo para trás em busca do ouro que acredita pertencer ao Sul. Armada com um mapa do tesouro e sua inteligência, ela se depara com um grupo de bandidos cujos motivos se alinham com os dela. O grupo opera nas profundezas das florestas e colinas e luta pela liberdade contra um regime apático.

A busca pelo ouro os coloca em rota de colisão com as numerosas forças governamentais. Originalmente intitulada de ‘Briganti’, a série italiana da Netflix nos leva em uma saga épica de aventura, rebelião e ação.

Co-escrita e co-dirigida por Antonio Le Fosse, a série investiga um período menos conhecido da história italiana, inspirando uma investigação sobre suas fontes do mundo real.

A inspiração por trás de Na Rota do Ouro

Embora ‘Na Rota do Ouro‘ narre uma história fictícia, ela se baseia em incidentes históricos e figuras do período pós-unificação da Itália. As lendas dos verdadeiros bandidos da época inspiram todos os personagens principais da série. Sua fascinante história é escrita pelos escritores Antonio Le Fosse, Giacomo Mazzariol, Marco Raspanti, Re Salvador e Eleonora Trucchi.

O período pós-unificação na Itália refere-se ao período que se seguiu ao Risorgimento, o movimento pela unificação italiana no século XIX. Antes da unificação, a Itália estava dividida em numerosos estados e territórios independentes governados por várias potências estrangeiras e governantes locais.

O Risorgimento, liderado por figuras como Giuseppe Garibaldi e o Conde Camillo di Cavour, pretendia unir estas regiões díspares num Estado-nação único e unificado. No entanto, as terras do sul do país sempre foram mais ilegais devido a fatores históricos e eram famosas pelo banditismo.

Após a unificação bem sucedida da Itália em 1861, o recém-formado Reino de Itália enfrentou numerosos desafios, incluindo instabilidade política, dificuldades económicas e agitação social. O processo de unificação deixou muitas regiões e comunidades marginalizadas e privadas de direitos, levando a um descontentamento e resistência generalizados.

Isto era especialmente verdadeiro para as terras mais pobres do sul, que já estavam devastadas por gangues de bandidos itinerantes. No entanto, com a resistência ao governo, que viam como ocupante, muitos bandidos tornaram-se um símbolo de resistência política e independência.

Essas figuras e grupos continuariam a travar uma guerra de guerrilha com as forças do reino, ao mesmo tempo que às vezes também combatiam outros elementos criminosos, como pode ser visto no programa.

Neste período da história do país, muitos dos que pegaram em armas contra o regime foram denominados bandidos, independentemente dos seus motivos. Assim, o termo banditismo abrange uma ampla gama de atividades, desde pequenos furtos e roubos até movimentos de resistência organizados que lutam por mudanças políticas ou sociais.

Os bandidos frequentemente operavam em áreas rurais remotas, aproveitando o terreno acidentado e evitando a captura pelas forças governamentais.

Na Rota do Ouro‘ inspira-se nas lendas e histórias de bandidos lendários que ganharam destaque durante o período pós-unificação da Itália. Estas figuras, tanto homens como mulheres, tornaram-se símbolos de resistência e rebelião contra as injustiças percebidas na época.

Tal como destacado pela série Netflix, as mulheres bandidas também desempenharam um papel significativo nos movimentos de resistência da Itália pós-unificação.

A série também se inspira principalmente na figura histórica de Robin Hood da época, Pietro Monaco, e sua esposa, Maria Oliverio ou Ciccilla. Soldado e oficial do exército Bourbon, Pietro Monaco abandonou seu posto e se envolveu em Brigandria após testemunhar a corrupção dos proprietários de terras locais. Sua esposa, Maria Oliverio, foi presa por atrair ou chantagear Mônaco. Após sua libertação, Maria se juntou à gangue de Pietro enquanto eles operavam na Calábria.

Impulsionado por um sentimento de injustiça e um desejo de vingança contra as autoridades governantes, Mônaco voltou-se para uma vida de crime e banditismo. Seus brigantis começaram a atacar proprietários de terras ricos, comerciantes e funcionários do governo, roubando-lhes seus objetos de valor e muitas vezes sequestrando funcionários de alto nível para obter resgate.

Diz-se que Brigandessa Ciccilla liderou muitas das operações do grupo, que envolveram o sequestro dos primos Achille Mazzei e Antonio Parisio em Santo Stefano, resultando em um enorme resgate.

Outro incidente sensacionalista foi o sequestro de nove homens importantes, incluindo clérigos, nobres e o bispo de Tropea. As vidas de Mônaco e Ciccilla foram narradas no filme italiano ‘Brutta Cera’.

Os Briganti são frequentemente reconhecidos como símbolos de resistência política e resiliência na Itália e inspiraram vários romances e filmes, incluindo ‘Na Rota do Ouro’, da Netflix. A série recria a era pós-unificação da Itália e sensacionaliza as histórias de bandidos lendários, apresentando-os numa imagem mais limpa em comparação com os seus homólogos do mundo real.

LEIA TAMBÉM: Quando e onde se passa a série “Na Rota do Ouro”?


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso grupo no WhatsApp ou no canal do Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: